The Flash – 3×06 – Shade

Imagem: IMDb

Imagem: IMDb

Após um início muito abaixo das expectativas, a terceira temporada de The Flash voltou a ter a qualidade de antes e isso foi graças a esse sexto episódio recheado de conteúdo, cenas de ação, revelações e reviravoltas. Coincidentemente, o título do sexto episódio da nova temporada de Arrow caberia muito bem aqui, pois a trama desse ano de Flash finalmente começou.

Sabemos que The Flash (e também as outras séries da DC) seguem várias fórmulas estruturais. Uma delas é a estrutura de desenvolvimento da temporada: início, introdução do vilão, mega crossover, midseason finale, desenvolvimento do problema, mini crossover, season finale. Essa fórmula, por mais que batida, não chega a incomodar. O incômodo aqui está na repetição e/ou reciclagem das histórias. Isso porque a série, mais uma vez, está trabalhando com mais um vilão velocista e mais um vez com o mistério da identidade. Por mais que nesse ano estejam usando arqui-inimigos um pouco diferente dos anteriores, a fórmula está toda ali, mascarada (muitos vezes nem tão mascarada assim). Nisso os roteiristas continuam pecando.

Lembram-se do que comentei nas reviews anteriores sobre Julian? Acredito que a produção não iria escalar um ator de renome como Tom Felton para usá-lo apenas como personagem secundário dentro da delegacia. E cada vez mais a série começa a ligá-lo indiretamente como alter ego do Doutor Alquimia. Sempre que Barry conversa com alguém sobre o vilão ou outro meta-humano, Julian está em tela ao fundo. No final do episódio o personagem falta do trabalho e não aparece mais, bem no dia em que Alquimia está em ação.

Continua após a publicidade

The Flash 3x06 2

Imagem: IMDb

O problema é: ou estão usando esses recursos muito descaradamente por falta de inovação e criatividade da parte dos roteiristas, ou estão fazendo isso propositalmente para nos despistar da verdadeira identidade do vilão. Sendo que esses recursos são exatamente os mesmos usados nas temporadas anteriores, e caberá a produção resolver esses problemas antes que a série abrace de vez a maldição da terceira temporada (vide Arrow).

Apesar de ter adorado o episódio, eu precisava falar sobre isso pois já estamos na terceira temporada e se o desenvolvimento e a conclusão desse ano não for inovador perto dos anos anteriores, teremos a prova de que The Flash está preso num círculo vicioso que dificilmente conseguirá sair. Mas ainda estamos um pouco longe de tirarmos essa prova, então vamos focar no ponto da estrutura da temporada em que estamos: introdução do vilão.

Essa terceira temporada já tinha me deixado animado por conter um vilão diferente dos anos anteriores, o Doutor Alquimia. Nesse episódio algumas das questões levantados nos primeiros episódios começaram a ser respondidas e fomos introduzidos ao verdadeiro vilão desse ano: Savitar, o Godspeed, ou deus da velocidade. Sua aparição no final do episódio foi uma surpresa tão boa e chocante que me deixou sentado na ponta do sofá, aguardando ansiosamente o próximo episódio. Apesar de ser um velocista também, sua aparência e poderes monstruosos trazem um perigo bem diferente ao herói e a cidade, já que se trata de um autoproclamado deus, e que, se bem desenvolvido ao longo da temporada, poderá ser a maior ameaça enfrentada por Barry. Vai depender do bom trabalho dos roteiristas para nos surpreender e nos presentear com uma excelente temporada.

Savitar foi apenas a cereja do bolo desse episódio. Isso porque até chegarmos ao momento de sua aparição, muita coisa aconteceu: Flash revelou ao grupo os principais acontecimentos alterados em Flashpoint, Wally West tomou conhecimento de seus poderes como Kid Flash, Caitlin Snow revelou seus poderes como Nevasca para todos e um novo vilão meta-humano surgiu.

Esse vilão foi o Penumbra (ou Shade, em inglês), que deu título ao episódio. Um dos mais conhecidos vilões de Flash dos quadrinhos foi muito mal aproveitado aqui, já que seus ataques na cidade não passaram de uma distração criada pelo Doutor Alquimia, que estava atrás de seu próximo alvo. Os ataques do Penumbra e seus momentos em tela até foram bons, mas sua derrota veio muito fácil (mais uma em que o Flash mal chega a enfrentá-lo sem que o grupo bole algo para derrotá-lo com seus planos científicos) e nem ao menos conhecemos sua verdadeira identidade. Mal vimos a cara do ator que o interpretou. Acho que a equipe de roteiristas poderiam ter usado aqui um vilão de baixo escalão para que não desperdiçassem um personagem de calibre. Espero voltar a vê-lo futuramente.

