Orphan Black e a sua abertura psicodélica

A terceira temporada de Orphan Black se aproxima e com elas somos abastecidos por mais informações sobre a volta do #CloneClub. Entre conspirações, Helenas e clones masculinos, fica a ansiedade de rever o brilhantismo de Tatiana Maslany em seu habitat de diversas faces. Para matar um pouco essa saudade, resgatamos a abertura da série para analisar sua construção um tanto quanto psicodélica.

 

ob001

 

Continua após a publicidade

Essa “psicodelia”, por assim dizer, é a primeira impressão que fica com a troca de formas e cores que a série traz. Na imagem, vemos representações visuais de referências científicas ao DNA humano e a construção da genética por trás do clone. Ao mesmo tempo em que as imagens se formam, o movimento em tela desperta uma sensação de mistério e tom científico para o seriado.

 

ob003

 

Em conexão com a música de “Two Fingers”, feita para a abertura, as imagens crescem e se transformam em um caos calculado; melancólico e imaginativo. Substantivos que caem bem, principalmente, para os episódios iniciais da série quando a trama dos clones ainda não foi totalmente desvendada.

 

[youtube]https://www.youtube.com/watch?v=aBXaRbqzmzc[/youtube]

 

É quase uma hipnose suave, que serve como uma analogia geral à série. Isso porquê o ponto mais interessante e principal da abertura vem na metáfora da imagem em reflexo: um espelho. O vídeo segue, abrindo em “opostos iguais” para os dois lados da tela, tanto duplicando o material humano quanto a personagem principal, brincando e refletindo a história contada pelo programa.

 

ob002

 

Bem feita, leve e de curta duração, a abertura de Orphan Black é uma das mais bem aplicadas do gênero. Mesmo que canse com o passar do tempo, é válida de saudade enquanto esperamos o retorno dos nossos clones preferidos.

Equipe Mix

Equipe Mix

Perfil criado para realizar postagens produzidas pela equipe do Mix de Séries.

2 comments

Add yours
    • Avatar
      Ana. 4 março, 2015 at 19:55 Responder

      “musica da aquela sensação de calma e as imagens passam uma sensação de caos” eu nunca tinha pensado assim, bá, ótima comparação. Faz total sentido com a série! (principalmente o caos, né)

Post a new comment