Supermax – 1×11 – Episódio 11

Imagem: BS
Imagem: BS
Imagem: Banco de Séries

[spacer size = “20”]

Continua após publicidade

Estamos chegando ao fim de Supermax e eu confesso que não ficarei com saudades. Talvez essa não fosse minha opinião se eu tivesse assistido tudo de uma vez e não semanalmente, mas acho que foram muitas promessas e pouquíssimas atitudes. Supermax veio com uma proposta totalmente diferente na TV aberta, bem americanizada e eu pensei que isso seria uma novidade e tanto e foi, não vou negar que tivemos alguns bons momentos, mas atuações fracas e cenas ruins deixaram tudo a desejar.

Supermax tem sido, até o momento, uma montanha russa de oscilações. Algumas histórias são muito boas, outras muito fracas, outras bem ruins e assim estamos seguindo até chegar ao fim. Na semana que vem teremos o desfecho de tudo, e confesso que estou curiosa para saber quem morre e quem fica.

Continua após publicidade

Gostei muito da atuação de Mariana Ximenes neste episódio, ela foi pontual e com a quantidade de drama necessário. Bruna foi uma pessoa horrível em toda sua vida, fria, calculista e totalmente sem compaixão, mas fiquei tensa por ela, e acho que ninguém merecia passar por tudo o que ela passou, nem ela mesma. Confesso que achei que ela iria morrer antes do final, mas como disse minha amiga, ela e Cleo são as mais famosas, não vão sair por enquanto, o que faz todo o sentido. Achei um pouco clichê o resgate feito por Sergio, não poderia esperar nada diferente disso.

Uma das melhores coisas do episódio foi a perseguição de Baal. Fiquei bastante tensa e aflita e achei que estava chegando a hora de todo mundo morrer ou que alguém iria, pelo menos. Eu gosto muito de tramas com demônios, e achei uma saída criativa e divertida para tudo, apesar de saber que muita gente não curtiu. E gosto mais ainda da ideia de que a intenção dele é criar bebês Baal para aumentar o exército. Gente, é genial! Um pouco absurdo, confesso, mas genial.

Não posso deixar de comentar sobre Dante, em quem eu nunca confiei e sempre achei que ia ferrar a galera. Vocês se lembram daquele sumiço inexplicável dele, né? Depois daquele acontecimento nunca mais consegui enxergar o Dante da mesma forma, sempre tive um pé atrás. E eu não estava enganada, quando vi que ele estava se alimentando junto com Baal pensei: “sempre soube que ia ser traíra”. Mas é aquela coisa gente, não julgo. Todos ali estão lutando por sua sobrevivência e cada um vai ter que se virar de algum jeito. É claro que se juntar ao inimigo entregando as mulheres é coisa de gente que não presta, mas o desespero muda as pessoas, seja na vida real ou na ficção.

Continua após publicidade

Outro ponto muito importante do episódio foi Nando. Ele sempre foi um dos personagens que eu mais gosto, porque a história por trás dele sempre traz um pouco de polêmica, principalmente em função da religião. E este foi, de fato,  o dilema do rapaz. Nando teve sua fé desafiada a todo momento dentro da prisão e uma hora ele teve que ceder e enxergar que só a fé não era o bastante. Nando é um cara bastante forte, bastante corajoso, mas um humano como todos nós e, no momento do desespero, não foi fraqueza tentar tirar a própria vida, foi a busca desesperada por um solução para dar fim ao inferno que eles estão vivendo.

O penúltimo episódio não foi ruim. Teve bons momentos, bastante tensão e cenas interessantes. Minhas expectativas não são muito altas para o último episódio, mas espero que o desfecho seja satisfatório e bem feito. Temos um bom cliffhanger que dará abertura aos acontecimentos finais e estou bastante curiosa para saber como tudo irá terminar.

Pessoal, por hoje ficamos por aqui. Obrigada pela visita e nos vemos na semana que vem. Beijos e até lá!

Continua após publicidade