UnReal – 2×09 – Espionage

UnReal Espionage MAIOR

Imagem: Vox

Continua após as recomendações

Se você é um daqueles que tachou esta pessoa que vos escreve de doida por comparar um episódio de UnReal com agricultura, saiba que não só estava (e continuo) com minha saúde mental bastante estável como também estava certo na minha previsão e na analogia feita com o processo de plantação. Digo isso pelo fato de termos um daqueles momentos que mostram ao telespectador a verdadeira qualidade de um roteiro, de um diretor e evidentemente de um elenco, que apesar de inexperiente, mostra-se ser o futuro promissor que a televisão terá um dia.

Continua após a publicidade

UnReal Espionage MENOR

Imagem: Vox

Resolvendo inúmeras pontas abertas no começo da temporada e até mesmo criando algumas para um porvindouro, o roteiro não teve vergonha aqui de mostrar aquilo que realmente desejava para Coleman, mesmo que essa mudança de caráter tenha soado um tanto quanto oportunista, rápida e folgada demais. O que nos faz perceber que ele, na verdade, nunca quis ser showrunner de um reality show e começar sua carreira na televisão, pois seu principal desejo era trabalhar no mercado financeiro. Explicando sua mudança drástica de visão, de personalidade e evidenciando um homem ambicioso e capaz de qualquer coisa, repito, qualquer coisa para manter sua vida profissional viva.

Tal desenvolvimento não é o mesmo que os roteiristas trazem para Yael, que talvez pode ser explicado pela falta de qualidade que a atriz trouxe para a construção da sua personagem ou até mesmo, pelo futuro que terá na Season Finale. Seja qual for o motivo, ela não foi bem aproveitada durante todo o processo de concepção dessa trama paralela que, infelizmente, tornou-se a narrativa central dessa reta final de UnReal que simplesmente abandonou todas as bandeiras que levantou no passado, seja sobre a questão do racismo que foi deixada de lado desde o arco do episódio que levou Darius ao estado do Alabama, ou até mesmo da objetificação da mulher.

Ironicamente, o lado feminino de Quinn aflorou (e muito) em “Espionage”por motivos que obviamente que não revelarei, mas saibam que estou até o momento estou indeciso quanto ao acerto de tal proposta e até mesmo do resultado desse desenvolvimento. Ajudou Constance Zimmer a esbanjar todo o seu talento, como fez desde o princípio, mas contínuo em dúvida quanto a verdadeira serventia de trazer ainda mais desgostoso, angústia e solidão para a personagem, e nebulosidade para a série nesta reta final que já carrega uma densidade impressionante.

Me impressiona esse número de facetas que Shiri Appleby consegue imprimir em Rachel, pois confesso que faz algum tempo que não vejo tamanha qualidade de uma atriz para desenvolver e construir uma personagem com tamanha qualidade, precisão e confiança. Por fim, saúdo os responsáveis pela ideia de apostar na comédia pastelão nesse episódio. Pode ter parecido apelativo, mas é louvável ressaltar que um drama tão obscuro quanto UnReal me fez rir mais do que muitas comédias no ar atualmente. 

Prontos para o Grand Season Finale?

[youtube] https://www.youtube.com/watch?v=WUMty9lxIsY [/youtube]

Tags UnREAL
Avatar

Bernardo Vieira

Catarinense e estudante de direito. Escrevo sobre entretenimento desde 2010, mas comecei com política internacional depois da campanha americana de 2016. Adoro uma premiação e um debate político, mas sempre estou lendo ou assistindo algo interessante. Quer saber mais? Me pague um café e vamos conversar.

No comments

Add yours