The Voice US – 13×05/06 – Blind Auditions

Imagem: Trae Patton/NBC/Divulgação

Chegamos aos momentos decisivos das blind auditions, e os times já estão praticamente fechados. As vagas estão bem limitadas e nossos coaches ainda mais exigentes. Vamos conferir quem são os últimos classificados para a próxima fase?

 

PRIMEIRO DIA

Continua após a publicidade

 

Chloe Kohanski – “The Chain”

Bernardo: O potencial aqui é realmente enorme, mas não acredito que Chloe tenha mostrado seu melhor nesta apresentação. Ela está no time correto, acredito que Miley tem a bagagem perfeita para corrigir os problemas que a cantora apresentou aqui.

Edu: Última semana de blinds começando com tudo! Chloe tem uma rouca e poderosa voz, que só foi evoluindo no decorrer da apresentação. Achei ela uma candidata potencial, e que tem tudo para fazer história no team Miley. Vai que é tua!

Luke: Chloe tem uma voz única e poderosa. Sua identidade é bem visível durante a apresentação e a evolução foi mais do que nítida. A escolha por Miley veio bem a calhar, pois vi muito da nossa country girl em Chloe. Espero que apresentem um belo trabalho.

Renata: Parece que vamos ter uma temporada e tanto, hein?! Extremamente forte, tem tudo para crescer bastante, e os outros que se cuidem… Miley tem uma bomba em suas mãos.

 

Dennis Drummond – “She Talks To Angels”

Bernardo: Seria ótimo se Dennis conseguisse estudar um pouquinho os clássicos do country que vieram de Nashville, o berço da música americana. Blake, inclusive, apontou essa questão geográfica no comentário, que faz todo sentido. Não acredito que Dennis deveria ter ganhado uma chance, não mostrou controle, capacidade e potencial, mas quem sou eu para ir contra esse grupo de coaches?

Edu: Ele me lembrou um pouco o Sawyer, vencedor da S8, mas com uma pegada menos folk. Fiquei curioso para ver como será os próximos passos dele na disputa, mesmo achando que ele não terá vida longa no team Blake.

Luke: A semelhança com Sawyer é gigantesca, mas vocalmente há diferenças que me trazem simpatia com Dennis. Seu estilo vocal me trouxe boas lembranças de alguns clássicos dos ano 90, e o trabalho que ele parece pretender seguir me deu esperanças de que coisas boas virão. Espero que ele faça uma boa dupla com Blake!!

Renata: Edu, tenho fé que teremos uma versão bem melhorada e menos robotizada do Sawyer. Gostei muito da vibe do Dennis, pena que não sei o que Blake vai aprontar com o rapaz. Queria muito vê-lo indo longe, mesmo achando impossível. É meu tipo de cantor.

 

Ignatious Carmouche – “Latch”

Bernardo: Particularmente não gosto dessa música do Sam Smith, ao meu ver ela é muito dramática e pesada demais para se ouvir mesmo na bad. Dito isso, acredito que tal peso deixou a audição de Ignatious sem autenticidade, já que ele tentou, em diversos momentos, fazer um cover do cantor original. Ele parece ser ótimo, mas não foi seu momento.

Edu: Não gosto muito dessa música por ter ranço de Sam Smith, mas convenhamos que essa versão de “Latch” ficou bem interessante. A canção valorizou bem a voz de Ignatious, mas é preciso ficar atento com as song choices que lhe serão dadas na disputa, sendo que tratando-se de JHud talvez não tenhamos esse tipo de problema, assim espero.

Luke: Essa versão é definitivamente melhor do que a original. O rapaz está mais do que preparado e a parceria com JHud vai trazer frutos excelentes para sua vida profissional. Já quero essa versão em iTunes/Spotify pra ontem!!

Renata: Que voz gostosinha! Soube fazer tudo direitinho e escolheu uma ótima música. Já vejo JHud escolhendo uns hinos para Ignatious.

 

Rebecca Brunner – “Believer”

Bernardo: O problema dessa nova geração de cantores é a preguiça de pesquisar músicas antigas, que podem ser mais adequada para suas respectivas vozes. Rebecca parece ser ótima, mas não merecia, mesmo, ter entrado.

