Sex/Life choca fãs da Netflix ao se basear em história real

Novo sucesso da Netflix é inspirado em história que aconteceu de verdade

Sex Life história real

Criado por Stacy Rukeyser de UnReal, a série Sex/Life da Netflix segue Billie Connelly (Sarah Shahi), uma mãe descontente em Greenwich, Connecticut, Estados Unidos, que anseia pelos dias de sua juventude mais livre em Manhattan.

Continua após publicidade

Por isso, ela começa a escrever um diário sobre suas fantasias com seu ex-namorado, Brad (Adam Demos). Mas tais lembranças criam uma confusão em seu casamento com Cooper (Mike Vogel). Assim, começa um triângulo amoroso repleto de desejos, muitas palavras e uma jornada de autodescoberta.

Continua após a publicidade

A série da Netflix acabou chocando muitos espectadores pelas cenas mais intensas – e praticamente explícitas. Só que muitos ficaram ainda mais chocados ao descobrirem que a história de Sex/Life é inspirada em um fato real.

Continua após publicidade

O livro que inspirou o novo sucesso da Netflix

Para a autora, B.B. Easton, assistir Sex/Life na Netflix foi uma experiência surreal – “absolutamente, comicamente surreal“, aliás. Isso porque a série se baseia no seu livro de memórias de 2016, com o título “44 capítulos sobre 4 homens”.

“Vendo esses humanos supermodelos lindos, em uma tela, retratando personagens baseados em meu marido e eu, enquanto estamos sentados em nosso sofá de 12 anos de idade, em nossas calças de moletom, quarentena dia 587… Estamos tão encantados. Foi um sonho absoluto que se tornou realidade que eu nem sabia que tinha.”, diz Easton.

Continua após publicidade

Ela escreveu tal livro, inclusive, em forma de diário – assim como a série. “44 ​​capítulos sobre 4 homens” é uma tour turbulenta pelos quatro amores principais da vida de Easton, antes dela conhecer seu marido Ken. A autora, portanto, descreve os quatro como um “tatuador que se tornou um fuzileiro naval dos EUA, um motoqueiro fora da lei. Além disso, um punk rocker com cara de bebê em liberdade condicional e um baixista de heavy metal”.

Sex Life história real
Imagem: Divulgação.

A história real

Como Billie em Sex/Life, Easton foi compelida a começar o diário porque se sentia estagnada na vida como uma mulher casada, mãe de dois filhos e psicóloga escolar. Ken, seu marido, era muito diferente dos bad boys tatuados de sua juventude. “O homem é pelo menos noventa por cento perfeito para mim, mas, ultimamente, tudo em que consigo pensar é na pessoa menor ou igual a dez que está faltando: paixão e arte corporal. Duas coisas que preciso lamentar e seguir em frente para proteger meu casamento adorável e monótono. Mas eu não posso.”, escreveu Easton na primeira parte do livro.

Ela ansiava por ressuscitar a emoção de seus amores anteriores – e o diário tornou-se uma maneira eficaz de fazer isso. “Essa foi a experiência mais catártica para mim. Isso me ajudou a formar uma ponte entre minha vida atual e a garota que eu costumava ser. Eu estava vivendo minha vida atual, mas estava escrevendo sobre todas essas experiências divertidas e isso me ajudou a sentir que era a mesma pessoa.”, diz Easton.

Então, Easton tentou trazer um pouco dessa energia para seu casamento. Easton deliberadamente deixou o diário exposto para que seu marido pudesse lê-lo. Ao fazer isso, Ken descobriu o que ela realmente queria. Então, nas palavras de Easton, “ele melhorou a porra do jogo“.

Passando do livro para a série Sex/Life

Embora os conceitos sejam semelhantes, o livro se desvia da série de uma maneira importante. Easton nunca fica com um ex, como Billie fez na série. Ainda assim, para Easton – que não se envolveu com a produção da série – a mudança faz sentido.

“É o mesmo tom do livro. Há algo melhor? Fica melhor do que isso? Ela está explorando a mesma questão… Aumenta o drama”, diz ela.

Embora seu esquema de registro no diário tenha funcionado para ela, Easton recomenda adotar uma tática ligeiramente diferente para qualquer um que se sinta estagnado em um casamento.

Eu não recomendo deixar [seus diários] para seu marido encontrar. Se você está tentando alterar o comportamento de seu marido, talvez apenas tente ter uma conversa. Se eu tivesse uma máquina do tempo, eu poderia tentar isso“, ela diz, rindo.

Imagem: Divulgação.

O motivo de escrever o livro

Easton é a primeira a admitir que seu livro pode ser “embaraçoso” e “autodepreciativo” às vezes. No final das contas, ela diz que publicou “44 capítulos sobre 4 homens” para ajudar os outros em sua posição: em um relacionamento amoroso, mas sentindo-se preso mesmo assim.

Achei que poderia haver algumas coisas que ajudariam outras pessoas. Não apenas as mulheres. Qualquer pessoa em um relacionamento de longo prazo. Nada é 100% perfeito. Escrever o livro me mostrou que as coisas que eu achava que não eram perfeitas sobre meu parceiro são, na verdade, o que o torna perfeito para mim, embora me deixem louca. É por isso que ainda estamos juntos. Eu queria ilustrar isso para outras pessoas. O amor está lá, há uma maneira de encontrar seu caminho de volta para isso.”, ela diz.

Após o sucesso de “44 capítulos sobre 4 homens“, Easton escreveu mais alguns capítulos sobre esses quatro homens. Ela criou uma série spin-off dedicando um livro a cada um de seus protagonistas tatuados. Todos são escritos em seu estilo característico, desavergonhado, sem barreiras e bem-humorado.

E, aparentemente, o sucesso do livro se fez na série da Netflix. Não para menos, em pouco tempo, Sex/Life já alcançou o Top 1 de séries mais assistidas da plataforma.

Leia também: Explicamos o final de Sex Life, série da Netflix

Então nos conte, o que você achou da história? Deixe nos comentários e, igualmente, continue acompanhando as novidades do Mix de Séries.

Criador do Mix de Séries, atua hoje como redator e editor chefe do portal. Especialista em SEO e construção de textos para internet, também atua como webwriter com foco em textos para o Google. Autor na internet desde 2011, passou pelos portais TeleSéries e Box de Séries. Fã de carteirinha de Friends, ER e One Tree Hill, é aficionado pelo mundo dos seriados. Também é fã de procedurais, sabendo tudo sobre o universo das séries Chicago, Grey's Anatomy, e séries de sucesso como La Casa de Papel e Lucifer. Também é fã da DC Comics, e acompanha produções inspiradas em personagens da editora, como Titans e até o mais recente produto da editora, Sweet Tooth.