Os bastidores de Vikings: curiosidades por trás das câmeras

Imagem: History Channel/Divulgação

Assim como grande parte das produções da TV a cabo lançadas no início da década de 2010, Vikings surgiu desacreditada e vista como passageira. Assim que a primeira temporada terminou em 2013, o History Channel sabia que tinha não só encontrado um sucesso, como também uma série cuja longevidade poderia desafiar a vida média de uma produção nos canais pagos. Estamos indo para 2018 com o drama vendendo boa forma e ensinando a muitos roteiristas como construir uma trama forte, saudável e interessante.

De acordo com o The Hollywood Reporter, a criação de Michael Hirst (responsável por outros dramas de época bem sucedidos como The Tudors e Camelot) estreou com nada menos do que 6.2 milhões de telespectadores, colocando o History em primeiro lugar na disputada faixa das 22h de domingo. Ao final das nove semanas, a média do total de telespectadores ficou em sólidos 4.3 milhões de telespectadores. Os bons números não podem esconder também os diversos prêmios que Vikings conquistou (e conquista) até hoje. São 11 indicações ao Emmy, sem contar com os inúmeros prêmios conquistados no Canadá.

Sabendo de todas essas conquistas e que a nova temporada estreia nesta quarta-feira, 29 de novembro nos Estados Unidos, Vikings é o tema da coluna Bastidores desta semana.

Continua após a publicidade

A lenda por trás da história

Imagem: History/Divulgação

Os corvo aparecem bastante na série. Eles tiveram grande importância cultural e religiosa na sociedade nórdica antiga, haja vista que eram visto como agentes de Odin que afirma ter dois corvos – Hugin (que significa pensamento) e Munin (Memória) quem voavam ao redor e reunia informações para ele.

Um dos muitos apelidos é Hrafnaguð, que significa “Corvo de Deus”. Vikings carregariam bandeiras representando os corvos. Forças do Ragnar carregam tais bandeiras. Como tal, os personagens pagãos da série são propensos a acreditar que quando os corvos aparecem, são vigiados por Odin.

De acordo com o mestre

Imagem: History Channel/Divulgação

Gustaf Skarsgård (também conhecido como Floki) ajudou alguns atores com a pronúncia de algumas palavras escandinavas, até porque é sueco de nascimento. Ainda de acordo com o ator, a palavra na qual vários atores cuja língua mãe é o inglês era o nome “Knut”.

O que significa? Geralmente anglicizada como “Canute” em livros de histórias e de ficção. Em sueco ou norueguês, Knut soa mais ou menos como “Knuut”.

Qual o número da sorte?

Imagem: Reprodução

A primeira temporada de Vikings é composta de apenas nove episódios. Curiosamente, 09 é um número muito especial na mitologia nórdica – Odin fica pendurado por um Yggdrasil durante nove noites para aprender o segredo das runas, existem nove mundos na árvore do mundo, Heimdall tem nove mães, Odin possui um anel que cria nove anéis novos, todas as noites, Ran tem nove filhas que consagra as ondas do mar.

Existem 9 grandes lindworms (serpentes dragão), cada nono ano nove os machos de todas as espécies são sacrificados aos deuses, Freyr tinha que esperar nove noites até se casar com DRGE, o símbolo de valknut tem nove pontos, Thor anda nove passos antes de morrer depois de matar Jörmungandr, Odin libertou-se e matou o rei Geirröd na nona noite de seu cativeiro e Odin sabe 18 (9 x 2) encantos de Runa.

Atenção à história

Imagem: History Channel/Divulgação

Os soldados de Wessex estão usando capacetes de um período de 700 anos mais tarde do que o descrito na história. Estas são burgonets de um estilo italiano, mais à vontade na Florença renascentista que Inglaterra. Além disso, o escudo de Pipa não foi introduzido na Inglaterra até c.1000, pouco antes da invasão normanda.

As outras tropas inglesas são vistos vestindo jerkins de couro acolchoado dos anos 1200/1300, então também são completamente fora do período. Os suecos são vistos vestindo capacetes usados por anglo-saxões no século VIII, não pelos suecos.

Composição

O compositor Trevor Morris afirmou no passado que não ficou muito satisfeito com o resultado do seu trabalho até que descobriu que o músico norueguês, Einar Selvik, seria contratado para que eles pudessem compor com instrumentos autênticos da época dos vikings. Surpreendenemente, eles encontraram sons únicos que realmente trazem aspectos originais da época.

Rapidinhas

Foto: Brasão da Família Real da Noruega; Imagem: Divulgação

De acordo com Katheryn Winnick o sotaque do homem nórdico é bem parecido com o sotaque sueco.

Originalmente os planos originais dos produtores era de batizar a série como Raid.

Em algumas cenas envolvendo grandes grupos de homens nórdicos, as vozesno ambiente são faladas em islandês, dinamarquês, norueguês e sueco.

As cores nas bandeiras e nos escudos do Harald Finehair são vermelha e amarelo, as mesmas da casa real da Noruega.

Avatar

Bernardo Vieira

Catarinense e estudante de direito. Escrevo sobre entretenimento desde 2010, mas comecei com política internacional depois da campanha americana de 2016. Adoro uma premiação e um debate político, mas sempre estou lendo ou assistindo algo interessante. Quer saber mais? Me pague um café e vamos conversar.

No comments

Add yours