The Flash – 3×18 – Abra Kadabra

Imagem: IMDb/Divulgação

The Flash continua a caminhar a passos lentos (que ironia, não?) e trouxe essa semana um episódio sobre decisões, onde vemos grande parte dos personagens fazendo escolhas que poderão definir seus passos para o fim da temporada. Sejam elas boas ou ruins, inteligentes ou duvidosas.

Barry Allen parece ter encontrado equilíbrio em seus sentimentos e princípios heroicos. Mesmo sabendo que Abra Kadabra poderia lhe passar informações valiosas, como a identidade de Savitar e seu ponto fraco, ele esteve firme em sua decisão de deixá-lo ser preso pela Cigana. Se fosse há poucos episódios antes, a história poderia ter sido diferente já que o nosso herói se encontrava bem perturbado e perdido devido à futura morte de Iris. Espero ver mais desse lado herói do personagem daqui pra frente, sendo melhor desenvolvido e amadurecido. Isso tem feito muita falta nessa temporada.

Continua após a publicidade

Apesar disso, Barry toma a decisão de viajar para o futuro para tomar conhecimento do que está por vir: seu confronto com Savitar e como derrotá-lo. Quem sabe até mesmo descobrir sua verdadeira identidade. No próximo episódio, talvez tenhamos todas essas respostas e saberemos se essa foi uma decisão correta a ser tomada e que (tomara Deus) não afete mais uma vez a linha do tempo como a conhecemos.

O episódio teve alguns momentos particulares que me agradou muito. Um deles, mais pro lado estético e dramático, foi a cena em que todos aguardam a partida de Cigana e Kadabra. Os enquadramentos e a trilha casaram com a cena mostrando os personagens, cada um em um lugar do S.T.A.R. Labs, refletindo sobre o que aquela decisão poderia acarretar para seu futuro. Se tivesse sido melhor aproveita e não ter sido tão rápida, facilmente seria a melhor cena do episódio.

Outros grandes momentos foram as cenas envolvendo efeitos visuais, principalmente nas de ação. Barry em câmera lenta em meio a um furacão de cartas de baralho e a perseguição de Flash e Kid Flash pela nave do tempo no meio da cidade ficaram impecáveis, com exceção apenas por alguns takes onde a nave pareceu bem artificial. A série precisa de mais momentos como esses. A diversão e a empolgação de cenas de ação, herói versus vilão, tem feito falta. Os roteirista deveriam focar menos nos romances, que já cansaram de provar não ser o forte deles, e trabalharem mais episódios do tipo.

O último grande momento do episódio foi a transformação de Caitlin em Nevasca, mais uma cena onde os efeitos visuais contribuíram muito para torná-la impressionante. A explosão da personagem em uma nuvem de vapor e depois surgindo em meio a ela já como Nevasca foi incrível. O ponto fraco aqui, devo confessar, foi a pressa em tornar o momento dramático e a carga emocional soou forçada, quebrando uma cena que poderia ter sido grandiosidade para fechar o episódio. Mesmo elogiando a trilha de outras cenas, a escolha da que foi usada aqui foi muito errada. Estávamos acompanhando a “morte” de uma personagem importante da série ao som de uma música “empolgante”. Faria sentido se ela surgisse apenas quando Julian retira o colar de Caitlin.

O vilão Abra Kadabra foi uma contribuição interessante para o episódio que, por mais que tenha mantido certas informações cruciais em segredo para o Flash, acabou revelando outras mais indiretamente, como a fonte de energia da esfera do tempo criada por Harrison Wells e talvez o nome do possível vilão da quarta temporada.

The Flash agora entra em seu último hiato e ruma para o final da temporada, certo de que teremos episódios centrados na busca por informações até o embate decisivo contra o deus da velocidade. Será que essa temporada ainda conseguirá nos surpreender?

PS: Feliz Páscoa e até 25 de abril!

EASTER EGGS:

– A origem de Abra Kadabra na série foi muito fiel a dos quadrinhos. Na nona arte, o vilão vem do século 64 e utiliza a mais alta tecnologia para fazer seus truques. Em busca de uma carreira como ilusionista, ele volta no tempo e acaba entrando em confronto com o Flash Barry Allen. Mais tarde, ele adquiri poderes místicos reais após fazer um pacto com o demônio Neron. Sua primeira aparição foi em The Flash #128.

– David Dastmalchian (Abra Kadabra) já esteve envolvido com o Curinga, vilão do Batman, duas vezes. Em O Cavaleiro das Trevas (2008), ele foi um dos capangas do vilão. Na terceira temporada de Gotham, ele interpretou o líder de um culto inspirado por Jerome Valeska, a versão do Coringa para a série.

– Abra Kadabra pode ter revelado a identidade do vilão da próxima temporada! Em certo momento, ele cita o nome dos vilões vistos até aqui e mais um que ainda não vimos na série: Clifford DeVoe, mais conhecido como o Pensador.

– 52 Spot It: o número 52 apareceu novamente como número da cela onde o team Flash aprisiona Abra Kadabra. Parece que eles só tem essa cela na série, não é mesmo?

– Referências Nerds by Cisco Ramon:
(1) “Se o plano dele é dar uma de Marty McFly para voltar ao futuro…” – De Volta para o Futuro (1985)
(2) “You shall not pass.” – famosa frase de Gandalf em O Senhor dos Anéis: A Sociedade do Anel (2001).

Tags The Flash
Avatar

Álefe Cintra

Jornalista e apaixonado por séries. Tem a mesma profissão de Clark Kent, usa óculos parecido, mas infelizmente não é super-herói. Grande fã de séries de super-heróis e fantasia. No Mix de Séries escreve as reviews de Arrow e The Flash.

No comments

Add yours