The Exorcist – 2×01 – Janus

Imagem: SpoilerTV/FOX/Divulgação.

Depois de muita especulação sobre a renovação da série para sua segunda temporada, The Exorcist voltou e mostrou que essa temporada deve manter a qualidade e o terror da primeira.

O episódio começa mostrando como está a vida de Marcus e padre Tomas após os acontecimentos da temporada anterior. Seis meses depois do conturbado caso de Angela (também conhecida como Regan McNeil), o jovem padre continua em sua jornada para se tornar um poderoso exorcista e servir aos propósitos de seu Deus. Ao enfrentar Pazuzu (o demônio responsável pelas possessões de Angela e sua filha), Tomas se abriu para um mundo obscuro e perigoso, do qual precisa de todas as suas forças para não mergulhar de vez nas trevas e se deixar ser dominado pelas forças das quais tanto tem medo.

O episódio mostrou que não vai ser fácil para ele, afinal, o novo demônio (nesse primeiro episódio não fica claro se é um novo espírito maligno ou se Pazuzu está de volta, por isso adotarei como se fosse um novo) já deixou claro que vai fazer de tudo para ter Tomas e usar seus talentos para o mal. Já Marcus, agora ex padre da igreja romana, continua servindo como mentor do padre latino. Apesar de não vestir mais a batina ou de poder usar o título religioso, Marcus tem um grande histórico no combate aos espíritos demoníacos e sua força e conhecimentos são fundamentais na luta contra o tinhoso.

Continua após a publicidade

Nesse episódio fomos apresentados à uma nova família e um novo caso de possessão, logo de cara. Diferente do que aconteceu no ano anterior, essa temporada já começou com a possessão de Cindy. Pouco se sabe sobre o passado da mulher e se ela tem alguma ligação com o exorcismo passado. Acredito que não. O que sabemos é que ela é mulher do xerife (que já não gosto depois da surra que deu nos nossos velhos amigos) e que vem sendo atormentada já tem um tempo, inclusive procurando ajuda da Igreja, que inicialmente a recusou. Não ficou muito claro como Marcus e Tomas entraram nessa história, mas acredito que nos próximos episódios a conexão ficará mais clara.

Além de Cindy, o episódio introduziu uma nova família na série. Andrew é o pai adotivo de um grupo de crianças: Caleb, um garoto cego e que parece estar com um pé no mundo de Pazuzu (o que foi aquele olhar no final do episódio!?); Shelby, o garoto religioso; Grace, a caçula da turma e que precisa, urgentemente, parar de usar aquela máscara um tanto quanto assustadora; Truck, o garoto sonâmbulo; e Verity, ou V, que dos cinco é a personagem mais interessante e deve ter papel importante nessa temporada.

Além disso, o episódio nos apresentou a assistente social Rose Cooper, que é creditada como elenco principal, ou seja, deve ter contribuição importante nessa temporada. Ainda é cedo para prever o que vai acontecer com a família, mas acredito que sua história deve se desenvolver e se tornar o núcleo principal até o final da temporada.

A volta de The Exorcist não decepcionou à legião de fãs da série. O gênero terror ainda é pouco explorado na TV, principalmente na televisão aberta, mas a série vem sendo um representante de qualidade e uma ótima opção à turma do arrepio.

Easter-Eggs:

  • Tubular Bells: a famosa música tema do filme de 1973, interpretada por Mike Oldfield foi executada no final do episódio. Afinal, Exorcista sem Tubular Bells não é Exorcista.
  • William Peter Blatty: nos créditos havia a frase “In Memorium William Peter Blatty (1928-2017)” indicando que o episódio foi dedicado ao escritor e autor do livro de 1971 que deu origem à franquia do Exorcista, morto em janeiro desse ano aos 89 anos.
  • O nome do episódio, “Janus”, faz referência ao deus romano Janus, conhecido como o deus dos começos, das transições e dos finais.

Continue acompanhando as reviews semanais da série aqui no Mix de Séries. Abaixo a promo do próximo episódio.

Avatar

Matheus Ronconi

Paulista, nerd, viciado em séries e fã do Rei Leão e do Homem-Aranha. No Mix escrevo sobre The Big Bang Theory e Star Trek: Discovery.

No comments

Add yours