Edu: Não achei tudo isso, aliás foi bem pedante, Senhor! Não entendi do Blake ter virado, podia ter deixado a moça ir embora.

Luke: Um pouco mais do mesmo. Ela tem uma extensão vocal boa, consegue atingir bons extremos. Mas é aquela coisa, não surpreende tanto à primeira vista. Pode ser que melhore.

Renata: Até que se esforçou, mas não vi diferencial algum. Blake adora umas pedras no sapato. Desperdício de vaga!

 

Brandon Brown – “Georgia On My Mind”

Bernardo: Posso estar um pouco azedo hoje, mas não consegui gostar dessa apresentação do Brandon. Muito menos que ele possa ser comparado com Willie Nelson, senta lá, Blake.

Edu: Estava demorando para cantarem essa música, rs. Sobre Brandon ele me deu um pouco de preguiça, talvez porque não tenha rolado uma certa evolução na performance, ficou tudo uniforme demais. Trabalhando com a canção certa, pode ser que possamos nos surpreender mais. Só sei que nesse primeiro instante fiz a Miley, e não teria virado também.

Luke: Ficou prejudicado na evolução, mas fez uma apresentação satisfatória. Ele tem um timbre vocal bacana e vai ser interessante ver uma evolução do garoto com Adam.

Renata: Eu esperei ele explodir em algum momento, o que não aconteceu. Vida que segue e jogo também. Talvez, com Adam explorando seus pontos fortes, a gente possa se surpreender.

 

Whitney Fenimore – “Hold On, We’Re Going Home”

Bernardo: Eu adorei a Whitney. Acredito firmemente que o The Voice precisa de uma mulher com chapéu e botas para representar a música country com a maior autenticidade possível. É verdade também que eu não gostei dessa apresentação, ela estava extremamente desafinada durante boa parte da apresentação, mas torço muito que venha a crescer e evoluir nas próximas etapas.

Edu: Ela me lembrou um pouco a Stephanie Rice, da temporada passada, tanto no jeito de se vestir, como na forma de cantar. Ou seja, nem preciso dizer nada que amei Whitney, não é mesmo? Já estou empolgadíssimo em ver a parceria dela com Adam.

Luke: Um início meio constante, mas com evolução nítida com o refrão. Whitney tem uma pegada muito interessante no estilo, tanto pessoal quanto vocal, e isso é uma grande arma a seu favor. Espero que sua parceria com Adam renda bons frutos.

Renata: Muito delicinha, ai gente! Whitney veio dar um sopro de leveza e lindeza. Adam, por favor, me ajuda.

 

Iliana Viramontes – “New Soul”

Bernardo: Se vocês tiveram a oportunidade de assistir a audição original da Ilianna para conseguir apresentar-se na Blind Auditions, verão que ela é muito melhor do que essa Ilianna que se apresentou hoje.

Edu: Essa é aquela candidata tipo pombo, que provavelmente será eliminada na próxima fase. Miley está construindo um time bem consistente e diversificado, e não vejo a garota muito tempo na disputa, pois há uma galera MUITO melhor.

Luke: Fiquei na dúvida se o La La La foi por esquecimento ou da canção. É um cantora que tem bom vocal, mas não tem tanta expressão. Não acredito que veremos muito dela por aqui, principalmente se tratando de um team forte como o de Miley!!

Renata: Particularmente teria deixado ir. Não vejo como pode nos surpreender, mas isso vamos ter que aguardar. Não gosto de candidato que não se entrega, parecia que ela estava ali fazendo favor.

 

Meagan McNeal – “Can’t Feel My Face”

Bernardo: Foi a primeira apresentação desta noite de audições que eu realmente gostei. A música não faz meu tipo, mas a Meagan me surpreendeu muito mesmo. Adorei.

Edu: Odeio essa música, mas amei Meagan. Ela é uma potência vocal impressionante, e tenho certeza que será uma adição e tanto ao team JHud.

