Quem é Madam CJ Walker? Conheça a história que inspirou a série da Netflix

Madam CJ Walker série Netflix

Conheça a história real de Madam CJ Walker

“Sou uma mulher que veio dos campos de algodão do sul”, disse Madam CJ Walker, olhando para trás em sua carreira conquistada com muito esforço. “A partir daí fui promovida à banheira. De lá, fui promovido à cozinha. E a partir daí me promovi no ramo de fabricação de produtos para cabelos e preparações… Construí minha própria fábrica em meu próprio terreiro”. 

Mas qual é a história da vida real dessa mulher fascinante? E até que ponto a nova série biográfica da Netflix, Self Made (A vida e história de Madam CJ Walker, no Brasil), trouxe a verdade? A atração, estrelada por Octavia Spencer, estreou nesta sexta (20) na Netflix já está na boca do povo. Com isso, o Mix de Séries trouxe todas as informações da trama que você precisa saber (via Radio Times).

Confira.

Continua após a publicidade

Quem é Madam CJ Walker?

Originalmente conhecida como Sarah Breedlove, Madame CJ Walker era uma empreendedora, filantropa e ativista afro-americana que construiu um negócio de cuidados com os cabelos totalmente do zero no início do século XX na América – tornando-se a primeira milionária feminina do país.

A verdadeira história de Madam CJ Walker

Sarah Breedlove nasceu em 1867, apenas dois anos após o final da Guerra Civil Americana e apenas quatro anos após a Proclamação de Emancipação. Sua família ainda morava na plantação de algodão da Louisiana, onde seus pais haviam sido libertados da escravidão recentemente e onde agora trabalhavam como zeladores.

Órfã aos sete anos, a jovem Sarah recebeu apenas três meses de educação formal e sobreviveu trabalhando nos campos de algodão com sua irmã mais velha, Louvenia. Mas Louvenia se casou com um homem chamado Jesse Powell, frequentemente descrito como cruel e abusivo – então, quando Sarah tinha apenas 14 anos, ela se casou com Moses McWilliams para se afastar do cunhado. Mas aos 20 anos, ela se tornou viúva com uma filha de dois anos chamada Lelia.

Após a morte do marido Moses, Sarah e Lelia se mudaram para a cidade de St. Louis, no Missouri, onde seus irmãos mais velhos já haviam se estabelecido como barbeiros. Em St. Louis, Sarah trabalhou como lavadeira e juntou dinheiro suficiente para enviar a filha para a escola para obter uma educação. Crucialmente, ela também participou da Igreja Episcopal Metodista Africana e ingressou na ‘Associação Nacional de Mulheres de Cor’ e começou a fazer amizades com os principais homens e mulheres negros que inspiraram nela uma nova maneira de ver o mundo.

Durante esse período, ela também se casou com seu segundo marido, John Davis. Infelizmente, o relacionamento não foi feliz e depois se rompeu. E esse é o momento que é mostrado na história do primeiro episódio da série da Netflix…

Self Made real life history

À esquerda, a verdadeira Madam CJ Walker; ao lado, Octavia Spencer na série da Netflix. Imagem: RadioTimes/Divulgação.

Como ela começou sua empresa? E ela estava realmente careca?

Durante a década de 1890, Sarah se viu sofrendo de uma doença no couro cabeludo que fazia com que a maioria dos seus cabelos caíssem. Embora seus irmãos fossem barbeiros, eles não podiam oferecer muitos conselhos sobre como cuidar de cabelos danificados; em vez disso, Sarah procurou produtos e remédios caseiros para resolver seu problema. No entanto, ela obteve sucesso ao experimentar os produtos de Annie Malone, outra empresária negra.

Em 1905, mudou-se para Denver como agente de vendas para Annie Malone, com apenas um troco no bolso, e no ano seguinte Charles Joseph Walker a seguiu de St. Louis a Denver para se casar com ela. Foi então que ele se tornara seu terceiro marido. Ele foi descrito de várias maneiras como “jornalista” e “vendedor”, e foi esse o nome que deu a Sarah seu novo título, madame CJ Walker.

