Inspirações reais e briga de atrizes: os fatos que marcaram os bastidores de The Good Wife

Imagem: NBC/Divulgação

Às vezes me perco quanto ao sentido desta coluna, pois tenho a tendência de explorar os grandes clássicos da televisão americana dos anos 90, 80 e até mesmo da década de 60. O que me faz esquecer que neste mesmo século, nós tivemos grandes lançamentos que não só marcaram uma geração, como influenciaram muitos, inclusive este que vos escreve, a começar a faculdade de direito.

The Good Wife começou num dos principais horários da CBS em 2009 – logo após NCIS: Los Angeles às terças-feiras às 22h, mostrando que a emissora estava muito confiante no seu produto. Ao final da temporada, o drama jurídico esteve na lista das vinte séries mais assistidas naquela temporada, enquanto os críticos comemoravam mais uma grande produção vinda da televisão aberta.

É verdade que muitos conservadores acusaram o canal de promover uma “propaganda de Hillary Clinton”, pelo fato da protagonista ficar ao lado do seu marido após torna-se público suas saídas com prostitutas o que seria semelhante ao que Bill Clinton fizera com Monica Lewinsky. Entretanto, tínhamos Robert e Michelle King à frente para não só desafiar uma ideia tão ridícula, mas para mostrar que é sim possível fazer entretenimento de massa inteligente.

História real

Apesar de comparações externas, The Good Wife foi livremente inspirada no escândalo sexual envolvendo prostitutas com Eliot Spitzer, ex-governador do estado de Nova York (de janeiro de 2007 a março de 2008), que renunciou ao cargo após a história tomar proporções gigantescas.

A similaridade e regularidade que tais acontecimentos, infelizmente, ocorrem na política americana fez com que a série ficasse parecida com John Edwards, ex-senador do estado da Carolina do Norte, e Bill Clinton. Outra semelhança aparece no fato de que todas as mulheres traídas serem advogadas, como foi o caso de Hillary Clinton e e Elizabeth Edwards.

A co-criadora Michelle King, entretanto, nunca gostou das comparações pelo fato dos homens sempre ganharem a maior atenção da imprensa apesar das verdadeiras vítimas serem as esposas, um dos motivos pelo qual The Good Wife contou a história da mulher por trás.

História real 2

Imagem: LinkedIn

Numa entrevista em 2011 para o Talk of the Nation da NPR (a Rádio Pública Nacional dos Estados Unidos), Alan Cumming (responsável por Eli Gold) revelou que seu personagem foi livremente baseado em Rahm Emanuel, conhecidíssimo agente político e atual prefeito de Chicago pelo Partido Democrata.

Cumming revelou que uma das histórias do passado de Eli, que não receberam atenção, incluem uma carreira como pianista profissional, inspirada numa das primeiras atividades da vida profissional de Emmanuel – dançarino profissional.

Para efeitos de curiosidade, Rahm figura na lista da revista Fortune como um dos 19 Líderes Mundiais Mais Decepcionantes divulgada em 2016.

Você lá e eu aqui

Imagem: TV Guide/Reprodução

As más línguas sempre disseram que nenhum membro do elenco gostava de Julianna Margulies pelo seu suposto “excesso de estrelismo”, mas claramente isso não é verdade, pelo menos em relação a Chris Noth, Christine Baranski, Josh Charles e Alan Cumming que teceram elogios à colega em inúmeras entrevistas ao longo da exibição da série.

Uma suposta briga, porém, tornou-se notória durante o tempo que Archie Panjabi interpretou a misteriosa Kalinda. Fala-se que a atriz e Julianna ficavam distante no set de gravações, onde Margulies requisitava aos produtores a maior distância possível de Panjabi. Comenta-se que as duas teriam brigado durante a quarta temporada e desde então nunca conseguirem se reconciliar.

A sexta temporada foi o ponto final do relacionamento atribulado quando Archie saiu da série. A relação teria chegado a um nível de corrosão tão grande que a última cena entre ambas as atrizes foi gravada separadamente e depois editada, foto acima. Em entrevista a revista Us Weekly, Archie Panjabi foi questionada sobre esse suposto “drama” e respondeu de uma maneira um tanto nebulosa.

“Não é justo que eu responda nessas direções. Por mais que eu queira. Mas essa decisões são feitas pelos produtores. Eu não participo da toma de direção. Tudo o que eu sei é que eu sempre serei muito grata ao casal King por ter me escalado nessa série,” disse.

Passos de Bebê

Imagem: Celebrity Baby Scoop

De acordo com a própria Julianna Margulies, depois de três anos enfrentando dificuldades em conciliar a grandiosa e atribulada agenda de gravações da série com os primeiros anos do seu filho, a atriz fez um acordo com os criadores Robert King e Michelle King para que ninguém saísse perdendo.

No começo da quarta temporada, foi estabelecido que aquelas gigantescas cenas de tribunal que demoravam horas para ficarem completamente prontas, Margulies gravava primeiramente todas as cenas onde Alicia era mais ativa para ter, consequentemente, menos trabalho no resto do dia, ou da semana, e tivesse a oportunidade de ir para casa cuidar do filho.

O próximo, por favor

Durante uma das famosas Roundtables promovidas pela The Hollywood Reporter, sempre realizada às vésperas da temporada de prêmios de determinado segmento, Julianna Margulies revelou que outras duas atrizes tinham recebido a proposta de interpretar Alicia Florrick antes dela.

Ashley Judd e Helen Hunt recusaram a personagem pelo fato da televisão não ser tão pomposa, e lucrativa, à época e também pelo fato dos horários serem extremamente apertados para quem queria se dedicar a carreira no cinema. Judd, em particular, pensava em candidatar-se ao Senado americano pelo estado do Kentucky, mas recusou em 2013.

Curiosamente, Helen Hunt integra o elenco da minissérie Shots Fired exibida atualmente às quartas-feiras pela Fox e Ashley estrelou a fracassada adaptação de Missing para a televisão em 2012. Posteriormente confirmou-se que Elisabeth Shue (de CSI Call to Glory), também recebeu proposta, mas recusou por querer dedicar-se a família com mais afinco.

Rapidinhas

#Apesar de se passar em Chicago, The Good Wife foi inteiramente gravada no bairro do Brooklyn na cidade de Nova York. O piloto, entretanto, foi filmado em Toronto em seguida moveu-se para os Estados Unidos em razão dos incentivos fiscais garantidos pelo estado de Nova York.

Imagem: Flickering Myth/Divulgação

#Carrie Preston, que deu vida à Elsbeth Tascioni, deveria ter aparecido em vários episódios da sétima temporada, mas o contrato que a atriz tinha firmado com a NBC para estrelar a já cancelada Crowded, permitia que ela participasse de apenas um.

#Desde a sua concepção, os criadores de The Good Wife, Robert e Michelle King, já desejavam e até anunciavam que o drama duraria sete temporadas.

#Em maio de 2016, a CBS confirmou que produziria um spin-off de The Good Wife a ser chamado de The Good Fight e seria utilizado para lançar a nova plataforma digital do canal, CBS All Access.

Avatar

Bernardo Vieira

Catarinense e estudante de direito. Escrevo sobre entretenimento desde 2010, mas comecei com política internacional depois da campanha americana de 2016. Adoro uma premiação e um debate político, mas sempre estou lendo ou assistindo algo interessante. Quer saber mais? Me pague um café e vamos conversar.

1 comment

Add yours

Post a new comment