Crítica: 10×21 e 10×22 de The Walking Dead transitam entre o melhor e o pior

Crítica: 10x21 e season finale transitam entre o que há de melhor e pior em The Walking Dead
Imagem: AMC / Divulgação

Enquanto um episódio seguiu nas mesmas proporções dos anteriores, o último da décima temporada conseguiu fechar com maestria

The Walking Dead encerrou sua décima temporada trazendo dois episódios mais uma vez focados em personagens específicos. Para ser mais conciso com as informações – até porque são episódios bem diferentes em suas estruturas – vou entrar em um episódio por vez.

Continua após publicidade

A sopa de Carol

O 21º episódio voltou a falar da dupla mais antiga do show, mas desta vez focado em Carol (Melissa McBride). Com a amizade balançada, a sobrevivente decidiu retornar à Alexandria, enquanto o arqueiro continuou pela floresta. Seu fiel amigo Cão decidiu não acompanhá-lo desta vez, no entanto.

Continua após a publicidade

Ficou clara a metáfora que o episódio quis trazer com o dilema de Carol de volta à comunidade. Depois do que ela fez para por um fim em Alpha (Samantha Morton), a culpa ainda a consumia. Contudo, a mulher viu em Jerry (Cooper Andrews) a chance de fazer algo bom novamente. No caso, uma sopa.

Continua após publicidade

E é essa a história do episódio como um todo. Vimos Carol falhar miseravelmente na criação de sua receita, seja pelas péssimas condições que a comunidade se encontra ou pelo visitante indesejado: um rato. Entretanto, em todos os obstáculos vimos Carol lidar com o problema de frente, como ela sempre fez.

Tentaram seguir adiante, sem sucesso

No fim ela falha com o prato do amigo, bem como não conseguiu pôr um fim no rato, chegando até mesmo a destruir completamente a parede da garagem atrás do animal. Ao final de tudo, Jerry foi o único que ofereceu um ombro amigo e um abraço à personagem, conforto esse que ela precisava desde o início.

Continua após publicidade

Daryl não ficou por trás. Toda essa marra do arqueiro serviu de nada, já que ele ficou preso com sua moto quebrada na floresta. Foi necessário um dia – e uma noite – inteira para consertar o veículo, quase sendo mordido por um Walker no processo (sério, Daryl?).

O fato é que nenhum dos dois soube falar abertamente o que sente e seria muito bom se na próxima temporada a nova comunidade oferecer algum tipo de terapia. Mas embora a metáfora seja boa, em The Walking Dead a construção e o roteiro do episódio pecaram completamente.

Continua após a publicidade
O MIX DE SÉRIES atingiu 10 milhões de visitas mensais e vamos ensinar tudo que aprendemos nessa caminhada! Aumente o tráfego do seu site com técnicas avançadas de SEO.
Faça seu pré-cadastro aqui!

Seria muito mais interessante mostrar esse lado de Carol contrapondo a própria comunidade e o estado em que ela se encontra. Afinal, com um grupo sem morada e recursos, o que vale a pena? Será que vale um tremendo esforço para reerguer uma comunidade destruída?

Claro que Carol é uma personagem que segura 40 minutos de um episódio sozinha tranquilamente. Mas todo o trauma dela poderia ser muito bem contada de forma dramática, assim como foi o episódio seguinte. Afinal de contas, Negan (Jeffrey Dean Morgan) também segura e muito bem um episódio inteiro, isso é um fato.

Passado finalmente revelado

Crítica: 10x21 e season finale transitam entre o que há de melhor e pior em The Walking Dead
Imagem: AMC / Divulgação

No último episódio da décima temporada (e dos episódios extras) tivemos Negan confrontando seu passado. Prevendo que o ex-vilão estava com os dias contados, Carol decidiu levá-lo para a casa onde Leah () morava, aquela moça que Daryl conheceu anos atrás.

O motivo? Maggie (Lauren Cohan). Inicialmente Negan não relutou e obedeceu à colega, entretanto se lembrou de seu confronto com Rick (Andrew Lincoln) e Michonne (Danai Gurira), entendendo finalmente onde estava Lucille. Sendo assim, ele retornou até o lugar onde sua guerra terminou, levando uma pá consigo.

Então Negan finalmente encontrou novamente Lucille, relembrando sua história com sua falecida esposa. O episódio tratou de forma desconexa a linha do tempo, entregando exatamente tudo o que eu gostaria de ver em um episódio focado no passado de alguém.

Antes de ser um Salvador

Contextualizando de forma cronológica, tivemos um vislumbre de antes do apocalipse com Negan sendo apenas um professor de Educação Física com uma relação conturbada com sua esposa, Lucille (Hilarie Burton). Além de ter perdido o emprego após agredir o pai de um dos seus alunos num bar, ainda traía a esposa com uma amiga dela.

Então Lucille descobriu que estava com câncer, mudando assim toda uma relação com o marido. Fora o início do apocalipse, né? A partir disso, Negan se tornou seu porto seguro, cuidando dela e buscando os medicamentos necessários para seu tratamento.

Os dois possuíam uma química sensacional de se assistir e isso se dá ao fato de que Hilarie é esposa de Jeffrey na vida real, o que tornou tudo muito mais fácil atrás das câmeras. A história dos dois passou verdade e sentimento em tela e finalmente entendemos como e por quê Negan se tornou um homem frio.

O tempo cobrou caro

Com pouquíssimos recursos, Negan encontrou ajuda com um rapaz e sua filha, Laura (Lindsey Register) – que viria a se aliar ao vilão tempos depois. Contudo, também encontrou o pior em um grupo de motoqueiros, se vendo obrigado a revelar o paradeiro de seus aliados para sobreviver.

Quando finalmente conseguiu retornar, Lucille já havia desistido de sua própria vida, mas não sem antes pedir para que Negan siga adiante e lute por ela. Uma das cenas mais emocionantes da temporada toda foi ver o personagem destruído enquanto sua esposa permanecia zumbificada na cama.

A morte de Lucille foi o estopim para Negan matar todo o grupo de motoqueiros e salvar Laura e seu pai, se tornando assim imparável e o vilão que chegamos a conhecer na sétima temporada de The Walking Dead. E sim, o episódio entregou tudo o que tinha direito, num dos melhores flashbacks já visto.

De quem é a culpa?

Ao final do episódio, Negan retornou para Alexandria após se despedir de Lucille, pois o taco havia quebrado e não havia conserto. Com isso, o personagem está disposto a arcar as consequências de seus atos, mas não perderá novamente seu lado humano.

O que me espanta ainda mais é ver um roteiro e uma narrativa construída tão bem neste episódio, mas os outros serem o extremo oposto. Se The Walking Dead seguir com a sua última temporada da mesma forma que “Here’s Negan” foi executado, já digo que será uma das melhores temporadas do show, assim como as primeiras.

Mas bem, esses foram os episódios finais da décima temporada! O que você achou desses capítulos extras e quais são as suas expectativas para a temporada final? Vale dizer que a estreia da 11º temporada será em agosto, então não deixe de acompanhar o Mix de Séries!