Supernatural – 10×11 – There's No Place Like Home

Good Charlie

Trazendo um grande reforço neste episódio, Supernatural dá um tempo no plot principal. Sem Castiel, Crowley e Rowena, conseguimos focar em um só personagem. Ou dois. Dependendo de sua interpretação.

Falemos a verdade: Ter Felicia Day nunca é demais. Charlie, (cujo o nome descobrimos ser Celeste), é uma ótima personagem que nos acompanha desde os tempos dos Leviatãs. Da última vez que foi vista, ela embarcou em uma “aventura” junto de Dorothy em Oz. Sua volta, “dividida” em duas, como Dark Charlie e Boa esposa Charlie não é nada original, mas consegue entreter durante os 42 minutos de duração do episódio.

É interessante perceber que é fácil separar Celeste em duas quando se tem duas representações. Tanto a Dark quanto a Boa pertencem a um só ser. Sim, Charlie tinha esse desejo, por menor que fosse, de procurar o responsável pela morte de seus pais (Pontos bônus pela continuidade), e sem a parte boa para frear toda essa vontade, pessoas foram torturadas. Nenhuma igual a Dean, claro, que testemunhou o roubo de seu bebê. Trágico.

Continua após a publicidade

Se os dois lados de Charlie se enfrentaram externamente, com Dean a batalha é interna. A Marca e sua sede por sangue está lá 24/7. O Winchester mais velho trabalha contra ela, e por um momento parece controlá-la. Mais ainda é preferível achar Caim, pois ficar sem comer o sanduba e beber aquela cerveja não dá. Charlie embarcou nessa nova quest, que não deve em nada as de Oz. E o melhor: É em casa. Ouvi dizer que não tem lugar como esse.

Quem não ama um pouco de tortura?

– Dark Charlie

Equipe Mix

Equipe Mix

Perfil criado para realizar postagens produzidas pela equipe do Mix de Séries.

No comments

Add yours