The Defenders 1×03 – Worst Behavior

Imagem: Netflix/Divulgação

Continua após as recomendações

E finalmente a série começou. Apesar de ter um bom começo estava faltando ação de verdade e um ritmo mais acelerado. A sensação é que os dois primeiros episódios tiveram função de prólogo e a partir de agora a história começa pra valer. O flashback que abre o episódio carrega uma importância absurda para série. A sequência apresentada serve para ilustrar o que aconteceu a Elektra após os eventos da segunda temporada de Demolidor, esclarecer mais a trama principal e nos fazer entender um pouco o que está em jogo e o que o Tentáculo está disposto.

Continua após a publicidade

Em uma sequência incrível e de muito bom gosto, podemos acompanhar todo o processo que o Tentáculo orquestrou. Desde Alexandra descobrindo o Céu Negro, o ritual de ressurreição de Elektra, até seu novo treinamento. Muito mais pesado e brutal. Em seu olhar podemos ver que essa não é mais a pessoa que conhecemos, mas sim uma assassina vazia e fria. A arma secreta do Tentáculo. A interpretação de Elodie Yung apresenta uma encarnação de Céu Negro sem emoção, implacável e meio robótica. Os momentos de treinamento são muito bons com boas coreografias de luta. O legal que essa sequência se liga a duas séries, Demolidor onde ela foi vista pela última vez e o destino do sangue de Bakuto mostrado em Punho de Ferro.

Apesar da organização se sentir poderosa tendo o Céu Negro a seu lado e representando um perigo real, ainda não há a sensação de grande perigo. O terremoto do primeiro episódio não teve tanta repercussão na trama e isso pode ser citado como ponto negativo. Sabemos que o Tentáculo é terrivelmente cruel como mostrado em Demolidor e Punho de Ferro, porém em Os Defensores, série que tem maior destaque não imprime a figura aterrorizante necessária. Alexandra vem se mostrando uma boa vilã. Pelo que foi apresentado ela é um ser que já vive há muito tempo e não resta dúvida que ela é a grande Líder da Organização. Seu pouco tempo de tela prejudica a construção da figura vilanesca.

Imagem: Netflix/Divulgação

O primeiro contato de Matt e Jéssica é interessante e a brincadeira de gato e rato dos dois na rua é divertida. Jessica por investigar o arquiteto responsável pela construção da empresa Midland Circle se conecta ao plot principal. E Matt seguindo a detetive particular acaba indo parar na empresa também.

Claire finalmente promove o encontro de Luke e Danny. Uma discussão que no início parece de duas crianças até que começam a falar como adultos. Luke faz duras críticas a Danny e ele fica com cara de choro de sempre. De qualquer forma estão utilizando a série para continuar a desenvolver e aperfeiçoar o personagem para que a segunda temporada de Punho de Ferro seja melhor. Mas o mérito não é só de Claire. O chapéu branco é um membro do Tentáculo e dessa forma une a trama de Luke ao plot central da série. Após a conversa com Luke, Danny finalmente toma postura e decide que é mais sábio no momento agir como empresário e não como um guerreiro, o que o leva a empresa Midland Circle. E Luke também encontra um caminho de chegar lá.

Com todos os caminhos levando a um lugar, é a oportunidade e o cenário perfeito para a primeira interação e cena de luta do quarteto. Após um confronto no episódio anterior entre Luke e Danny é muito prazeroso ver os Heróis de Aluguel lutando lado a lado. A dinâmica do quarteto flui muito bem em sua primeira cena juntos. Eles enfrentam não só membros do Tentáculo como também a temível Céu Negro. A cena de corredor que já é marca das produções Marvel/Netflix não podia faltar e o resultado é positivo. Lutas bem coreografadas e boa química do grupo dão ao episódio o tom e ritmo necessários. Apesar de ser uma boa sequência acho que deveria ser mais brutal ao estilo Demolidor.

A trama principal de Os Defensores é ligada a força mística que não é nada familiar a Luke e Jessica, então será interessante ver como eles vão digerir essa história toda de organização milenar com plano diabólico, entidades, dragões e espírito do punho de ferro imortal. Não podemos negar que Worst Behavior melhora a narrativa, diverte ao reunir o quarteto e explora o potencial apresentado em sua premissa.

Obs.: Na sequência que Matt está seguindo Jessica podemos ver o pôster de um policial na rua. Trata-se de Stan Lee. Excelsior!

Nenhum comentário

Adicione o seu