Once Upon a Time – 6×09 – Changelings

Imagem: Banco de Séries/Divulgação

Imagem: Banco de Séries

Quando soube que seria um episódio baseado na história de Rumple e Bela, já sabia que teríamos algo um pouco enrolado e monótono, mas não esperava que fosse tanto assim. O episódio foi todo ZzZzZz, com o plot gangorra que se estende desde a quarta temporada e já não encanta mais tantos fãs. Claro que tivemos algumas novidades, mas no fim tudo foi trabalhado em volta de Bela tentando salvar seu filho do pai psicopata e sequestrador de crianças.

Essa síndrome de Estocolmo entre a Bela e a Fera, já deixou de ser bonitinha para virar insanidade. No início era tudo interessante e misterioso, a confusão de sentimentos da garota pelo monstro, as mudanças na atitude de Rumple que criavam uma esperança nos fãs de um dia vê-lo lutando do lado de nossos heróis. Mas, como eu disse na última review e o personagem citou nesse episódio, os dois só dariam certo se a garota o aceitasse pelo que ele é, com toda sua inconstância.

Imagem: Banco de Séries/Divulgação

Imagem: Banco de Séries/Divulgação

Continua após a publicidade

Entre as idas e vindas do tédio, explorar o passado de Rumple foi um ponto positivo, mas que me deixou desapontado. Sempre esperei uma grande história para a Black Fairy, algo com um tom mais sombrio em relação à Blue ou então, algo que repercutisse mais sobre a série. Claro que foi inesperado ela ser a mãe do vilão, que realmente tem sérios motivos para ser alucinado daquele jeito com os pais que tem, mas ainda ficou faltando algo naquela cena, algo que impactasse mais do que o simples confronto verbal. Espero que possam abordar esse plot futuramente de uma maneira mais intensa do que foi mostrado nesse episódio.

Deixando de lado todo o plot eternamente adormecido da série, temos uma dualidade de trabalho sobre uma mesma atriz. Regina está cada vez mais intensa sobre o seriado, e também mais importante. Aquele desapontamento que ainda guarda sobre Zelena é algo muito interessante para ser abordado futuramente, pois já sabemos o quanto as cenas com as Wicked Sisters são incrivelmente boas. A personagem só vem crescendo na série e esse é um feedback muito bom do seu trabalho. Em contrapartida, não tenho gostado muito do trabalho sobre a Evil Queen, pois esperava uma comoção maior de suas maldades e estão romantizando e enfraquecendo uma personagem que deveria vir espalhando o terror sobre esta temporada.

Entre os sucessos e desapontamentos, a série caminha bem. Claro que não conseguem agradar a gregos e troianos, mas os plots separados não estão arruinados. Continuamos com aquela leve introdução de Aladdin e Jasmine salvando Agrabah, para um final esperado nos próximos episódios. Emma e sua morte ainda assombram os episódios, e agora que já temos a arma do crime, podemos chegar cada vez mais perto do verdadeiro culpado. Há um desenvolvimento linear da série, com pequenos desvios, mas espero que os produtores trabalhem muito bem esta temporada e já tenham em mente um possível final para reter a atenção dos fãs e garantir mais um ano de série. Mesmo não gostando tanto do episódio, espero que vocês continuem acompanhando a série e as reviews aqui no site. Abraços e até semana que vem!!

Lucas Franco

Lucas Franco

Mineiro, Escorpiano, 20 Anos, Estudante de Medicina. Direto do Arkham Asylum para o Mix. Eterno fã de Chuck, E.R. e Friends (RIP). Por entre as madrugadas vive a dualidade dos estudos e das séries. No Mix, escreve as reviews de Quantico, The Good Doctor e Legends of Tomorrow.

1 comment

Add yours
  1. Avatar
    Wellington Torres 4 dezembro, 2016 at 20:38 Responder

    Também achei que a aparição da Fada Negra foi muito fraca… mas sempre desconfiei que ela fosse mãe do Rumpel… não sei porquê. Num geral gostei do episódio e espero que isso signifique a história irá melhorar.

Post a new comment