Luke: Péssima song choice em uma boa apresentação. Seu potencial vocal durante os agudos salvou sua permanência na competição. Espero um grande trabalho sobre Meagan vindo de JHud.

Renata: Gente, não consigo tirar a voz do The Weeknd da cabeça! Sinceramente, ela podia ter escolhido melhorzinho. Mas mostrou como chega e faz. Imagina o tanto de grito que vamos ter! hahahaha

 

Jon Mero – “Versace On The Dancefloor”

Bernardo: Era isso que eu queria assistir desde o início. Foi uma apresentação completa, onde tudo funcionou a partir da escolha da música, passando pela afinação e entonação corretas até chegar na presença de palco, que me deixou boquiaberto. Infelizmente no The Voice as coisas sempre funcionam como o ditado de “deixar o melhor para o final”.

Edu: CARACA! Jon veio com uma música que soube valorizar sua voz, e ele ponderou os arranjos na medida certa. Definitivamente o cara é um fortíssimo candidato, e tem tudo para ir muito longe na disputa. Esse com certeza chegará fácil aos live shows, se não passarmos por um playoff injusto (o que é bem difícil de acontecer). Agora O QUE FOI A MÃE DELE APARECENDO NO PALCO? Claramente a minha, se um dia eu participasse de um reality musical, certeza! Adam vai dar o seu melhor para investir pesado no rapaz e, quem sabe, fazer dele o finalista que representará seu time.

Luke: Essa música promove arrepios da cabeça aos pés. A maneira com que Jon conduziu sua apresentação realmente mostra sabedoria de escolha. O rapaz tem uma voz muito bem encaixada e soube fazer seu nome logo de cara. Seu carisma é outro ponto característico, e que faz toda a diferença durante as apresentações. Espero que voe longe no team Adam, e possa nos apresentar apresentações tão boas quanto essa.

Renata: TÔ TODA ARREPIADA! Jon, só vem amigo, por favor! Fiquei muito emocionada, é o tipo de voz e de música que sou apaixonada. Já me ganhou completamente com a sinceridade e emoção que passou. Vou torcer muito para que sejam feitas as melhores escolhas e o leve bem longe. Quero muitas versões para chorar, e minha playlist lotada de Jon. Adam está com a faca e o queijo na mão, e pelo que conhecemos, ele adora lapidar um vencedor.

 

 

SEGUNDO DIA

 

Kristi Hoopes – “Heaven, Heartache and The Power Of Love”

Bernardo: Eu vou discordar de todos vocês, porque essa apresentação foi sensacional. A voz da moça encaixou-se perfeitamente com a música, foi uma audição divertidíssima e eu mal posso esperar para descobrir o que ela nos reserva para o futuro.

Edu: Sinceramente não entendi muito bem de todos terem virado a cadeira para Kristi. Tipo, ela canta bem, sua voz é bela, mas achei essa música tão sono, que se tivesse feito outra escolha poderíamos ter nos surpreendido mais com ela.

Luke: Eu sinceramente gostei. Foi um just ok? Foi, mas teve uma pegada bacana, um estilo diferenciado. Acho que pode evoluir bem, e Blake deve auxiliar a garota nesse sentido.

Renata: Foi just ok e só! Não tenho mais nada a dizer pois não senti nada.

 

Michael Kight – “Sugar”

Bernardo: Entendo perfeitamente o porquê Michael ganhou apenas uma cadeira. Mesmo que tenha acertado algumas notas bem difíceis, acredito que essa audição me pareceu com aquelas apresentações ao vivo do barzinho, que ninguém dá muita bola.

Edu: Sempre digo aqui que cantar a música de um dos coaches é de uma responsabilidade grande, mas ainda bem que Michael conseguiu dar conta do recado. O rapaz conseguiu alcançar de forma incrível os falsetos que Adam faz nessa canção, e acredito que o vocalista do Maroon 5 escolherá músicas que possam explorar profundamente tal alcance do candidato.

Luke: O rapaz fez um trabalho e tanto. Tem que ter coragem pra apresentar uma canção de um dos coaches, e Michael trouxe algo incrível. Não se conteve nos falsetos, e conseguiu impressionar justamente a quem devia. Essa parceria vai trazer boas apresentações no futuro da competição!!