A distração citada acima foi criada para que Alquimia chegasse ao seu verdadeiro alvo: Wally West. Foi a partir dos sonhos e visões dele que Barry resolveu revelar ao grupo os acontecimentos alterados em Flashpoint. Já disse isso em outra review e repito que Wally finalmente está sendo melhor trabalhado. Gostei muito do personagem nesse episódio e suas cenas como Kid Flash nos sonhos me deixaram mais empolgado para vê-lo logo como herói combatendo o mal ao lado de Barry. Pelo desfecho desse episódio, parece que isso não irá demorar muito e até o final da temporada pode ser que aconteça.

Outra que desde os episódios anteriores continua crescendo muito é Caitlin Snow. Chegamos ao ponto em que seus poderes são revelados aos amigos. As cenas entre ela e Cisco nesse episódio fizeram com que ambos brilhassem juntos em tela. São esses pequenos momentos que impulsionam a vida dos personagens secundários, geralmente usados como alívio cômicos, e que nos fazem nos relacionar e amá-los ainda mais. E na semana que vem veremos esse plot chegar ao seu ápice.

Fato é que “Shade” foi o melhor episódio da temporada! Sem sombra (olha a piadinha) de dúvida. Apesar de muita coisa ter acontecido em apenas um episódio, foi tudo muito bem distribuído e dosado. As revelações e reviravoltas aconteciam uma atrás da outra, num crescente que fulminou no empolgante final do episódio. Era de um episódio assim que a temporada estava realmente precisando para despertar. Agora é aguardar o próximo episódio para ver o que irá acontecer.

P.S.: Será muita ironia se o personagem de Julian for mesmo o Alquimia. O vilão usa uma pedra filosofal, fala através de vozes sussurrantes na mente das pessoas e é o inimigo do herói cujo símbolo é um raio. Conhecem alguém assim?

P.S.2: Quando ouço a voz do Tobin Bell como Doutor Alquimia, a primeira coisa que fico esperando é ele falar “I want to play a game” ou “Let the games begin“. Saudades, Jigsaw.

P.S.3: HR está muito engraçado. Tom Cavanagh está muito bem no papel cômico.

P.S.4: Gorila Grodd foi citado. Mal vejo a hora de ver um episódio em Gorilla City. E espero que seja ainda nessa temporada.

EASTER EGGS:

  • Esse foi o episódio de número 52, um número que a série usa regularmente como easter egg em referência ao evento da DC Comics.
  • Penumbra (Shade) é um famoso vilão do Flash Jay Garrick na Era de Ouro dos quadrinhos. Seu alter ego é Richard Swift, que já ajudou Starman em combate em Opal City. Para quem não se lembra, Penumbra é aquele vilão que usa uma cartola e uma bengala nos quadrinhos e animações da DC.
  • Savitar é um poderoso vilão dos quadrinhos. Sua identidade é desconhecida, mas sabe-se que foi um piloto de avião de testes atingido por um raio que lhe garantiu os poderes. Entre eles, o de roubar a força de aceleração de outros velocistas. O vilão adotou o nome de Savitar em homenagem ao deus hindu do movimento. Seu principal inimigo era Wally West, o Kid Flash, que o derrotou com a ajuda de Barry Allen.
  • Na série, quem dá voz ao vilão Savitar é o ator britânico Ciarán Hinds, o Mance Rayder de Game of Thrones e o irmão de Dumbledore, Alberforth Dumbledore, em Harry Potter e as Relíquias da Morte – Parte 2.
  • Referência Nerd, by Cisco Ramon: “Você acabou de nos neutralizar?”, uma referência ao filme MIB: Homens de Preto.
  • Referência Nerd, by Cisco Ramon 2: “‘O Iluminado‘? Eu amo esse filme” (claramente morrendo de medo).
Tags The Flash
Avatar

Álefe Cintra

Jornalista e apaixonado por séries. Tem a mesma profissão de Clark Kent, usa óculos parecido, mas infelizmente não é super-herói. Grande fã de séries de super-heróis e fantasia. No Mix de Séries escreve as reviews de Arrow e The Flash.

No comments

Add yours