Sarah adotou esse nome porque, além de ser uma agente de vendas do produto de Annie, ela também estava desenvolvendo sua própria linha de produtos e estabelecendo seu próprio negócio. Aparentemente inspirada por uma receita que lhe ocorreu em sonho, ela começou a vender seus próprios produtos – incluindo o Wonderful Hair Grower de Madame Walker para condicionamento e cura do couro cabeludo. Portanto, ela rapidamente desenvolveu seguidores leais.

Quem era Addie Munroe?

No drama da Netflix, conhecemos Addie Munro (interpretada por Carmen Ejogo) – nêmesis de Sarah. Embora Addie não existisse na vida real, ela parece se basear vagamente na figura da vida real de Annie Malone.

Annie era uma empreendedora afro-americana que fundou a Poro Company e tornou-se extremamente rica por si mesma. Sarah Breedlove trabalhou originalmente como uma das agentes de Annie, mas mais tarde ela pegou seu novo conhecimento e construiu seu próprio negócio de cuidados com os cabelos e começou por conta própria.

Isso não foi muito bom com Annie, que escreveu uma carta para um jornal local em Denver. “Foi quando a briga ao longo da vida começou, porque Malone disse: ‘Você roubou minha fórmula'”, disse o biógrafo e neta de Walker, A’Lelia Bundles. “Havia muito poucos produtos no mercado na época, mas se você olhar para revistas médicas, essa mistura de petrolato e enxofre já existe há cem anos. É muito semelhante à fórmula original do Cuticura Soap, então nenhuma dessas mulheres realmente criou esta receita.”.

Começando o sucesso

Nos anos seguintes, Madame CJ Walker trabalhou incansavelmente para construir seu império comercial.

Primeiro, ela viajou pelo sul e sudeste dos EUA, demonstrando seus tratamentos em igrejas negras, vendendo de porta em porta e apresentando uma estratégia. O marido CJ (interpretado por Blair Underwood) foi o parceiro de negócios, aconselhando-a na promoção e marketing da nova empresa.

Em 1908, Walker se mudou para Pittsburgh, Pensilvânia, para abrir um salão de beleza preto, onde o foco era o cabelo saudável. Aqui, ela se juntou à filha adulta Lelia (agora “A’Lelia”), que se mudou de Denver para ajudar nos negócios. Sarah também começou a treinar e implantar agentes de vendas elegantemente vestidos, ensinando-lhes o “Sistema Walker” – que incluía um xampu, uma pomada para promover o crescimento do cabelo, escovar os dentes e usar pentes de ferro. Seus funcionários formaram uma rede nacional de agentes licenciados que receberam comissão por suas vendas.

Em 1910, Sarah mudou novamente seus negócios, desta vez para a cidade de Indianapolis, em Indiana. Foi aqui que ela firmou sua sede, estabelecendo a Madam CJ Walker Manufacturing Company e comprando uma fábrica para produzir seu produto. Mais tarde, ela construiu sua própria fábrica ao lado de seu próprio salão, escola de beleza e laboratório.

Self Made

Cena da série da Netflix mostra quando Madam começou seus negócios. Imagem: Netflix/Divulgação

Alcançando o sucesso

Enquanto os negócios estavam florescendo naquele momento, nem tudo estava bem no casamento de Sarah com CJ – e em 1912 eles finalmente se divorciaram, com CJ se casando novamente com Dora Larrie (finalmente um casamento de curta duração). Sarah não se casou novamente, mas continuou a se dedicar à construção de seu próprio negócio e ao apoio às causas pelas quais era apaixonada.

