The Good Doctor – 1×06 – Not Fake

Imagem: TV Time/ABC/Divulgação

Existem certos momentos de nossa história onde nos deparamos com situações em que a vida imita a arte e a arte imita a vida. Acredito que The Good Doctor caiu nas mãos da ABC e de todos os fãs como um grande presente e uma excelente lição desse famoso ditado. Não digo isso apenas pelo brilhantismo representado ao vermos nosso querido Freddie Highmore em cena, ou então pelos belos momentos de apresentação de uma profissão tão bela e ao mesmo tempo tão sórdida. Digo pois é muito humano da parte de cada um conseguir perceber a mensagem real que cada episódio nos traz. Digo pois é bonito de se deparar com uma lágrima em seu rosto ao final de cada episódio, vendo as belas cenas do Dr. Murphy com seus caricatos pacientes.

Contudo, muitas vezes não conseguimos enxergar como existem milhares de doutores Shaun’s por aí, que mesmo sem a capacidade intelectual, conseguem trabalhar de forma humana sem as condições ou resultados promovidos por seus superiores. A série veio abraçar um lado da medicina que eu, particularmente, ainda não vi em outras produções por aí. Não poderia estar mais feliz com o grande presente que o Mix me deu essa semana de poder redigir alguns sentimentos semanais e discutir com vocês os grandes feitos dos nossos queridos personagens no San Jose St. Bonaventure Hospital! Mas chega de ladainha e vamos logo ao episódio.

Continua após a publicidade

Sempre me empolguei com os clássicos episódios de grandes acidentes nas produções. A movimentação, o pensamento rápido, as estratégias malucas no melhor estilo MacGyver… Tudo vem acertado para trazer qualidade emocional e conhecimento. As técnicas de Shaun por exemplo, traduzem momentos de pensamento rápido e conseguem mostrar sua eficiência. Tenho certeza que o personagem ainda fará uma burrada tão grande que custará o cargo de presidência do Dr. Glassman? Tenho. Mas isso é a pura dramaturgia que move a série. Ainda digo mais, os erros de Shaun ou suas decepções de terapêutica fazem parte do cotidiano de um profissional da área de saúde.

Imagem: TV Time/ABC/Divulgação

O apelo emocional é cargo forte na série e tomou conta do plot principal do episódio. A decisão entre pais e esposa foi um gatilho mais do que interessante para jogar o lado judicial em termos médicos. Por fim, a razão pendeu ao lado emocional e a cirurgia foi realizada. Interessante ver a adição de tecnologias tão inovadoras como impressões em 3D na série, pois mostra a clara evolução do manejo com pacientes. Mas nem sempre tudo dá certo e voltamos as decepções com Claire. Me senti muito sensibilizado à sua causa, principalmente quando seu erro de conduta foi explicado. Alguém que procura realizar todo bem ao paciente, que anseia por salvar vidas e comete erros naturais de momentos de grande comoção. Foi difícil não se colocar no lugar da personagem naquele momento e acompanhar sua feição ao ver Glassman contar para a esposa da paciente.

Sempre deixando o melhor para o fim, estou muito feliz com um caso em especial deste episódio. Apesar de ver Jared envolvido diretamente com o caso da paciente, o que me lembrou demasiadamente o início de Izzy e Denny em Grey’s Anatomy, e me preocupar com a situação, o método terapêutico foi mais do que surpreendente. Para os que ainda não sabem, a terapia de peles de tilápia foi idealizada no Ceará e está se expandindo pelo mundo. É uma técnica mais do que interessante e importante no tratamento de grandes queimados. Deixo aqui meus parabéns aos idealizadores e um puxão de orelha nos produtores que não mencionaram o Brasil na série. Contudo, ainda foi interessante de se ver e de se orgulhar.

Shaun termina nos deixando sua marca como sempre: uma mensagem emotiva com um comentário divertido. Mesmo que ele acredite que o amor morreu dentro dele após os acontecimentos de sua infância, será mais do que interessante ver a evolução do médico durante a série e suas relações afetivas. A clássica panqueca no fim deixa a gente com a sensação de dever cumprido e um gostinho de quero mais. E é claro que teremos muito mais da série.

Na próxima semana, Shaun encontrará um desafio enorme de trabalhar com sua própria doença em um outro corpo. Já estou ansioso para ver um pouco mais da abordagem que será realizada.

Continuem acompanhando as notícias e reviews da série aqui no Mix e aguardo vocês na próxima semana com mais alguns comentários dessa grande produção. Até lá! 😀

Lucas Franco

Lucas Franco

Mineiro, Escorpiano, 20 Anos, Estudante de Medicina. Direto do Arkham Asylum para o Mix. Eterno fã de Chuck, E.R. e Friends (RIP). Por entre as madrugadas vive a dualidade dos estudos e das séries. No Mix, escreve as reviews de Quantico, The Good Doctor e Legends of Tomorrow.

No comments

Add yours