Supernatural – 12×07 – Rock Never Dies

Imagem: Youtube/Reprodução

Continua após as recomendações

 

Aqueles que pensavam que os Winchester estavam livres do capiroto se enganaram! Mesmo após ter sido enviado para as profundezas do oceano por Rowenna, no episódio “The Foundry” (12×03), ele retornou para conquistar o amor e a devoção dos fãs do roqueiro Vince Vincente (Rick Springfield). Em “Rock Never Dies”, também reencontramos Castiel e Crownley que agora formam uma dupla na tarefa de derrotar Lúcifer (para desespero do nosso anjo preferido, que não aguenta mais a companhia do ex-king of hell).

Continua após a publicidade

“Rock Never Dies” retoma a trama paralela ao drama do ressurgimento de Mary Winchester. Após uma pequena referência à mãe logo no início do episódio, Dean e Sam recebem uma ligação de Castiel avisando que Vince Vincente está anunciando na televisão o retorno de sua banda de rock das antigas, a Ladyheart. Ainda possuído pelo Anjo Caído, Vincente conseguiu libertar-se do feitiço de Rowenna ao ser atraído por um fóssil de uma pena que se desprendeu de suas asas quando Deus o lançou a Terra (é incrível como Supernatural aparece com uma relíquia atrás da outra: são as Tábuas da Palavra de Deus; é o Cajado de Moisés; é a espada da Marca de Caim. As relíquias nunca param de aparecer!).

Ao contrário do que eu imaginei, este episódio não me surpreendeu, foi meio xoxo. Quando a temporada iniciou, há sete episódios atrás, e a estória indicava que haveria a procura de um novo receptáculo, pensei que assistiríamos aquela luta desenfreada do bem contra o mal. Na minha imaginação fértil, o capiroto tentaria novamente possuir Sam Winchester e, com o retorno de Mary, finalmente ela poderia alcançar a vingança por sua própria morte e por todo o sofrimento que o Demônio do Olho Amarelo infligiu à sua família. Porém, acho que as minhas predições não se concretizarão! (#xatiada).

No decorrer do episódio, Lúcifer percebe que a influência que as celebridades exercem sobre seus fãs é um meio muito mais eficaz de seduzir novos seguidores. Para isso, ele decide fazer um show na cidade de Los Angeles (cidade com um nome sugestivo, heim!) e lá aniquilar todo o público, just for fun! É uma estratégia, no mínimo, contraditória visto que ele deseja “fidelizar o cliente”, mas Ok! Dean, Sam, Cas e Crownley conseguem impedir o desastre eminente, mas o que vem a seguir fez as minhas expectativas de um revival da 3ª temporada murchar um pouquinho: o Anjo Caído abandona o corpo já decomposto de Vince Vincente, mas não antes de fazer um discurso sobre a superficialidade das relações humanas contemporâneas e sobre como ele foi abandonado na Terra por Deus e Amara. Eita, nóis! Eu achei essa parte meio chata, tenho que confessar. Não aguento mais melodramas familiares nesta série!

Apesar do episódio um pouco decepcionante, amo Supernatural e sempre guardo expectativas sobre a série. Uma evidência desse meu espírito brasileiro que não desiste nunca de acreditar na possibilidade destra trama não ter esfriado completamente. A conversa entre Dean, Sam, Cas e Crownley deixa isso bem claro: “Ele já era perigoso quando tinha um plano. Agora ele está apenas se divertindo. Ele quer se tornar grande. E vai crescer ainda mais”. O próprio nome do episódio já diz muita coisa, afinal “O rock nunca morre”. Oh, man, o que está por vir? Preparem o sal e o frasco de água benta, pois, mesmo com o pequeno tropeço deste episódio, parece que a coisa vai ficar feia para os nossos heróis.