Top Mix: Séries com as melhores trilhas sonoras

family guy music[spacer size = “20”]

Continua após publicidade

“Nananana nananana….”

Continua após a publicidade

Olá! Você também vive cantarolando por aí? Muito bom, né?! Quem vê de fora não entende nada, e a gente acha que está sabendo a letra legal… Música é tudo na vida, não é mesmo?! Além de cantar, quando a gente houve alguma música no fone de ouvido ficamos imaginando que estamos em um filme/série, , e aquela é a trilha sonora da nossa vida, principalmente quando estamos viajando. Comigo acontece all the time! É porque as trilhas são maravilhosas mesmo, ? Sempre marcam momentos, sentimentos e emoções, impressionante!

Continua após publicidade

 

sense8-destacada-620x350[spacer size = “20”]

Continua após publicidade

Hoje o Top Mix veio falar justamente de séries que tem músicas marcantes, que jamais seriam as mesmas sem estes belos sons, e que, principalmente, toda vez que você ouve alguma música você lembra rapidamente da cena da série certinho. Quem jamais vai esquecer de momentos de alegrias com os amigos de Friends ao ouvir “I’ll Be There for You“? Ou de sempre cantar junto quando ouvir “What’s up“, lembrando de Sense8? Música marca mesmo e eu amo demais. Música transmite emoções tão bem, ou ainda melhor do que palavras soltas.

Então, limpa a garganta e vem comigo conferir as séries com as melhores trilhas sonoras!

(Por Paula Reis)

 

scandal_kerry_washington10) Scandal

Scandal pode ter deixado a desejar em vários aspectos atualmente, mas um que não posso deixar passar, e que está de parabéns é a sua trilha sonora. Mesmo com alguns acontecimentos nonsenses, as músicas sempre são as melhores e encaixam perfeitamente no momento. Geralmente músicas dos anos 70, como Diana Ross (inclusive o que foi Do You Know Where You Going To na cena final do 5×17?), Aretha Franklin, Bee Gees entre outros. Geralmente a música suave vem para “quebrar” a tensão da cena, que faz efeito, e ainda nos deixa cantarolantes no final do episódio. Alguns episódios também podemos apreciar um pouco do bom gosto musical do Papa Pope na infância da Olivia e momentos relax como o de Olivia e Jake sozinhos em uma ilha deserta ao som de Marvin Gaye. Nota dez no quesito bom gosto na trilha sonora. (Por Janyne Bibs)

 

One-Tree-Hill-19) One Tree Hill

A trilha sonora de One Tree Hill embalou diversos momentos dos fãs durante os nove anos em que esteve no ar. A cada episódio, uma média de 10 músicas formavam uma playlist semanal que fez o gosto do público. Músicos como Gavin De Graw – que cantava a música tema “I Dont Wanna Be“, além de outras músicas consagradas na série, como “Belief“, tiveram vez e puderam mostrar seu trabalho. Outra característica interessante é que, muito além das coleções de LP’s de Peyton Sawyer, que iam de bandas clássicas como The Cure e Jimmy Eat World até as mais atuais como Jack’s Mannequin, alguns personagens envolviam-se profissionalmente como a música. Foi o caso de Haley James Scott (Bethany Joy Lenz), Chris Keller (Tyler Hilton) e Mia Catalano (Kate Voegele) que deram um charme mais ao mundo musical em One Tree Hill. A abertura da boate Tric na segunda temporada serviu de inspiração para que inúmeros artistas passassem por ali, criando uma trilha sonora perfeita para qualquer fã da série. (Por Anderson Narciso)

 

The OC8) The O.C.

Uma das melhores trilhas em séries e também umas das melhores coisas da série. Em The O.C., cada música, mesmo que não original, coube como uma luva nas cenas e situações. Quem não canta junto com “California”, que não lembra da “Champagne Supernova” no beijo estilo homem-aranha e de “Dice” na cena do ano novo pode assistir de novo que fez algo errado. Olha que saber de cor nomes de músicas não é uma tarefa fácil. A trilha rendeu quatro Mix, CD’s que encantaram os fãs com apenas algumas das músicas da série. Além das citadas, “Maybe I’m Amazed”, “Something Pretty”, “Trouble Sleeping”, “Smile Like You Mean It”, “Forever Young”, “Love You ‘Till The End” e “Hallelujah” não saem da minha playlist. Seth, Summer, Ryan e Marissa jamais sairão da memória porque, além de cativantes, tem a mesma trilha sonora que adotei para a vida. (Por Caroline Marques)

