Shooter – 1×10 – Primer Contact [SEASON FINALE]

Imagem: Netflix

Imagem: Netflix

 

Tudo de melhor de Shooter em um único episódio!

Coisas que me atraíram na premiére, que me fizeram ficar perplexo nos episódios seguintes e que fizeram eu ficar de cara no chão no episódio anterior. Tudo isso foi colocado nesse final. Sinceramente, o Ballistic Advantage funcionaria de forma esplêndida para o fechamento, mas compreendi os anseios dos roteiristas. Eles entenderam que a ação pra valer é o que prende a audiência.

Agilidade não faltou. Swagger conseguiu recuperar sua filha de uma maneira muito fácil. Isso foi até bom, pois seria um tédio ter de esperar um episódio inteiro ele conseguir resgatá-la. Gregory Korkof se mostrou um vilão cabuloso! E aqueles tiros onde a Julie estava abrigada? Eu não sabia se dava risada ou ficava em choque dele fazer tantos estragos com um rifle tão simples (em relação aos outros vistos na série).

A nota dez dada logo abaixo julga a trilha sonora impecável, o suspense do começo ao fim (vai me dizer que você não entrou em curto circuito com a ameaça “real” da conselheira de segurança do governo ao nosso atirador?) e a rápida solução dada a trama principal. Aqueles mapas, plantas e estratégias que aparecem na nossa tela são demais! Isso foi um dos fatores fundamentais que me convenceram a encarar essa aventura de acompanhar a vida de um sniper.

Imagem: Netflix

Imagem: Netflix

Definitivamente Bob Lee Swagger é o “Goku” dessa série (a título de curiosidade, Wendel Bezerra, dublador do Sayajin, é quem empresta a voz para a versão em português do personagem). Aquela cena dele colocando fogo na cozinha para conseguir escapar com a Marie foi demais! Palmas para o elenco que teve brilhantes atuações, em especial Nadine, minha agente favorita que irei defender até debaixo d’água (Alex, de Quantico, que me perdoe).

Isaac foi atingido na batalha final e encurralado pela conselheira nos minutos finais. Sabia desde o momento em que ele estava sentado naquela cadeira que ia dar ruim pra ele! Aliás, não podia ser diferente, afinal, ele foi o principal responsável por envolver Swagger nisso tudo. Como ficou subentendido que ele morreu, não fará falta. Mas se tiver sobrevivido, que tenha uma nova história para nos contar, por favor.

Shooter foi a melhor estreia do final de 2016. Eu fui amarrado pela trama de um jeito que há tempos não ficava, desde Murder. O final foi bem convidativo para a segunda temporada, até o momento sem nenhuma data oficial para início de gravações. Espero que tenham curtido as reviews e aguardo os comentários com as teorias para o que vem aí no Anexo B.

Apelo à Netflix: Melhorem as descrições do episódio. Ter “Bob Lee Swagger” em TODOS os textos é muita falta de criatividade.
Apelo à Netflix 2: Deem a maior força pro Canal USA liberar logo essa segunda temporada.
Apelo aos leitores do Mix: Não me abandonem! Estou também nas reviews de Emerald City e Timeless. Nos vemos por lá!

Equipe Mix

Equipe Mix

Perfil criado para realizar postagens produzidas pela equipe do Mix de Séries.

No comments

Add yours