Opinião: Com 15ª temporada, Grey’s Anatomy está melhor do que nunca

15ª temporada de Grey’s Anatomy já é uma das melhores da série

Antes de qualquer coisa, cuidado: esse texto contém alguns leves spoilers da 15ª temporada de Grey’s Anatomy

Não faz muitos anos, eu clamava pelos tempos áureos de Grey’s Anatomy. Aqueles bons tempos que ficavam na nossa memória como os melhores da série. Isso porque a série andava mal das pernas. Ô se andava. Mas a 15ª temporada proporcionou uma revigorada tão grande para o programa que eu estou me sentindo como se tivesse voltado aos tempos áureos. E isso é muito bom.

Continua após a publicidade

Não sei vocês, mas eu sou um fã da série há muito tempo. Pra dizer a verdade, exatos 14 anos. Eu praticamente vi a série nascer e vivi os seus tempos de glória, quando ela era indicada a prêmios e cheirava novidade. Passei meses sem saber se Burke ia voltar, ou se Izzie e George iam morrer. Sofri com o tiroteio e precisei esperar um bom tempo para ver que tudo estava bem novamente.

Pois é, nunca vi Grey’s Anatomy em forma de maratona, porque eu acompanho a série em tempo real há muito tempo. E com propriedade, posso dizer que a série chegou a um ponto de ficar bem chata. Eu já nem tinha mais vontade de ver um episódio inédito. Dava aquela preguicinha… Entretanto, a coisa tem mudado de uns tempos para cá. Na verdade, comecei a notar uma mudança de tom envolvente mais para a reta final da 14ª temporada. Porém, não quis me enganar. Só que a 15ª temporada veio para confirmar: Grey’s Anatomy está voltando aos seus tempos áureos.

Uma temporada que vale a pena…

Eu fiz essa introdução de três parágrafos apenas para reafirmar que não falo da boca para fora que Grey’s Anatomy melhorou. Eu fui um crítico ferrenho da série, durante todo seu momento “capenga”. Mas a 15ª temporada vem reconquistando algo que há muito tempo eu não via na série.

Voltei a ficar interessado com as histórias, de forma que me envolvo semanalmente. Eu me importo o que está acontecendo. E isso não é só com um ou outro personagem. Eu realmente acho que muitas das histórias contadas estão ótimas.

Meredith e DeLuca estão formando um dos casais mais interessantes que a série teve em anos. Ela está feliz. Ele está crescendo. Uma mulher madura ensinando algumas coisas para um rapaz jovem e atraente. Boa Meredith, você merece…

Meredith está se jogando em um novo e merecido amor com DeLuca. Imagem: ABC/Divulgação

Amelia está se sobressaindo, com uma trama que remete até mesmo os seus dias de Private Practice, quando dividia tela com Addison Montgomery e se mostrava uma das personagens mais interessantes do universo de Shonda Rhimes. Até mesmo Owen, que sempre foi um zero a esquerda (até mesmo nos tempos de Cristina), está com uma história interessante envolvendo a adoção de uma criança e o conflito de ser pai biológico pela primeira vez. E claro, de Teddy Altman, alguém que sempre estará na vida do personagem.

Um casal gay masculino para ninguém colocar defeito. Internos extremamente interessantes, como não se viam desde a época de Meredith, Cristina e cia. E, além disso, aqueles personagens que andavam meio apagados voltaram a brilhar. Tirarem Miranda da chefia foi um grande acerto, uma vez que ela voltou para a ação na emergência. E as atrapalhadas de Alex estão lhe fazendo um líder memorável. E quem diria, Katherine Fox (Ex-Avery) chegou até a roubar os holofotes com uma história de câncer que emocionou.

Bom roteiro e bons personagens

Eu nunca fui muito exigente com Grey’s Anatomy, mas tenho enxergado a qualidade do roteiro da série. Ela tem apresentando, mais do que nunca, tramas com carga emocional impactante, acompanhadas de um texto extremamente bem escrito.

Fora isso, como já citei, a forma em como os episódios estão sendo escritos tem proporcionado um foco separado e exclusivo para a galeria extensa de personagens regulares. Esse, que sempre foi um grande problema para Grey’s Anatomy, finalmente tornou-se algo a seu favor.

Um obrigado à Krista Vernoff, que se tornou roteirista principal desde a saída de Shonda Rhimes para a Netflix. Ela, que era pupila de Shonda desde o começo da série, passou um tempo fora e depois retornou, está fazendo um excelente trabalho.

Não é a toa que ela se tornara, este ano, a série médica mais duradoura da televisão. É uma qualificação e tanto. Mas nada disso seria glorioso se Grey’s Anatomy não estivesse bem. E, gente, como ela está gostosa de assistir.

Se continuar assim, eu até assisto mais uma temporada fácil. Aliás, quem sabe mais umas duas, três, quatro… Longa vida à Grey’s Anatomy, e obrigado por devolverem dignidade a uma das séries mais importantes da TV.

Além disso, vou completar. Entretanto, com palavras. Além disso, verde. Todavia, sem. Entretanto, sem. Além disso, continuo. Entretanto, com palavras. Além disso,

Leia também: A verdade “obscura” por trás da produção e elenco de Grey’s Anatomy

Anderson Narciso

Anderson Narciso

Mestre em História, apaixonado por mídias, é o editor responsável e idealizador do Mix de Séries. Eterno órfão de Friends, One Tree Hill e ER, acompanha séries desde que se entende por gente. No Mix é editor de colunas e de notícias, escreve a coluna 5 Razões e resenha a série Gotham.

No comments

Add yours