A história real de Inacreditável, série da Netflix: saiba o que aconteceu

Série da Netflix, Inacreditável vem conquistando o público

A nova série da Netflix, Inacreditável (Unbelievable), está na boca do povo. Todos já estão comentando sobre a atração que é inspirada em fatos reais. Logo, já podemos adiantar que devido a isso, a produção é uma minissérie, e contará apenas com os episódios lançados na plataforma. Portanto, Inacreditável não terá 2ª temporada.

Tendo isso em mente, vamos aos fatos reais. Inacreditável conta a história de um crime horrível e um deslumbrante erro judicial. Em 2008, Marie, 18 anos, de Lynnwood (Washington), foi atacada em seu apartamento por um homem que a amarra e a estupra, tirando fotos o tempo todo. Ela relatou o ataque à polícia, que rapidamente abandonou a investigação de seu caso e a acusou de fazer um falso boletim à polícia. Dois anos depois, no Colorado, os detetives investigaram um estuprador em série com exatamente o mesmo modus operandi – tudo sem saber que ele pode ter atacado antes.

A história real

O caso é verdadeiro e é baseado em uma investigação conjunta de 2015 do ProPublica e do Projeto Marshall, ganhadora do Prêmio Pulitzer. O artigo foi realizado pelos repórteres T. Christian Miller e Ken Armstrong. A publicação, chamada de “Uma história inacreditável de estupro”, conta a história de Marie (o nome do meio da vítima real) e dos detetives do Colorado que caçam um predador em série. Apesar do fato de que o trauma às vezes pode levar as vítimas a relatar diferentes ataques, a polícia apurou inconsistências na história de Marie.

“Quando a polícia começou a duvidar de Marie, eles a atacaram“, disse Armstrong à Rádio Pública Nacional no ano passado. “O foco da investigação se tornou sua credibilidade. E, em vez de entrevistar Marie como vítima, eles começaram a interrogá-la como suspeita.”.

A diferença da abordagem entre policiais masculinos e femininos

A ideia que a série, bem como a publicação original passam, é de que há uma diferença entre a abordagem de policiais masculinos e femininos em casos de abuso sexual e estupros. Os policiais masculinos tendem sempre a questionar a validade do depoimento da mulher, e em muitos casos, duvidarem. Ao que parece, foi exatamente isso que aconteceu aqui.

Os investigadores a confrontaram e, sob sua pressão, Marie acabou voltando atrás com sua reivindicação inicial. Mais tarde, ela foi acusada de fazer um falso relatório policial – um crime punível com pena de até um ano de prisão. Marie aceitou um acordo judicial que a condenou a aconselhamento, liberdade condicional e pagamento de US$ 500 para custas judiciais, mas sem prisão. Apenas algumas semanas depois que ela foi acusada, outra mulher de Seattle relatou ter sido estuprada em sua casa por um agressor que a amarrou e a fotografou.

Em 2011, as detetives do Colorado Stacy Galbraith e Edna Hendershot, oficiais de departamentos separados em diferentes cidades, estavam trabalhando juntos para capturar um estuprador em série aterrorizando mulheres, completamente inconsciente de que Marie existia. Parece história de ficção, não é mesmo?

O questionamento do depoimento

Os jornalistas relataram a história em parte, entrevistando quase todos os envolvidos. Portanto, Marie, seus pais adotivos, as detetives do Colorado que resolveram o caso e um dos policiais de Washington que confundiram e o estuprador, deram seus depoimentos. Em um artigo de acompanhamento descrevendo o processo pelo qual eles relataram a história, as jornalistas escreveram que arquivaram pedidos de registros de milhares de páginas de documentos dos escritórios da polícia e do Ministério Público em Washington e Colorado.

Os registros obtidos por meio dessas solicitações incluíam relatórios de investigação arquivados por detetives em Lynnwood e em outros lugares; fotos da cena do crime e imagens de vigilância coletadas pelas várias agências policiais; as duas análises de casos de como a polícia de Lynnwood lidou com a investigação do relatório de estupro de Marie. (via esquire).
O ponto crucial de Inacreditável é como os policiais e detetives designados originalmente para o caso de Marie usam táticas de interrogatório e informações ruins, desgastando-a até o ponto em que ela parece achar que seria mais fácil se ela apenas disser que mentiu sobre ser estuprada. Além disso, ela começa a ficar perturbada com toda a situação, fazendo com que sua credibilidade fosse questionada ainda mais.
Vale ressaltar também que a participação das suas detetives no caso foi real e decisiva para a virada de jogo. Merritt Wever interpreta a detetive Karen Duvall, que investiga um caso de estupro em 2011 que acaba tendo claras semelhanças com o que Marie relatou, embora não tenha conhecimento do caso de Marie quando inicia sua investigação. Como mostra Inacreditável, uma pequena informação passada a Duvall por seu marido, Max (Austin Hébert), muda o curso do caso: Max, um policial de outra jurisdição, compartilha que um detetive de seu departamento trabalhou em um processo semelhante de estupro, vários meses antes.

