Supergirl – 1×01 – Pilot [SERIES PREMIERE]

Imagem: Screenrant/Divulgação

Imagem: Screenrant/Divulgação

Continua após as recomendações

 

Os pais de Kara Zor-El (nossa Supergirl) a enviaram à Terra para proteger seu primo Kal-El quando Krypton corria grave perigo. Ainda com seus 13 anos, seu primo a coloca sob guarda dos Danvers, para que ela tenha uma infância normal com o casal e sua filha.

Continua após a publicidade

Com as mesmas habilidades do seu primo Superman, ela quer levar uma vida normal, escolhe o anonimato e tem até sua própria chefe, Cat Grant. Que me fez lembrar um pouco do chefe do também herói Peter Parker, o grosseiro J. Jonah Jameson. A grande virada acontece quando o avião em que sua irmã adotiva estava perde altitude e nossa heroína deixa o coração falar mais alto e mostra um pouco de seus poderes ao salvar todos a bordo da aeronave.

E esse resgate é o gatilho que faltava para que Kara (Melissa Benoist) ao ver a notícia do acontecido em um programa na TV, se entusiasmar e querer de fato usar os seus poderes para ajudar os humanos. E aqui vemos até um teste de possíveis uniformes, o que deu até um ar cômico para o piloto.

Já temos também a introdução dos primeiros vilões que acredito serão melhores explorados no decorrer da temporada. A sua irmã adotiva, Alex Danvers (Chyler Leigh) trabalha na DEO (Departamento de Operações Extranormais), agência secreta que protege o planeta de presenças extraterrestres e a Supergirl se oferece para ajudá-los a combater os criminosos de seu planeta natal que vieram juntos de Kara para a Terra.

Tirando o fato de toda a conotação de heroína, já surgiram também neste episódio os possíveis interesses amorosos. Winn (Jeremy Jordan), que até cogita a possibilidade de Kara ser lésbica, pela quantidade de respostas negativas que já recebeu da nossa heroína e no qual ela demonstra uma confiança, pois revela seus poderes e a ajuda na confecção de seu uniforme (aquela cena cômica de experimentar trajes que falei anteriormente). E Winn tem uma concorrência já, Jimmy Olsen (Mehcad Brooks) que troca alguns olhares com Kara. Com certeza vem um triângulo amoroso por aí.

O episódio piloto cumpre seu papel de criar possíveis arcos e expectativas para o desenvolvimento da trama. Tem tudo para ser um sucesso, porém o piloto de um ar muito juvenil a heroína, isso pode criar um público específico e com certeza pode diminuir os números de audiência.

Nenhum comentário

Adicione o seu