The Crown – 1×09 – Assassins

Foto: Arquivo Pessoal

Foto: Arquivo Pessoal

Esse penúltimo episódio com toda a sua graciosidade já me deixa com o coração na mão pelo fim da temporada. Como a série já vem chegando ao fim não vou medir elogios, o episódio foi incrivelmente bem escrito e dirigido de forma impecável. Um episódio belíssimo que trata evidentemente da velhice de Winston Churchill, comemorando seus 80 anos.

O tempo não para e a velhice acaba chegando para todos, de forma sutil ela não chega sozinha, a fraqueza dos corpos e um rosto agora diferente, marcado pelo tempo, sempre a acompanha. Winston Churchill está prestes a completar 80 anos, e é presenteado por seus colegas políticos com um retrato feito por um artista. Pudemos ver neste episódio um Churchill que muitas vezes se escondeu ao longo da série, um pai e uma pessoa esgotada. Que ao ser pintado cria uma relação de amor e ódio estranha com o pintor, onde fomos contemplados com cenas emocionantes, em que Churchill tenta se mostrar um homem capaz de grande trajetória ainda, mas que sem perceber revela sua real fragilidade e exaustão. E o pintor que se torna um breve amigo, capta com perfeita clareza e sensibilidade sua figura.

Após ser intimidado por seu futuro e angustiado sucessor, o Ministro do Exterior, Churchill ainda se mostra capaz de um bom sarcasmo na sua homenagem. Mas ao ver seu retrato, entra em verdadeiro conflito consigo mesmo “O maior medo é ver o seu verdadeiro eu, porque se você não gosta, você não pode viver com ele!”. Winston decide finalmente renunciar como primeiro-ministro, sabendo transmitir verdadeiramente a emoção ao se auto descobrir como quem realmente é, para ele e para os outros, mesmo lutando para não aceitar a realidade. O magnífico John Lightow, merece aplausos pelo excelente desempenho, e por que não esperar por prêmios? Na sequência, ansiamos por um último encontro particular entre o primeiro-ministro e sua Majestade. A cena de despedida acontece respeitosa e de uma delicadeza impecável, revelando uma relação fraternal construída e regada com o tempo, entre Churchill e a Rainha Elizabeth.

Continua após a publicidade

Se no episódio passado até rimos com os desentendimentos entre Elizabeth e Phillip, dessa vez ficamos tristes por eles, as coisas ficaram bem tensas. E aqui estou novamente, gostando menos de Phillip. Que tem se mostrado bastante individualista e pouco preocupado com a felicidade de sua esposa, mas que não exita em sentir ciúmes de um ex pretendente e amigo de sua mulher. Bom, isso não é nenhuma novidade para o mundo real e vidas comuns, na verdade soa bastante familiar, infelizmente.

Foto: Arquivo Pessoal

Foto: Arquivo Pessoal

A Rainha que mantém uma relação muito boa com seu amigo Porchey compartilha com ele também um interesse e paixão em comum, os cavalos. Onde se mostra verdadeiramente espontânea e feliz quando se trata de passar um tempo entre estes. Apesar de os episódios seguirem certo dinamismo, e desenrolarem sempre para uma Elizabeth admirável e respeitosa dando sermão, eu caio sempre, achando as cenas fantásticas. Desta vez, a poderosa cena ficou para um confronto entre a Rainha e seu marido acerca do amor e respeito, com uma mulher que decididamente quer um marido que aja de maneira mais leal. Lindo show, e eu não consigo acreditar que já está chegando ao fim 🙁

Tags The Crown
Avatar

No comments

Add yours