 

suits 5x167) Suits

Um dos motivos que Suits me conquistou foi a trilha sonora. Confesso que me atraí primeiramente pela temática jurídica, mas jamais imaginaria que uma série assim poderia ter boas músicas. Começa pela abertura que tem um som sensacional com a música “Greenback Boogie“, da banda Ima Robot. A série mantém uma linha de estilo musical mais indie pop, o que eu adoro. O indie rock também é marcante, com sons de bandas inglesas, irlandesas e francesas, como é o caso da banda Phoenix e pela composição de Christopher Tyng. A série sempre divulga as seleções musicais nas redes sociais, o que é ótimo. A minha playlist já contém boa parte da trilha sonora da série, que é composta por bandas como Coldplay, The XX, Old Man Canyon, Caught A Ghost e pelo cantor Gotye. Dá para perceber, que sempre no final do episódio, uma música reflexiva ou pesada, depende da situação, é tocada enquanto imagens do que aconteceu com cada personagem naquele episódio são mostradas. Suits pode ter o figurino mais formal com seus ternos, mas tem uma das trilhas mais alternativas e descontraídas do mundo das séries. Amo! (Por Paula Reis)

 

Greys Anatomy6) Grey’s Anatomy

Seria um pecado sair desse Top Mix sem comentar de Grey’s Anatomy. A série de Shondaland pode ter a maior polêmica em relação a mortes, duração, brigas de elenco e etc… Mas uma coisa é fato: não dá para negar que a trilha sonora é quase sempre impecável! Como tudo que diz respeito a série, Grey’s Anatomy deixa tanto a sua marca que, até hoje, se ouvirmos algumas músicas, ligamos aos momentos em que ela tocou na série de Shonda Rhimes. Quem não relembra imediatamente de Grey’s quando toca “Chasing Cars” ou “How to Save a Life”, por exemplo? Essa última, aliás, fez parte de um episódio musical, onde foi cantada toda pelo elenco. Além das clássicas, Grey’s também sempre inova nesse quesito. Como, por exemplo, o início da décima segunda temporada, onde a maioria da trilha sonora foi composta por covers acústicos de músicas famosas. Pode ser que depois tenha enjoado um pouco, mas no início foi bem impactante e rendeu muitos comentários positivos. Pra finalizar, não tem como não citar que, salvo o sétimo episódio da primeira temporada, todos os episódios de Grey’s Anatomy levam nomes de músicas. E já sabemos de onde veio a boa sorte da série: o piloto tem o nome da tão aclamada A Hard Day’s Night, música dos Beatles. E vamos concordar que começar com Beatles realmente só podia ser sinônimo de sucesso, não é? (Por Fernanda Azevedo)

 

sons-of-anarchy35) Sons of Anarchy

Nos últimos anos, poucas séries usaram tão bem o recurso musical como Sons of Anarchy. Uma das características mais marcantes da série do FX foi o fato de os momentos iniciais e finais de cada episódio quase sempre não apresentarem fala; apenas imagens e uma música muito bem escolhida de fundo. Uma curiosidade sobre a trilha sonora de SoA é que boa parte de suas músicas era executada pela banda The Forest Rangers. A banda foi criada exclusivamente para a série e contava com alguns vocalistas esporádicos, entre eles a atriz Katey Sagal, intérprete da personagem Gemma Teller. Além do The Forest Rangers, a série sempre procurou mesclar artistas poucos conhecidos com grandes nomes da música americana e mundial. Esse detalhe representa bem a essência da série: um grupo de motoqueiros que preservam seus princípios e interesses e, sempre que podem, partem em busca de novas aventuras e novas histórias. Embora, em vários momentos, a série privilegiasse grandes nomes do rock como Alice Cooper, Bob Dylan, Jimi Hendrix e Elvis Presley, outros gêneros também estiveram presentes durante as sete temporadas da série. O jazz de Louis Armstrong e Etta James, o soul de Stevie Wonder, o folk de Leonard Cohen e até mesmo o reggae do filho de Bob Marley, Ziggy Marley, deram o tom de cenas importantes da série. Para os amantes de séries e boa música, Sons of Anarchy é uma excelente recomendação. (Por Matheus Ronconi)

 

