Shades of Blue – 2×05 – Sweet Caroline

Imagem: NBC

Continua após as recomendações

Sweet Caroline tinha uma missão bastante difícil a sua frente, pelo fato de Daddy’s Girl ter sido o melhor episódio desta segunda temporada e pela notória irregularidade deste roteiro fiquei desconfiado que o nível despencaria. Para minha surpresa, os roteiristas conseguiram encontrar um meio termo e ainda mirar nos próximos episódios, além de lidar com as dificuldades criativas que emergem com a aproximação da metade deste segundo ano.

Continua após a publicidade

Imagem: Gossip and Gab

Abandonando algumas das histórias abertas anteriormente, Shades of Blue seguiu com uma narrativa que até o momento não me empolgou nem um pouco – a relação entre Cristina e Stahl. É previsível que tal desenvolvimento levará a revelação de que Harlee já matou Miguel a algum tempo, mas continuo sem entender o motivo pelo uso da vigilância e, principalmente, o porquê um personagem tão importante foi deslocado do núcleo principal para um secundário.

Essa proposta de envolver a máfia na história começa a mostrar seus primeiros frutos com uma narrativa empolgante e perspicaz, apesar da performance de Ritchie Coster (responsável pelo Bianci) continuar canastrona de uma forma assustadora. É possível imaginar como que essa trama se envolverá com a trama política lá para frente, principalmente depois de sabermos que a pegada será na direção de doações eleitorais ilícitas, mas acredito que assim que o fator ação for introduzido e a carga dramática ficar mais pesada, teremos a oportunidade de saber se realmente foi uma boa ideia.

Drea de Matteo finalmente começa a receber a atenção que sempre mereceu desse roteiro. Já comentei anteriormente que ela ajudou a tornar Sons of Anarchy sensacional com uma construção delicada de uma viciada em drogas, mas o problema é que em Shades of Blue, em toda a primeira temporada, ela se tornou uma figurante de luxo. Gosto dessa promessa de mudança com a personagem assumindo a frente de investigações importantes e relevantes ao núcleo principal.

Gino Anthony Pesi, que interpreta o procurador que teve a ex-noiva assassinada aqui, e Dayo Okeniyi, um dos policiais que foi facilmente corrompido por Harlee e Woz, são bons atores e possuem um grande potencial principalmente pelo fator diversidade na televisão visto que eles têm descendência italiana e nacionalidade nigeriana, respectivamente. Entretanto, o desempenho de ambos está muito aquém daquilo que se esperava para o horário nobre de uma série bem sucedida.

Avatar

Bernardo Vieira

Catarinense e estudante de direito. Escrevo sobre entretenimento desde 2010, mas comecei com política internacional depois da campanha americana de 2016. Adoro uma premiação e um debate político, mas sempre estou lendo ou assistindo algo interessante. Quer saber mais? Me pague um café e vamos conversar.

No comments

Add yours