Six Feet Under: série essencial a qualquer pessoa

Uma vez conversando com um amigo meu, eu estava recomendando algumas séries que, para mim, são essenciais na vida de qualquer pessoa. Logicamente, uma das recomendações que dei foi Six Feet Under. Após a recomendação, ele me perguntou a sinopse. Fiquei pensativa. Pensei: “O que vou dizer? Porque a sinopse dela não condiz com o brilhantismo da série”. Comentei por alto a sinopse. Ele gostou e disse que iria conferir. Outra vez, conversando com alguns ex-colegas de trabalho, falei da sinopse e ninguém se interessou. Ficaram mega assustados e não tiveram a intenção de ver #chatiada.

Mas, então, do que se trata SFU? – Vamos ser íntimos e chamá-la assim hahaha – Uma só palavra define: vida. Six Feet Under aborda sobre a nossa vida e como é difícil vivê-la. Cada pessoa é de uma forma e é por isso que é tão difícil compreender os seres humanos, pois eles são complexos e, apesar de serem mamíferos, racionais, cada um tem uma personalidade que os diferem uns dos outros. Na nossa vida encontraremos pessoas que vão nos decepcionar, nos amar, nos divertir, nos entender, pessoas com as quais poderemos dividir nossa dor, sofrimento, alegrias etc. Portanto, a vida é uma caixinha de surpresa porque não sabemos o que vamos encontrar.

 

Six-Feet-Under

Continua após a publicidade

 

Ao nascermos só temos certeza de uma coisa: de que vamos morrer. No entanto, não sabemos quando, como e nem para onde vamos. É por isso que o tema da morte é um tabu e muitas pessoas o encaram de forma distinta: uns acreditam que Deus tem um plano, que nós estamos de passagem e que a nossa ida ao céu dependerá de como será sua vida na Terra; outros não acreditam em nada disso. Falar da morte dói. É angustiante. Temos medo dela porque tememos o desconhecido. É nesse tema que SFU vai abordar profundamente e é por isso que nos emociona e mexe com nosso psicológico.

Everything. Everyone. Everywhere. Ends.” Frase célebre e que se tornou inesquecível a todos os fãs de Six Feet Under. Ao terminar as cinco temporadas, nos fazemos a seguinte pergunta: E agora José? Como vou viver sem a Família Fisher? É, Six Feet Under, você faz muita e muita falta!

A tal sinopse que contei pro meu amigo e pros meus ex-colegas de trabalho foi essa: Six Feet Under conta a história da Família Fisher que é dona de uma funerária domiciliar. O patriarca da família morre e os filhos e a esposa se veem obrigados a continuar o negócio da família. A partir daí, a série mostra todos os conflitos, complexidades e problemas da família.

A série foi ao ar em 2001 e teve seu desfecho em 2005. Produzida por Allan Ball, teve Jill Solloway como co-roteirista e foi um grande sucesso de crítica e de público. Six Feet Under teve 63 episódios divididos em cinco temporadas, com doze episódios em cada temporada. Jill, aliás, é responsável pela produção da grande surpresa de 2014: Transparent.

 

six_feet_under_17na1lv-17na1m1

 

Ao assistirmos SFU nos sentimos parte da Família Fisher. A Família é constituída por cinco pessoas: Ruth, a matriarca; Nathaniel, o patriarca e seus filhos: Nate, Claire e David. De todos os personagens, a personagem com a qual mais me identifico é a Claire porque ela é tão complexa que é incompreendida pelos membros da família. O David, por outro lado, representa uma figura paterna, ou seja, o porto seguro. A Ruth é aquela mãe exemplar: dona-de-casa, sua vida foi de inteira dedicação aos filhos e ao marido. Confesso que não gostava da Ruth nos primeiros episódios porque a achava insuportável, mas, ao longo dos episódios, eu me apaixonei por ela. O Nate é aquele filho rebelde, “um Claire em versão masculina”, mas apaixonante.

Outros personagens também são essenciais a história como a Brenda, que é a namorada do Nate; o Keith, marido do David; o Billy, o irmão da Brenda; o Rico, o embalsamador; a Vanessa, enfermeira e esposa de Rico. Apesar de não fazerem parte oficialmente da família, eles são tão ligados aos Fisher que podemos considera-los também como membros da família.

Vale lembrar aos fãs de Dexter que Michael C. Hall começou seu trabalho nessa série como o personagem David e foi bastante premiado. Frances Conroy, recentemente fez American Horror Story Coven e FreakShow, também foi outra atriz que importantíssima para a série. Ainda temos Peter Krause, Kathy Bates. Só elenco de primeira linha!

 

home_header2

Daniele Duarte

Daniele Duarte

Carioca da gema, amante de literatura clássica. Machado de Assis é o seu autor favorito. O tríade de melhores séries são Six Feet Under, Breaking Bad e Sherlock . Séries inglesas também faz parte da sua grade de séries. Ela é a pessoa que chora rios com a series finale de SFU.

4 comments

Add yours
  1. Avatar
    Michele 13 fevereiro, 2015 at 10:52 Responder

    SFU!! <3 O que falar dessa série que ainda nem conheço e já considero pacas?! hahaha Brincadeira!! Estou na metade da terceira temporada. Assisti alguns episódios durante a madrugada da Globo ou do SBT (não lembro direito – A Sete Palmos) e não me interessei muito pela série. O pessoal do Mix que me convenceu a assistir #obrigada. A série é muito profunda, precisa de muita sensibilidade para entender cada morte, cada significado e trazer cada história para a vida real, pq é exatamente disso que se trata SFU: da vida real. Todos passamos por pelo menos uma situação que a série retrata. Eu choro em quase todos os episódios e a maratona só está parada pq estou sem tempo nenhum mesmo, mas com muita vontade de ver o series finale (sim, eu sei o final, peguei muitoooos spoilers).
    Com certeza é uma das séries que recomendo aos meus amigos. E faço a maior publicidade sobre ela.
    Assistam SFU!!! <3

  2. Matheus Pereira
    Matheus Pereira 13 fevereiro, 2015 at 14:59 Responder

    Ótimo texto, Dani! Parabéns! SFU é sobre isso mesmo: vida. Ainda que seja uma série dramática e até mesmo depressiva, SFU sempre deixou claro a sua principal temática: viver e deixar viver. Até mesmo da morte é possível surgir vida; não é a toa que o final da abertura mostra uma árvore que nasce da mesma terra onde alguém foi enterrado. Sem falar que, se prestar atenção, pode ver que a árvore “nasce” e “morre” conforme as estações e as temporadas da série. Perfeita!

    • Daniele
      Daniele 13 fevereiro, 2015 at 23:26 Responder

      Obrigada Matheus! Sim, SFU bate nesse ponto que vc disse e é por isso que é uma série difícil de ver. Apesar dessa dificuldade, é maravilhoso acompanhar as 5 temporadas da família fisher 😀

Post a new comment