Liev Schreiber Ray Donovan4) Ray Donovan

Ray ray pode não ser o cara mais equilibrado do mundo, mas sabe resolver os problemas alheios (menos os seus). E sempre ao som de músicas marcantes, ao final de cada episódio, a solução destes problemas mostram-se eficazes ou não. O compositor da série, Marcelo Zarvo, está fazendo um excelente trabalho na composição sonora da série, temos sucesso como The Eagles, Rodgarman, Bob Seger e Michael Kisur, variando do rock clássico, para o jazz, blues e soul music. Acredito que a série possui uma das melhores trilhas sonoras do mundo das séries, pois as músicas encaixam perfeitamente em cada momento, em cada sentimento que os personagens estão sentindo, e isso traz um diferencial enorme para Ray Donovan. Quem não se lembra de “La Bamba“, que embalou o primeiro episódio da segunda temporada? Tudo motivado pelo enredo daquele episódio. Mas uma das mais marcantes para mim foi “Sunny“, de Marvin Gaye (que também esteve presente na trilha sonora de Scandal). Esta música foi cantada por Brigitte e seu então namorado cantor, e também ao final do episódio, quando ele morre baleado. Foi emocionante! É, as músicas tem disso,…. emocionar! (Por Paula Reis)

 

vinyl hbo3) Vinyl

A trilha sonora de Vinyl extrapola todas as suas possibilidades quando decide incorporar em seus episódios músicos que marcaram época e causaram a diferença impactante que a indústria musical deveria receber em seu determinado tempo. Apesar de focar-se, na história principal, em mudar a indústria fonográfica do Rock N’ Roll, Vinyl varia-se entre o folk, blues, jazz, country, funk, disco, hip hop, etc. O grande saldo positivo desta trilha sonora é não apenas mostrar a mistura de gêneros, mas como apresentar regravações de músicos da atualidade para os músicos da época. Um grande, e excelente, exemplo é durante o segundo episódio, “Yesterday Once More”, onde temos a primeira apresentação realizada pela banda The Velvet Underground, uma das primeiras experimentais e uma das grandes influências para o punk rock, com as músicas “Venus in Furs” e “Run Run Run”, regravadas por Julian Casablancas (ex-Strokes) – que volta com a regravação de “White Light/White Heat” no episódio cinco, “He In Racist Fire“. A trilha também ganha mais força com a fictícia banda The Nasty Bits e suas músicas originais que se misturam com o punk – “What Love Is” – e com o rock clássico – “Woman Like You”. Também existem músicas criadas em especial para a série, como “No Good”, da banda irlandesa Kaleo e “Where Are You Now”, do duo americano Royal Blood. A trilha sonora de Vinyl está disponível no Spotify em diversas playlists que mostram as músicas de cada episódio e a influência de certos artistas, como Elvis, e personagens, como Richie. (Por Renato MP)

 

glee2) Glee

Ryan Murphy sempre foi fã de uma boa música e de histórias malucas. Por isso, não foi nenhuma surpresa quando Glee estreou na TV americana. Conhecemos adolescentes típicos de filmes clichês que cantavam, dançavam e tinham seus conflitos. O primeiro sucesso de Glee foi o coverDon’t Stop Believin‘”, da banda Journey, levando a banda dos anos 80 a ganhar novos fãs. Na primeira temporada, Glee tinha uma trilha sonora bastante old, com músicas clássicas do rock, do pop rock e rap. Porém, a crítica queria mais, e os fãs começaram a pedir para que os personagens cantassem músicas mais atuais. Talvez tenha sido a tão criticada segunda temporada, porém, uma coisa não podemos negar: Glee sempre soube muito bem fazer com que a música fosse um personagem no seriado. Durante seis temporadas, tivemos vários covers no seriado musical: de Katy Perry à Queen; também tivemos homenagens a muitos cantores, como Britney Spears, Madonna, Stevie Wonder, Lady GaGa e Beatles. Murphy aproveitou a onda do sucesso e decidiu colocar músicas originais. A mais conhecida dela, “Loser Like Me“, bateu recordes de vendas no ITunes e a canção escrita por Darrin Criss, “This Time“, foi elogiada por muitos artistas. É claro que nada disso seria possível sem cantores competentes que pudessem trazer uma nova roupagem para as canções, porém, sabemos muito bem que música é vida e com uma excelente trilha sonora, um seriado pode ir além do esperado. (Por Gabriella Siggia)

