The Flash – 3×03 – Magenta

Imagem: Print

Imagem: Print

 

Flashpoint passou. A partir de agora é hora de lidarmos com as mudanças e consequências dos primeiros episódios.

Nessa nova fase, vemos que muitos dos novos meta-humanos tem ganhado ou desenvolvido seus poderes não por decorrência do acidente ocorrido no episódio piloto, mas graças aos poderes do Doutor Alquimia e sua pedra filosofal. O primeiro deles foi O Rival, que depois desse episódio ficou a incógnita se realmente está morto ou não.

Nesse episódio, somos apresentados a Frankie Kane, uma jovem órfã que tem passado de casa em casa e em todas acontecem coisas estranhas. Isso porque ela tem um lado poderoso que está escondido dentro si que funciona quase como uma outra personalidade, representada aqui por sua sede de vingança. Como dito antes, é o Doutor Alquimia quem desperta nela seus poderes.

Sua outra personalidade é chamada de Magenta, uma meta-humana com poderes de controlar metal. Quase uma versão feminina do Magneto da DC. Mas aqui na série está aquém do grande vilão da Marvel. Não sei se foi a fraca atuação da atriz, mas grande parte do problema decorre na minha opinião do roteiro. Todo seu drama em querer se vingar de seu pai adotivo não convenceu. Assim como suas caras e bocas (aliás a boca dela estava me incomodando muito). Cabe aqui a reação de Cisco ao ouvir o nome Magenta pela primeira vez, que representa perfeitamente meu sentimento pela personagem (o que me tirou uma alta gargalhada).

Frusta-me um pouco que, no final, Frankie poderia dar a localização do esconderijo do Alquimia para Barry e cia, mas entendo aqui que era Magenta quem tinha essa conexão com o vilão e que, enquanto controlada por sua outra personalidade, Frankie tinha seus blackouts.

No próximo episódio, “The New Rogues”, seremos apresentados a nova formação do grupo de vilões. Nos quadrinhos, a personagem Magenta faz parte do grupo. Caso a personagem volte, pode ser melhor trabalhada no meio de outros vilões. Fica aqui a minha torcida.

O outro lado do episódio mostrou algo que esperávamos desde a temporada passada: Jesse Quick como velocista! Isso nos dá a esperança de que Wally ainda possa desenvolver seus poderes e se tornar o Kid Flash dessa linha temporal, já que tanto ele quanto Jesse sofreram o mesmo acidente que lhe concedeu os poderes. Voltamos aqui ao drama da vida de Wally, que dessa vez sofre por não ter poderes. Mas não foi de todo ruim. Diferente do drama de Harrison Wells, que incomodou um pouco com sua grande preocupação em deixar Jesse desenvolver e colocar seus poderes em prática. Graças aos bons roteiristas isso durou apenas um episódio, pois Harry lhe presenteou com um uniforme. Já espero ansioso pelo próximo episódio onde a veremos mais em ação ao lado de Barry.

Fico feliz que o relacionamento de Barry e Iris tem sido melhor trabalhado nessa temporada episódio após episódio. Iris sabe a grande responsabilidade que seu amor tem como o herói da cidade e não tem se incomodado com suas saídas mesmo em meio aos encontros. Que continue assim, ouviram roteiristas?

Esse terceiro episódio sofreu uma queda em relação aos anteriores e espero que isso mude logo. Tenho esperanças que Flash não caiará na maldição da terceira temporada do Arrow verso. Ainda é tempo de quebrar isso. E você, o que achou de Magenta e Jesse Quick?

EASTER EGGS:

– “My name is Barry Allen“: a introdução presente na maioria dos episódios foi adaptada após os eventos de Flashpoint Paradox.

– Referência Nerd by Cisco Ramon: “Ela está tendo um medo primitivo”. Ou Primal Fear, título original de As Duas Faces de um Crime (1996), filme com Richard Gere.

– “Run, Barry. Run!”: a frase que ficou tão conhecida depois de usada tantas vezes pelo Dr. Wells com Barry foi adaptada nesse episódio para a mais nova velocista, Jesse Quick: “Run, Jesse. Run!”.

– O episódio introduziu Frankie Kane, a Magenta, que nos quadrinhos foi namorada de Wally West enquanto Flash.

– Keystone City, a cidade para onde Magenta é enviada, após esse episódio, é a mesma cidade onde Wally viveu com sua mãe durante todos os anos em que esteve fora. Nos quadrinhos, também é a cidade dos Flashs Jay Garrick e Wally West.

Tags The Flash

Share this post

Álefe Cintra

Jornalista e apaixonado por séries. Tem a mesma profissão de Clark Kent, usa óculos parecido, mas infelizmente não é super-herói. Grande fã de séries de super-heróis e fantasia. No Mix de Séries escreve as reviews de Arrow e The Flash.