Os pais de 13 Reasons Why comentam sobre a sensibilidade e o impacto da série

Imagem: Netflix/Divulgação

Continua após a publicidade

13 Reasons Why conta a história de Hannah Baker, e porque ela decidiu terminar sua vida. Mas também captura o impacto de suas ações e como elas afetaram várias pessoas na vida de Hannah – especialmente aqueles que a conheceram e a amaram, como os seus pais. Ambos estão lamentando sua perda, procurando por respostas quando a série começa. Sobre isso, os atores que deram vida aos pais da protagonista da série comentaram o impacto da história.

“Tragicamente, existem muitas pessoas para quem a trama não é apenas inimaginável, mas é a sua história”, diz Brian d’Arcy James, que interpreta o pai de Hannah, sobre a aproximação do papel com a realidade. “Então, em primeiro lugar, você quer honrar isso e ser fiel ao que aprendeu, à pesquisa que fez e às metas que você tem para que seu personagem represente essa coisa trágica”, comentou.

No entanto, a série não captura apenas o sofrimento dos Bakers. Através das fitas de Hannah – que nenhum dos pais conhece – a série possui flashes que voltam para momentos mais felizes em suas vidas, quando eles passaram tempo juntos como uma família, em meio as preocupações sobre as finanças e de ter que reduzir a loja da família. É o que faz o Sr. e a Sra. Baker perderem os sinais da depressão de Hannah, tornando o suicídio tão desolador de se assistir.

“Essa é uma coisa muito comum nas famílias”, observa Kate Walsh, que interpreta a mãe de Hannah. “Foi realmente importante para eles mostrarem que os Bakers são basicamente uma família normal e eles tinham problemas normais que as pessoas passam. Eles estavam fazendo o que achavam ser o melhor. Então, isso acaba sendo perdido”.

Walsh também observa que este pode ser um momento complicado na vida de ambos, pais e filhos, pois é quando os adolescentes começam a se rebelar e tornar-se mais privados sobre o que está acontecendo em suas vidas. “Quanto mais educação você pode ter em torno deles, em termos de procurar sinais, melhor. Não é apenas sobre os pais. O suicídio é um problema da comunidade. É a responsabilidade de todos cuidarem um do outro “.

Embora existam aqueles que elogiem o show e sua descrição de algumas das muitas questões que os adolescentes enfrentam durante suas carreiras no ensino médio, existem muitas preocupações sobre o retrato real do suicídio de Hannah na tela – a Netflix, inclusive, aumentou os avisos sobre episódios. Essa, no entanto, não foi a única cena difícil de filmar. Walsh e d’Arcy James tiveram que tocar a cena depois, onde os Bakers encontram o cadáver de Hannah.

“Nós estávamos agudamente cientes de o que a cena era e o que representou,” diz d’Arcy James. “Havia uma qualidade sombria de apenas fazer o trabalho silenciosamente, sempre de forma eficiente e com grande respeito.”.

Walsh concordou, dizendo que a considerou uma das cenas mais difíceis da série para filmar. “Foi uma das últimas cenas que filmamos, e todos que assinaram para fazer este show, incluindo o estúdio, os produtores, o elenco… cada pessoa, todos os escritores, foram extremamente sensíveis e se preocuparam profundamente com esta série e sobre o assunto.”.

Em preparação para o papel, Walsh falou com um psiquiatra que se especializou em lidar com as famílias que experimentaram um membro morrendo por suicídio. “Falar com outras pessoas quando as pessoas têm sentimentos suicidas é tão essencial e importante porque não é todo o tempo que alguém se sente suicida”, diz Walsh sobre o que ela aprendeu durante o processo de pesquisa. “Isso vem e vai em ondas, e pode durar cerca de 10 ou 20 minutos. Se eles podem conversar com alguém ou alcançar durante esse tempo, então isso pode realmente ser evitado, o que faz muito sentido no porquê de existir linhas diretas, onde pode se falar com as pessoas, e por que essa conversa na cultura é muito importante para os pais da série “.

Ela acrescenta: “[O criador da série] Brian [Yorkey] realmente queria que isso não fosse uma série de escola secundária isolada. Foi realmente sobre os efeitos mais amplos da depressão e agressão sexual e todas essas coisas que estão acontecendo  na comunidade, e se realmente existe um diálogo entre pais e filhos, professores e crianças, tendo uma linguagem real em torno do [suicídio ].”

Fonte: EW

Anderson Narciso

Anderson Narciso

Mestre em História, apaixonado por mídias, é o editor responsável e idealizador do Mix de Séries. Eterno órfão de Friends, One Tree Hill e ER, acompanha séries desde que se entende por gente. No Mix é editor de colunas e de notícias, escreve a coluna 5 Razões e resenha a série Gotham.

No comments

Add yours