Renata: Posso dizer que estou apaixonada? Posso! Ai, segurou a onda direitinho e ainda conquistou Adam. Não tenho estrutura para os dois juntos. O coach vai direcionar essa lindeza muito bem, explorando tudo que ele não mostrou, ainda.

 

Jeremiah Miller – “Slow Hands”

Bernardo: Concordo com o Luke, acredito que o Jeremiah tem muito talento, e precisa apenas refinar e encontrar sua zona de conforto. É um fortíssimo candidato a ser seguido no Instagram, mas seria ótimo que ele continuasse nessa competição por mais tempo.

Edu: Jeremiah tem um potencial oculto ali, veio com uma song choice bem modesta, e tem tudo para surpreender. Sua ida ao team JHud com certeza significará que ela fará dele seu novo Jamie Miller, e se isso realmente acontecer o resultado será plenamente satisfatório.

Luke: O talento ele tem, só precisa refinar. Aquela famosa frase do diamante bruto a ser lapidado. O carisma está ali, a presença de palco, a voz. JHud trará novos ares para Jeremiah, e isso vai ser muito interessante para o garoto!!!

Renata: Pacote completo para fazer sucesso! Chegou quietinho com uma voz bem gostosinha.Vai ser guiado por uma fera, se absorver e se esforçar tem chances de brilhar.

 

Megan Rose – “Ode To Billie Joe”

Bernardo: Quem sabe com uma música diferente Megan teria se destacado mais? Ela tem talento, mesmo sabendo que ela não está preparada para competir no The Voice, mas espero que melhore.

Edu: Ai que mina chata, odiei!

Luke: Tirando o drama e a emoção, vou analisar vocalmente. A voz de Megan é boa, mas precisa de trabalhos para as battle rounds. Vamos ver o quanto ela está disposta em trazer um pouco mais de identidade nas próximas apresentações.

Renata: Fia, num tinha nem que tá aqui! Às vezes eu queria entender tamanho desperdício dos técnicos.

 

Gary Carpentier – “Home”

Bernardo: Eu nunca, repito, nunca ouvi alguém descrever a voz de um cantor como “manteiga”. Adoro aprender coisas novas todos os dias, mas essa é certamente o ponto alto da minha semana. Quanto a apresentação do Gary, só posso dizer que foi sensacional e diferente de tudo aquilo que assistimos nesta semana. Não acredito que ele esteja completo, mas é um sopro de esperança depois de conferir as aprovações que tivemos neste e noutro episódio.

Edu: AMO ESSA MÚSICA! O que uma song choice bem adequada nos proporciona, não é mesmo? Gary já tem toda essa vibe Michael Bublé, e ainda escolhe a canção do próprio cantor. Match mais que perfeito impossível, e Adam fechando seu time com chave de ouro.

Luke: Quando tudo está predestinado para dar certo, pode ter certeza que dará. Isso não é sorte, e sim preparação e sabedoria. Uma song choice correta, uma apresentação balanceada da maneira adequada, um estilo próprio, um team que o proporcionará melhores adequações. Gary tem o que é necessário para ir longe na competição, a partir de Adam!!

Renata: Edu, me abraça e vamos chorar! Achei de uma delicadeza sem tamanho, por mim ficaria no replay por horas. Adam, vai que é tua!

 

Os últimos classificados para a próxima fase são:

Team Adam: Brandon Brown, Whitney Fenimore, Jon Mero, Michael Kight, Gary Carpentier

Team Blake: Dennis Drummond, Rebecca Brunner, Natalie Stovall, Ryan Scripps, Kristi Hoopes

Team JHud: Ignatious Carmouche, Meagan McNeal

Team Miley: Chloe Kohanski, Katrina Rose, Megan Rose

O que acharam das performances? Todos prontos para as battle rounds?

Avatar

Team Mix Reality

#TeamReality no Mix de Séries é responsável pelos realities shows.

1 comment

Add yours

Post a new comment