Under The Dome – 3×11 – Love is a Battlefield

UTD
Imagem: Banco de Séries

 

Continua após publicidade

 

Continua após a publicidade

Bom, é com grande pesar que recebemos a notícia de que a série não retorna para sua quarta temporada. Mas não é por isso que deixaremos de acompanhar e comentar sobre o show. Faltando apenas mais dois episódios para o fim, podemos fazer um balanço de como a instabilidade prejudicou e muito UTD, principalmente nesta última temporada. Tivemos episódios incríveis agora nesta reta final, e que poderiam fazer a diferença no futuro caso a qualidade apresentada viesse, desde o início da temporada, com uma audiência crescente. Mas vamos parar com o blábláblá e falar do episódio.

Continua após publicidade

Eu ainda não acredito que eles colocarão Big Jim justo no fim do seriado como um vilão. Depois que eles viram que a cura não havia funcionado em Junior, resolveram que a solução seria matar todo mundo que havia sido exposto. E Big Jim concordou com a posição da Akation, mas ainda tenho esperanças de que ele fique do lado da Resistência no fim e lute contra essa ideia maluca.

Love Is a Battlefield foi um clássico na voz de Pat Benatar nos anos 80, e como o título deste episódio, a música não poderia ficar de fora. E o melhor jeito que encontraram foi na comédia. Colocar Joe cantando ela em meio ao caos que ocorria na redoma, apenas para atrasar o processo de explosão foi bem divertido. O minigênio da cidade é o único capaz de libertar todos, construindo o projeto de ametistas, que por ondas sonoras irá destruir a redoma. Mas como todos ainda são aliens zumbis e ele não tem certeza de como resolver essa situação, faz o máximo para atrasar os estudos enquanto não encontram a cura.

Continua após publicidade

Falando nisso, uma das cenas mais estranhas do seriado foi aquele parto forçado da filha de Barbie, com Julia empurrando a barriga de Eva até praticamente expelir a criança lá de dentro. Mas falando nisso, acredito que todos perceberam que a filha de Barbie e Eva, além de ser a rainha da Kinship, pode ser também uma espécie de cura. Depois de alimentar-se de sua mãe, ela sugou o espírito alienígena que habitava em Eva, fazendo com que a garota voltasse ao normal. Mas justo neste momento, meus apelos foram atendidos e ela morreu. Mesmo que ela tenha sido apaixonada por Barbie por uma semana e tido um filho com ele, ela não merecia toda a glória de terminar como heroína e sua morte foi bem vinda.

Mais dois episódios estão por vir e alguns pontos ainda precisam ser fechados. Tivemos uma pequena noção de que os espíritos que estão nos habitantes são mesmo alienígenas e que estão preocupados com algo que está vindo atacá-los. Tenho medo de que eles transformem esse fim em um tipo de Guerra dos Mundos, e toda a insanidade da série se concretize nesse enredo. A solução é aguardar as próximas semanas, e o que os produtores prepararam para o fim, e torcer para que não fique algo solto como em diversas séries que foram canceladas nos últimos anos.

Mineiro, Escorpiano, 20 Anos, Estudante de Medicina. Direto do Arkham Asylum para o Mix. Eterno fã de Chuck, E.R. e Friends (RIP). Por entre as madrugadas vive a dualidade dos estudos e das séries. No Mix, escreve as reviews de Quantico, The Good Doctor e Legends of Tomorrow.