The Originals – 3×20 – Where Nothing Stays Buried

Imagem: Arquivo Pessoal
Imagem: Arquivo Pessoal
Imagem: Captura de Tela/Reprodução

[spacer size = “20”]

Continua após publicidade

Supresas são decididamente a palavra de ordem quando falamos de The Originals. A morte de Cami e Davina no episódio passado provaram isso. E, infelizmente para nós que teramos que aguentar cada uma das surpresas que a série prepara para nós na reta final desta temporada, parece que a morte das garotas foi apenas o início.

Continua após a publicidade

“We Nothing Stays Buried” já chega com um agouro sombrio em seu título. Vimos as fundações de New Orleans serem partidas no episódio passado, com túmulos do cemitério explodindo, o que meio que passou despercebido dadas as mortes que tanto afetaram nossos personagens. Mas, sou forçado a confessar que, nem mesmo nos meus maiores delírios esperei que o título fosse ser tão literal do princípio ao fim.

Continua após publicidade

Enquanto Marcel anuncia sua intenção de trazer Davina de volta à vida – we all saw that one coming… – é em Klaus que eu achei uma das mais inusitadas surpresas, porque não me passou pela cabeça que se aprofundar no lore dos antigos Lobisomens, usando as anotações de Mikael para tal, fosse parte da pesquisa para derrotar Lucien.

O ódio de Freya foi algo que eu gostei muito de ver desenterrado. Quando a personagem foi inserida, eu tinha muitas ressalvas sobre ela, especialmente por causa de toda a trama de Dahlia. Mas, ver que a bruxinha evoluiu de uma sidekick para uma verdadeira Mikaelson, determinada o suficiente para dizer algo como “I’m up against centuries of dead witches who are apparently now strong enough to reach beyond the grave and shake the entire city on its foundation. I’ll rest once I’ve sent them all running back to hell.” me dá uma certeza razoável de que ela foi decididamente uma das melhores coisas que aconteceu aos Originais nos últimos tempos – mesmo que o plano dela seja tão cruel quanto o próprio Klaus nos seus dias antigos.

Continua após publicidade

A dinâmica de Hayley como um regulador de Klaus também foi uma ressurreição muito bem-vinda à trama. Gostei de ver a Loba dando conselhos de como lidar com o luto para o Original, quase tanto quanto gostei de ver o lado mais ácido e cretino dele de volta. É claro que no fim ele acaba sendo mais útil a ela do que era esperado, apontando Hayley exatamente na direção que queremos que ela vá: Elijah.

Surpresa mesmo foi Vincent. Entrar no cemitério quando se foi banido já é ousado, confrontar diretamente o novo – e completamente infantil/imbecil – Regente? Isso sim é viver a vida perigosamente. Mesmo tendo Kol logo na esquina para garantir que o plano dele desse certo, essa coragem, esse ódio que ele trouxe nos seus primeiros dias de volta ao auge de seu poder traz um elemento singular que, espero, ainda nos surpreenda mais no caminho para a Finale.

Continua após a publicidade
O MIX DE SÉRIES atingiu 10 milhões de visitas mensais e vamos ensinar tudo que aprendemos nessa caminhada! Aumente o tráfego do seu site com técnicas avançadas de SEO.
Faça seu pré-cadastro aqui!
Imagem: Arquivo Pessoal
Imagem: Captura de Tela/Reprodução

Decididamente, a coisa que mais me agradou no episódio foi o retorno do frenetismo. Correndo por vielas escuras para fugir dos Ancestrais ou sendo jogado de um lado para o outro por Lucien, trazer de volta essa estética mais sombria, usando cores já consagradas tanto por TVD quanto por si própria, The Originals conseguiu trazer de volta um terror sufocante que nos conquistou tantos anos atrás, quando víamos Nina Dobrev ser assusta por um corvo que marcava o retorno do então mau irmão Salvatore.

Mas, reflexões estéticas a parte, as coisas não poderiam estar pior para os “mocinhos”. Apesar dos esforços de Vincent, Kol, Marcel e até mesmo Van, parece que, pelo menos por hora, Davina Claire teve sua alma despedaçada pela Gemme Vital, fazendo com o retorno dela ao mundo dos vivos seja impossível.

No fim das contas embora sejamos deixados com uma cena fraterna entre Klaus, Freya e Hope, outra preocupação cresce em nossas mentes. Porque enquanto Lucien finalmente vai para o seu lugar devido – a cova –, Marcel, Vincent e Kol são as coisas que não ficaram enterradas. Kol voltou as suas maneiras assassinas, matando o Regente e profanar o cemitério. E, com o soro que criou Lucien em seu poder, Marcel se tornará, como Vincent previu, aquilo que os Originais mais temem, e acho que o banho de sangue que acompanhará a “Colheita” pela morte de Davina será ainda mais terrível do que qualquer coisas que possamos imaginar. Então, não percam o próximo episódio, e claro, a próxima review. Au revoir!