Isso incluía o uso de sua fortuna para financiar bolsas de estudo para mulheres no Instituto Tuskegee; contribuindo com US $1.000 para o fundo de construção da YMCA “colorida” em Indianapolis; e doando grande parte de sua riqueza à NAACP para combater a discriminação e a violência racial. Ela incentivou ativamente seus funcionários a retribuir às suas comunidades e os recompensou com bônus quando o fizeram; ela promoveu o talento feminino e, em 1915, lançou uma ação para protestar contra a discriminação em um teatro de Indianápolis.

Sarah falou particularmente sobre linchamentos no sul e, durante a Primeira Guerra Mundial, fez parte de uma delegação a Washington para protestar contra as políticas segregacionistas do Departamento de Guerra.

Com a empresa bem estabelecida em Indianapolis, Sarah voltou sua atenção para outros lugares – viajando para a América Central e o Caribe para expandir seus negócios. Ao voltar, juntou-se à filha em Nova York (onde A’Lelia morava em uma casa fabulosa e sociável desde 1913) e contratou um arquiteto para construir sua própria grande propriedade. Morando em Nova York, ela se envolveu cada vez mais em questões políticas e sociais.

Em 1918, a luxuosa casa de campo de Walker perto de Washington, Villa Lewaro, foi concluída. Mas ela não foi capaz de apreciar os frutos de seu trabalho por muito tempo; em 1919, ela morreu de insuficiência renal e complicações da hipertensão com apenas 51 anos de idade.

O que aconteceu com sua filha A’Lelia

Embora ela tenha nascido Lelia McWilliams, a filha de Sarah mais tarde assumiu o nome de seu padrasto e se tornou “A’Lelia Walker“. A’Lelia ajudou sua mãe a fundar a Madam CJ Walker Manufacturing Company em 1906 e esteve intimamente envolvida com a empresa, abrindo seu escritório e salão de beleza em Nova York em 1913.

A’Lelia Walker foi casada três vezes: primeiro com o garçom do hotel John Robinson (como visto na série da Netflix), apesar de terem se separado por volta de 1911 e se divorciado em 1914; em segundo lugar, o dr. Wiley Wilson em 1919 e, finalmente, com o dr. James Arthur Kennedy em 1926 – divorciando-se em 1931. (Embora a série de TV inclua uma história estranha para A’Lelia, isso parece ser uma licença dramática dos escritores da série).

Quando sua mãe morreu em 1919, A’Lelia Walker se tornou presidente da Walker Company – embora além disso, ela também já era famosa como uma figura-chave no Harlem Renaissance, hospedando salões memoráveis ​​em sua casa em Nova York, onde reuniu escritores, artistas, músicos. O poeta Langston Hughes a apelidou de “A Deusa da Alegria do 1920 do Harlem“.

Como presidente, A’Lelia expandiu o alcance da empresa além dos EUA na década de 1920 para países como Cuba e Jamaica. Mas o negócio foi gravemente atingido pela Grande Depressão em 1929, e a própria Lelia morreu em 1931 com apenas 46 anos. Apesar de não ter filhos biológicos, em 1912 (logo após o colapso de seu primeiro casamento), A’Lelia adotou uma adolescente chamada Fairy Mae Bryant, que ficou conhecida como Mae Walker. Foi Mae quem assumiu a empresa até sua própria morte em 1945, quando passou a presidência para a filha.

Além disso, sua filha, A’Lelia Bundles, é a autora da biografia On Her Own Ground: The Life and Times de Madame C.J. Walker – na a série da Netflix se baseia.

 

Todos os episódios de A Vida e a História de Madam CJ Walker estão disponíveis na Netflix.

Anderson Narciso

Anderson Narciso

Mestre em História, criador de conteúdo, é o editor responsável e idealizador do Mix de Séries. Eterno órfão de Friends, One Tree Hill e ER, acompanha séries desde que se entende por gente. No Mix é editor de colunas e de notícias e resenha séries semanalmente.

1 comment

Add yours

Post a new comment