Scandal – 6×07 – A Traitor Among Us

Imagem: Arquivo pessoal

“Eu estou encurralado.”

É quase certo de que a primeiríssima coisa que veio à mente de quem assistiu a este episódio de Scandal foi “o que está acontecendo?”. Não é para menos. Terminado “A Traitor Among Us” (6×07), revelado o traidor indicado no título do episódio e postas mais dúvidas do que pistas, a reação dos espectadores não podia ser outra. O que foi que aconteceu naqueles instantes finais? Confesso que não achei o episódio lá grandes coisas, se comparado ao que tem sido feito na atual temporada, mas também admito que ele teve seus pontos altos.

Primeiro de tudo, foi um bom respiro sair das perspetivas e flashbacks que antecederam o dia da eleição e, portanto, o assassinato de Francisco Vargas. Há quatro episódios estávamos nessa, e é importante trabalhar o tempo presente para que a trama ande e possamos desfrutar do que está por vir. Afinal, quando achamos que estamos com questões resolvidas os roteiristas vêm e nos mostram o contrário. Este episódio foi a prova cabal disso. Porém, não sei se foi feliz a escolha por Huck para nos guiar pelo caminho da busca da verdade e da justiça.

Continua após a publicidade

Digo que não foi feliz porque o acho muito duro, sua performance é agarrada e me cansou vê-lo em tanto tempo de tela, ao passo que entendo a necessidade de ter sido Huck o escolhido para nos levar, ou melhor, levar Olivia e companhia a alguns fatos obscuros. Isso porque Huck é o cão de guarda de Olivia e por ela faria tudo, inclusive matar Rowan a contra-gosto, o que nos leva a essa ligação que ainda existe – e talvez sempre vá existir – entre cria e criador. Se realmente fosse matar o Comando, Huck não teria hesitado, junto à própria Olivia e a Jake, ele é um dos elos mais fortes de Eli.

Imagem: Arquivo pessoal

Também não se pode negar que era necessária uma retomada da trajetória de Huck ao longo desses anos de Scandal e uma atenuação de algumas de suas características para que este episódio tivesse a potência que teve em seu final. A aparição de Becky, aquela que tentou matar Fitz lá na segunda temporada, incriminando Huck, depois de tê-lo envolvido amorosa e propositalmente. Ele, que já era desconfiado, depois dessa tragédia com Becky se fechou ainda mais para tudo e todos.

Temos que considerar ainda que ele vive num linha tênue entre a obsessão e a empolgação com tudo de novo em sua vida, para no fim das contas ser um ingênuo, desprovido de intuição e sagacidade emocional. Então, por mais que esse jeito bronco e inseguro o faça cometer coisas deploráveis como apontar uma arma para Quinn, bate uma dó porque no fundo a gente sabe que Huck é um cara carente que precisa de atenção e que tem séria dificuldade de lidar com reviravoltas que afetem o seu ciclo, principalmente se afetarem Olivia.

Aliás, muito dessa falta de consistência emocional é algo que aflige toda OPA. Sério, custava Olivia ter pedido desculpas a Huck quando ele mostrou o vídeo que Rowan deixou de pista? Mas quem é que precisa demonstrar sentimento e compaixão através de palavras, ? Essa cena, ao meu ver, para além da grandiosa reviravolta dos minutos finais mas diante de uma consequência que ela pode trazer, considerando que Huck não vá sair vivo dessa, foi uma das mais poderosas justamente por uma profundidade de relacionamento que existe entre os dois. Se Huck morrer, o mundo de Olivia ruirá.

E, para não sair da linha da temporada, ficamos com mais uma pergunta a ser respondida: Abby, miga, o que você fez?

Tags Scandal
Melina Galante

Melina Galante

Produtora e realizadora audiovisual, no momento em processo acadêmico. 99% seriadora com aquele 1% noveleira. Divide as fases da vida em Buffy, a Caça-Vampiros, Gilmore Girls e Grey's Anatomy. Sua menina dos olhos, porém, é Penny Dreadful. No Mix de Séries escreve as reviews de Modern Family, Orange is the New Black, Scandal e o que vier.

No comments

Add yours