Outcast – 2×03 – Not My Job to Judge

Imagem: TV Show Time

Parece que nossas reclamações surtiram efeito e o episódio desta semana veio até animadinho… Mas agora é ver por quanto tempo. “Not My Job to Judge” dá uma alavancada interessante em determinados plots e traz alguns questionamentos sobre o futuro da série. Esta temporada vem um pouco mais clara, trazendo e explicando informações que foram jogadas no ano passado. Se esta estabilidade seguir um padrão, podemos ficar bem esperançosos quanto ao sucesso e a probabilidade de renovação.

Grandes nomes vem a tona quando renetemos a qualidade da série. Apesar de muito pequena, a linda Amber já consegue assustar muita gente grande. O talento de Madeleine McGraw com seus oito anos já surpreende muito. Depois que a garota descobriu suas habilidades, nada mais a amedronta. Já percebemos que isso é um dom hereditário e que a cada geração, os personagens vão aprendendo mais e mais sobre esse “presente”. Ainda fica a dúvida sobre o que a pequena fez com aqueles dois no sanatório, mas é óbvio que seus dons vão muito além do que ela ainda pode compreender.

Continua após a publicidade

Mencionando a pequena visita familiar à Alisson, gostei de ver o retorno da personagem para a série. Tá que ela não é de muita coisa. Suas ações tiveram mais proporção no plot que deu origem à série do que na própria temporada. Ainda assim, é interessante sua presença. A possessão realmente afetou sua vida e sua decisão final foi chocante. Parece que as coisas estão encaminhando para uma normalidade, mas a permanência naquele lugar não ajuda muito. Kyle acaba atraindo os demônios para perto de seus entes queridos, então o melhor a fazer é estar todos juntos. Ainda acho que ele pode convencer a ex/atual esposa a se mudar, mas vamos ver.

Imagem: TV Show Time

O episódio veio um pouco mais assustador dessa vez. Tanto o “terror”, quanto o suspense. Tudo teve uma adição interessante desta vez. A maquiagem do rosto de Aaron está muito bem feita e devemos enaltecer os responsáveis por isso. Sua posição com Sidney me lembra muito a do Quasimodo e juiz Frollo, da grande obra literária de Notre-Dame. Acho que o garoto tem um tempo bacana de ensinamento à maldade e isso vai ser interessante para os produtores trabalharem. Até mesmo uma redenção futura poderia ser bem-vinda se o rapaz se empenhar na atuação e trouxer um trabalho incrível nos próximos episódios.

O melhor pode vir pro final. Mais uma vez devo enaltecer a atuação de Wrenn Schmidt na pele de Megan. Mesmo que o episódio não tenha todo seu foco na personagem, seu plot está cada vez mais dentro da trama. As cenas com sua filha foram muito bem pensadas, mostrando como suas ações realmente quebraram sua família. Isso culmina em uma depressão gigante sobre a personagem, que vê seu mundo destruído e acaba tentando se matar. Realmente ela está sem esperanças e conseguimos notar a expressão da atriz sobre a personagem. Aquela proposta de ir na reunião do “Farol” pode mudar a personagem de uma maneira previsível e seria bacana trabalhar essa ideia de sucesso da ceita em relação ao fracasso de Kyle e do Reverendo.

Falando no nosso pseudoprogressista, fiquei surpreso com a notícia de que seu pai também estava envolvido com o trabalho de Outcast. Isso pode servir como consolo para o rapaz e incentivo em sua jornada. Realmente algo atrai os demônios ao responsável por expulsá-los desta terra. Talvez a chance de destruir a única coisa que os impede de dominar a Terra. A cena com a gosma preta foi um pouco mais intensa que na primeira temporada e até o pequeno Joshua entrou na jogada para ajudar. Espero que invistam mais nestes episódios dinâmicos que trazem intensidade para a série.

E vocês?? Ainda acham que Outcast tem esperança?? Não deixem de conferir as novidades e reviews aqui no Mix e nos vemos na próxima semana. Até lá 😀

Tags Outcast
Lucas Franco

Lucas Franco

Mineiro, Escorpiano, 20 Anos, Estudante de Medicina. Direto do Arkham Asylum para o Mix. Eterno fã de Chuck, E.R. e Friends (RIP). Por entre as madrugadas vive a dualidade dos estudos e das séries. No Mix, escreve as reviews de Quantico, The Good Doctor e Legends of Tomorrow.

1 comment

Add yours
  1. Avatar
    Bruno D Rangel 3 Maio, 2017 at 07:46 Responder

    Pra mim esse episódio foi o melhor de toda a série. Não parecia Outcast e sua calmaria. Toda a ação com o corpo no necrotério foi muito boa. A revelação de que combatem esse mal a mais tempo me animou muito e fiquei com gostinho de quero mais.

    Gosto muito da Alisson e espero que tenha mais tempo para se desenvolver a partir de agora e se torne realmente importante.

Post a new comment