 

supernatural1) Supernatural

É claro que a série dos irmãos Winchester não ficaria de fora dessa magnífica lista, tampouco longe dos primeiros lugares. Ao longo dessas onze temporadas, o ponto mais forte de Supernatural é a trilha sonora. Mesmo com seus diversos altos e baixos que teve com o passar dos anos, a atração jamais pecou em suas escolhas musicais. Para adequar ao tom sombrio, são escolhidos sempre grandes clássicos que marcaram a história do rock no decorrer das décadas. Bon Jovi, AC/DC, Bob Dylan, Lynyrd Skynyrd, Scorpions , Deep Purple são apenas alguns dos prestigiados nomes que já tocaram, mais de uma vez no show. Está bom de açúcar? A execução da trilha é tão perfeita, que muitas das vezes só a canção por si só salvou um episódio de ser um verdadeiro fiasco. Ah sim, não podemos esquecer de outros estilos que já passaram na série, como forma de sátira. Quem não se lembra do 17º episódio da sexta temporada, intitulado My Heart Will Go On que, no final, tocou o grande clássico de Celine Dion que leva o mesmo nome? Ou então mais recentemente, quando ano passado tocou “Shake It Off”, da Taylor Swift? Não podemos esquecer do bom e velho ritual de toda a season finale, que sempre começa ao som do maravilhoso clássico “Carry On My Wayward Son”, do Kansas, com a recapitulação de tudo que aconteceu ao longo da temporada. Por mim, Supernatural poderia durar mais uns dez anos, só por causa de sua espetacular trilha sonora. (Por Eduardo Nogueira)

 

The GoldbergsMenção Honrosa: The Goldbergs

Consolidada e em alta no bloco de comédias do canal ABC, a série autobiográfica The Goldbergs se passa na melhor década que já existiu, os anos 80. Cabelos volumosos, roupas excêntricas são apenas alguns dos elementos que embalam a saga de Adam Goldberg em seu início de adolescência. Consequentemente isso nos leva a uma coisa extremamente boa: a trilha sonora. A comédia é sempre embalada por músicas daquela época, que eram totalmente consagradas. Já tivemos Bon Jovi, Run DMC, Warrant, Tiffany, Madonna e Michael Jackson como alguns dos nomes com suas canções executadas. Absolutamente um dos maiores pontos positivos da série. (Por Eduardo Nogueira)

 

the_knickMenção Honrosa 2: The Knick

Existe uma diferença entre soundtrack e score. A primeira designa uma seleção de músicas que não foram criadas para o filme/série, ou seja, são composições criadas por artistas variados que são selecionadas para tocar em alguma cena. Original score, por outro lado, é a trilha sonora composta exclusivamente para a obra audiovisual. Nesta edição da coluna falamos basicamente de soundtracks, das séries que selecionam as melhores músicas. The Knick, portanto, é o único exemplo de trilha sonora original. E que trilha, meus amigos! Cliff Martinez, um dos melhores compositores do cinema, deu vida e alma a uma das melhores séries dos últimos anos. O grande barato da trilha é o anacronismo. The Knick se passa em 1900, mas a música é eletrônica. Você pode achar que não combina, mas é tudo tão bem feito que casa perfeitamente. A música contemporânea acaba dando a ideia de que os médicos do Knick estão à frente de seu tempo. O mundo é antigo, mas a visão está além. As batidas, o minimalismo e o perfil soturno dão uma caráter especial ao show. Ao fim, nenhuma seleção de canções pode bater uma bela lista de composições originais. A trilha está no Spotify completa e é viciante. (Por Matheus Pereira)

 

felizesprasempre_2Menção Honrosa 3: Felizes para Sempre?

Felizes para Sempre? marcou época por uma dualidade incrível. A série tinha um visual bem noir e uma história pesada, obscura. Mas conseguia, como nenhuma outra, misturar tudo isso com uma trilha sonora que focava na música popular brasileira – popular de verdade, ! Por isso, não foi nenhuma surpresa em uma cena densa e de transição ouvir “Malvada“, de Ataufo Alves (que quase ninguém conhece), ou então “Ex my Love“, da musa Gaby Amarantos. A série também apostava em clássicos internacionais, e até hoje não cansei de ouvir “En El Ultimo Trago“, de Concha Buika, música que parece (no princípio) que não combina com nada, mas logo descobrimos que combina com tudo. Uma trilha sonora que é uma verdadeira preciosidade. (Por Letícia Bastos)

E aí, curtiu as soundtracks? Bom para ficar cantalorando por aí! Curte outras trilhas sonoras? Conte pra gente nos comentários!