The 100 – 4×09 – DNR

Imagem: IMDb

Continua após as recomendações

Após um breve hiato, voltamos com um episódio um pouco melhor de The 100. DNR serviu para encerrar alguns plots que já estavam perdendo o sentido de tão óbvios ou tão absurdos. O episódio serviu como aquele suspiro que você dá antes de começar a subir um morro, mas vamos ao que interessa.

Continua após a publicidade

Após os Skaikrus e Trikrus acharem o bunker que abrigará 1200 pessoas (só deus sabe como), uma guerra é instaurada. De repente, todos os clãs vão lutar com unhas e dentes pela chance de sobrevivência. Clarke mais uma vez com sua necessidade de salvar a todos, tem a brilhante ideia de se tornar Comandante (surpresa), porque ela é a rainha das boas ideias, não é mesmo?? Roan entendeu aquilo como uma traição contra o povo de Azgeda e mais que depressa, entregou a Wanheda com a ajuda de Abby, que aliás, está fazendo hora extra na série.

Que a ideia era de Clarke ser Comandante, depois de toda aquela história de injetar sangue-da-noite em si própria, nós sabemos, mas esperava bem mais, sinceramente. O plot foi desperdiçado, o que não me deixou nada feliz. Demorou tanto pra chegar nesse momento, alguma coisa podia ter dado certo, ao invés de simplesmente jogado no lixo. Não me entendam errado, não queria que Clarke ascendesse, mas acho que seria mais digno do que essa cena.

Então, sem Comandante, a guerra foi declarada. Um guerreiro de cada clã lutará até a morte e quem ganhar fica com o bunker. O que nos leva a Octavia, que mais uma vez salvou o episódio com poucos minutos em cena, ela bem que tentou deixar de lado a skairipa, mas não funcionou. Além de dar um show com uma pá, ela ainda larga Ilian de boca aberta. Ele achava mesmo que ela ia voltar a ser aquela bobinha lá da primeira temporada só por macho? Ah, nos poupe, , querido.

Em Arkadia, simpatizei com a atitude de Jasper, apesar de ainda querê-lo morto. Que tipo de vida o bunker oferecerá às pessoas? Uma vida restrita, limitada, sem possibilidades e isso, não é viver. Tudo bem que a forma como foi feita a operação DNR não foi a melhor das ideias, mas Bellamy e Jaha conseguiram compreender essa ideia no final, deixando eles pra trás sem peso na consciência.

Imagem: IMDb

O que doeu mesmo foi Monty, as tentativas dele em levar Harper e depois, ter ficado por ela. O casal no início foi extremamente fofo, mas então, esqueceram deles nos episódios e no desenvolvimento. Não me sinto conectada com eles e nem pela amizade com Jasper, que atualmente é uma via expressa de uma mão só.

Bem longe dali, fomos agraciados com Raven e Murphy. A mecânica não está bem e o problema dela não é físico, tudo que ela fez até hoje, dependia do cérebro, então imaginem o medo de perdê-lo? A compreensão de Murphy com ela foi bonita, a tentativa de tentar ajudá-la e a aceitação ao ver que ela devia fazer o que julgava certo foram ótimas cenas. Agora ela tentará reconstruir um traje para andar no espaço, trabalho dela quando a Arca ainda estava no espaço. Não sei se pretendem realmente matá-la no fim da temporada, mas sei que ela fará muita falta se esse for seu destino.

No geral, o episódio pecou alguns pontos e acertou em outros, The 100 sempre nessa montanha-russa.

Nota 1: Bellamy acerta em um episódio e erra em três.

Nota 2: Será que ninguém se tocou que era muito absurdo a Clarke (que veio do espaço) ter sangue da noite?? Ah, por favor, , gente…

Nota 3: Mais apagado que Kane nesse episódio, só a Luna mesmo..

No próximo episódio, intitulado “Die All, Die Merrily“, Octavia luta na batalha final pela sobrevivência do seu povo, mas nem todos estão dispostos a jogar limpo. Espero vocês na próxima review!

https://www.youtube.com/watch?v=VS-FGIxVy68

 

Tags The 100