Merritt Wever e Toni Collette m Inacreditável, da Netflix. Imagem: Netflix/Divulgação.

Essa parceria prova ser uma das conexões mais valiosas da investigação, como mostra tanto a matéria quanto a série da Netflix. (Via Times)
Além disso,completo. Todavia, palavras. Entretanto, necessárias. Bem como, verdes. Todavia, brancas.

Como o caso policial se desenrolou

Inacreditável mostra Duvall e Rasmussen (Toni Colette) trabalhando quase constantemente para rastrear o estuprador, atingindo vários obstáculos enquanto continuam a investigação.

Por um tempo, eles suspeitam que um policial do sexo masculino possa estar no centro do crime, julgando como cada cena do crime é limpa para evitar a detecção. Quem ler a história do ProPublica antes de assistir ao programa saberá que a linha de investigação foi inventada para a série. Isso acaba indo a lugar nenhum, embora permita que o programa compartilhe o fato de que a taxa de violência doméstica entre as autoridades policiais é maior do que no público em geral.

Duvall e Rasmussen emergem como um par heroicamente corajoso, motivado pela raiva de trabalhar dentro de um sistema dominado por homens que elas acreditam ter falhado em muitas vítimas femininas.

A investigação foi se desenvolvendo, com novas pistas aparecendo. Além disso, outros casos foram também acontecendo, de forma semelhante.

Merritt Wever em Inacreditável, da Netflix. Imagem: Netflix/Divulgação.

Depois que outro relatório apareceu – o de uma tentativa de assalto em outra cidade do Colorado que, quando re investigada, parecia ter sido uma tentativa fracassada de estupro – os investigadores descobriram pegadas de sapatos de um par de sapatos Adidas. Os detetives acabaram conectando quatro casos de estupro que ocorreram ao longo de um período de 15 meses na área de Denver, com essas informações.

Chegando ao culpado

Depois de mais algumas pistas falsas, o caso esquentou quando um analista de crime do departamento de polícia de Lakewood encontrou evidências de uma caminhonete que estava estacionada perto da casa da vítima. Aquele caminhão era um Mazda branco, registrado para um homem chamado Marc Patrick O’Leary.

Os agentes do FBI começaram a vigiar a casa de O’Leary e obtiveram o DNA de um homem que saiu da propriedade, seguindo-o a um restaurante e coletando a xícara que ele usara, como em Inacreditável. De volta à casa, um agente do FBI bateu à porta na esperança de instalar uma câmera de vigilância nas proximidades, sem ser detectado. Um homem que se parecia com Marc O’Leary abriu a porta, causando confusão, pois os investigadores pensavam que havia apenas um homem na casa. Ele se apresentou como Marc O’Leary, mas o homem que saiu de casa era seu irmão, Michael.

Embora eles não pudessem encontrar uma pista definitiva, o DNA de O’Leary poderia mostrar que um membro masculino de sua família era a pessoa que cometera os crimes.

A detetive Galbraith, que lembrou que a vítima havia compartilhado que o agressor tinha uma marca escura na perna, recebeu um mandado de busca e foi à casa de O’Leary. Quando ela deu um tapinha nele, ela viu a marca de nascença na perna esquerda – uma cena também descrita em Inacreditável. Pronto, ela havia encontrado o homem que procurava e queria ser o único a prendê-lo.

Como os casos do Colorado se ligaram a Marie

Quando os investigadores vasculharam a casa e o disco rígido de O’Leary, encontraram um acervo de fotos que ele tirou de suas vítimas, incluindo as que Galbraith e Hendershot haviam trabalhado. Mas Galbraith encontrou uma foto de alguém que ela não reconheceu, uma jovem mulher amarrada e amordaçada em uma cama. Era Marie, com um endereço em Lynwood, Washington – prova definitiva de que ela estava dizendo a verdade.

O que aconteceu com Marie depois que a verdade foi revelada

A essa altura de Inacreditável, Marie está trabalhando em um centro de kart. O detetive que lidou mal com seu caso (Eric Lange) se aproxima dela no trabalho e diz que soube que ela estava dizendo a verdade. “Eles prenderam um estuprador e, quando examinaram as coisas dele, encontraram uma foto sua”, diz ele. “Tirada durante um abuso. Durante o seu ataque.” Ela congela. Ele devolve a multa de US$ 500 que ela foi forçada a pagar.

Além dos karts, a cena é exatamente o que foi relatado na história do ProPublica. A Marie da vida real, assim como a retratada por Dever no programa, processou a cidade de Lynwood e se contentou com apenas US $ 150.000. Mais tarde, informou o ProPublica, Marie deixou Washington, casou-se e teve dois filhos.

E você, o que achou de Inacreditável? Todos os episódios estão disponíveis na Netflix.

Anderson Narciso

Anderson Narciso

Mestre em História, apaixonado por mídias, é o editor responsável e idealizador do Mix de Séries. Eterno órfão de Friends, One Tree Hill e ER, acompanha séries desde que se entende por gente. No Mix é editor de colunas e de notícias, escreve a coluna 5 Razões e resenha a série Gotham.

No comments

Add yours