The Last Ship – 1×06/07 – Lockdown/SOS

198252

 

Sim, estamos com um atraso nas críticas de The Last Ship, mas nada consideravelmente grande. A verdade é que assistir dois episódios seguidos tem suas vantagens: uma melhor comparação no desenvolvimento da trama; os erros e acertos dos episódios, se comparados entre si; a importância ou não de determinada personagem naquele arco, etc.. Pontos que iremos abordar, sem deixar de comentar os demais pontos. E a dolorosa verdade é: a série apresentou dois episódios totalmente diferentes, mas com importâncias, sejam pequenas ou grandes, para a trama.

Lockdown é aquele episódio que é filler, porém tem uma importância significativa no contexto geral da série. Sim, tenho a noção de que criei um enorme paradoxo nessa frase, já que um filler não tem importância nenhuma, e o episódio teve? Falando de desenvolvimento da história não, já que tudo que foi apresentado não deve ser reapresentado no futuro. Mas, para a estética da série, sim, o episódio teve uma grande importância. Como assim?

Continua após a publicidade

Desde o início da série fomos apresentados às várias facetas de Chandler: na maioria das vezes um “paizão”, preocupado com sua tripulação. Mas também vimos um Chandler feroz, lutando com unhas e dentes, não só pela sua tripulação, mas pela humanidade em geral. E um Chandler culpado, pressionado? Uma tripulação preocupada, insegura com seu capitão, cogitando uma “rebelião”? Por isso que digo: Lockdown foi um filler de importância.

Não, o episódio não ficou preso a esses fatos. Chandler não foi o único a ser culpado, a ser pressionado sobre suas escolhas. E não estou falando dos outros comandantes e sim da Rachel. Já expus que a personagem tem uma importância significativa na trama, mas não é abordada da maneira que deveria. E o episódio não trouxe nada novo. A capacidade da cientista foi posta em prova, não somente por Chandler, mas por toda a tripulação. E piorando a situação, o otimismo compartilhado de Chandler sobre a vacina para a tripulação faz tudo ter uma consequência catastrófica.

Considerações Finais sobre Lockdown:

  • Quincy sendo manipulador? Um novo inimigo para o USS Nathan James?
  • Qual a necessidade da penitência de Foster? Cadê o Chandler compreensivo e “paizão” nessas horas?

the-last-ship-sos-1280jpg-8ddc3c_400w

 Diferente de Lockdown, que foi um episódio fraco, SOS trouxe grandes acontecimentos para produção. E não tem como iniciar sem criticar um ponto repetitivo: o excesso de ação. Por mais apocalíptico que seja, por maja exigido da produção, pelo caminho que ela toma, cenas repetitivas desgastam a série. Tanto é verdade que quando um episódio com pegada mais lenta é exibido há uma crítica pesada. Então sim, isso é um apelo, insignificante, para que a série diminua seu ritmo.

Dois pontos são crucias no episódios: a volta dos Russos e a chegada de uma imune ao vírus. O primeiro não é visto com bons olhos, já que era quase certo que os vilões iriam retornar à trama. O meu ponto já expus, mas exponho novamente: sou totalmente contra ao abuso excessivo nesse plot. Vai ficar cansativo, vai ser uma enrolação muito grande, entre outros fatores. Abranger a gama de “vilões” ou recuar um pouco essa história é necessário. Em contrapartida, a série não tem muito o que explorar, pelo menos coisas que pensamos rapidamente: é a busca por mantimentos, a busca de materiais necessários para a produção da vacina e a luta contra os Russos. Algo mais que pode ser adicionado? Difícil de dizer.

Já a aparição de alguém imune ao vírus é ótimo, o que tira um pouco do peso de Rachel. Sabemos, ou temos noção, de que um trabalho científico exige tempo para dar totalmente certo, e que tempo é algo que eles não têm. Alguém que é imune não quer dizer que a produção vá ser feita mais rápida, mas diz que há um modelo de como ser trabalhado. Sim, Rachel pode ganhar um destaque maior nessa trama e é o que espero.

Entretanto, nem tudo é flores. Se os Russos voltaram, eles voltaram com uma vantagem sobre a tripulação do Nathan James: eles detêm Chandler como refém. Não há outro pensamento a não ser a troca do capitão pelo material da vacina, o que vai render uma história interessante, porém cansativa. Ver a indecisão da tripulação e Rachel em realizar a troca e a decisão de Chandler para que eles não realizem dará um pouco, só um pouco, de história.

Avatar

1 comment

Add yours
  1. Ana Maria De Oliveira Fernande
    Ana Maria De Oliveira Fernande 7 agosto, 2014 at 18:35 Responder

    Achei uma puta sacanagem terminar com esse cliffhanger, porque agora eu não tenho mais unhas pra saber o que aconteceu…

    #CHATIADA

Post a new comment