Prison Break – 5×09 – Behind The Eyes [SEASON FINALE]

Imagem: Youtube/Reprodução
Imagem: Youtube/Reprodução

[spacer height=”20px”]

Continua após publicidade

Começo dizendo que a temporada inteira foi bem mais ou menos. Vou repetir o que cansei de dizer durante os oito episódios passados: Se a ideia dos produtores foi criar uma temporada com poucos episódios, então trabalhem bem. Nove episódios foi um número curtíssimo para uma série que tinha tanto a explicar.

Continua após a publicidade

Bom, não foi a melhor season finale que Prison Break já teve, mas eu engoli algumas coisas. Começando pelas tatuagens de Michael, que enfim nos trouxe todas as respostas que queríamos. Confuso? Sim. Louco? Com certeza. Mas encaixou com a proposta que a série quis desde o início, inovar e explodir nossas cabeças.

Continua após publicidade

Cansamos de ver cenas do Scofield no zoológico, e confesso que achei um absurdo de louco a cena da coruja, faltou um pouco mais de explicação e não só o plot assim, jogado no episódio como foi. Agora, duas mãos juntas formam um rosto e consegue passar no reconhecimento fácil?….É, não foi legal.

Ainda não entendo o porquê da ligação de Whip e T-Bag, juro. O pior ainda, matam o personagem e transformam o Bagwell em um pai carinhoso a essa altura da série… Não rolou para mim. Ok, se houvesse um tempo maior para nos acostumarmos e entendermos melhor o propósito, eu aceitaria, mas novamente, Prison Break correu com a história e nos enfiou goela abaixo a relação. Agora, que tristeza a morte de Whip, de longe o personagem mais carismático e um dos melhores que a série já teve. Simplesmente uma pena a morte tão precoce. Caso haja uma próxima temporada, fará falta.

Continua após publicidade

Prison Break, me passa o remédio que o Lincoln tomou para dor, porque eu preciso. O cara leva tiro (seja lá onde pegou e a gravidade) e, cinco minutos depois, já está indo bater no amiguinho. Perto de tanto absurdo que aconteceu nessa temporada, isso chega a ser irrelevante.

Jacob era óbvio que ia se dar mal, só esperávamos mesmo o momento. A monstruosidade de Michael para se livrar da acusação de assassinato foi tão exageradamente ridícula que gostei, me surpreendi. O vilão foi para mim o ponto alto da temporada. A inteligência a nível de Prison Break (das outras temporadas, por favor), a caçada de gato e rato com o Michael, a ligação com Michael Júnior, foi tudo muito bom. Agora, que tudo isso só aconteceu por que ele se apaixonou pela Sara foi fraco.

O encontro no final de T-Bag e Jacob… Mais uma vez, exagerado. O que fica é que só mataram o Whip para que T-Bag fosse para a cadeia para matar o Jacob. Cara, não, muito não!

Agora falando como uma mega fã da série: Por favor, que não tenha uma sexta temporada. A nostalgia da série não vale a pena, se for para nos entregarem algo tão mal elaborado. Eles tinham um plot incrível nas mãos, anos para pensarem na melhor maneira para trabalharem com isso e, simplesmente, me decepcionaram. Transformaram uma série com um passado incrível em cenas aleatórias e extremamente corridas.

E preciso encerrar dizendo o quanto mal aproveitado foi o Sucre nesse revival. Um personagem tão importante no passado da série apareceu mostrando bonecas infláveis e sumiu. C-Note ajudou no início e sumiu também. Faltou entrelaçar melhor os personagens antigos aos novos, com um pouco mais de sentido e, claro, nos proporcionando uma nostalgia maior.

Ao final, todos sentados na grama, admirando a vida, foi à la Sessão da Tarde, mas eu gostei. Foi fofo, a conversa com Lincoln e tudo enfim, deu certo.

Foi um prazer fazer as reviews de Prison Break aqui no Mix. Obrigada a você que acompanhou! Caso haja uma sexta temporada, estaremos aqui.

PS: E o tumor, gente? Ainda não entendi.

PS 2: Espero que dê certo com a Sheba, né, Lincoln?

PS 3: Para uma webcam em um posto de gasolina no meio do nada no Iêmen, a resolução ficou ótima, né?

Paulista, jornalista e apaixonada por séries e futebol. Grey's Anatomy é a série da vida, mas também é fã de Spartacus, Supernatural, Vikings, Sons of Anarchy e Friends