Blindspot – 1×02 – A Stray Howl

Imagem: Banco de Séries

Imagem: Banco de Séries

Continua após as recomendações

 

Antes de começar, alguém aqui sabe o que é uma cifra de Vigenere? Ok, não levantem a mão… Segundo episódio dessa história quase sem nexo ~ aeeee ~, e as coisas começam a se esclarecer, ainda que beeeem vagamente. Começamos com Jane tendo um flashback, uma cena que rolou no final deste episódio, dela dentro de um carro enquanto os vidros são baleados, e depois corta pra ela fazendo o teste de Roscharch , o teste do borrão de tinta, sabe? Pra ver se algum gatilho era disparado em sua confusa e quase nula memória, tendo como resultado algumas lembranças do último episódio com um pouco a mais de detalhes, sempre com o bom e velho barbudo misterioso.

Continua após a publicidade

Enquanto isso, do outro lado da cidade, Kurt é acordado por sua irmã, fazendo panquecas (ou tentando) e seu sobrinho pequeno, que estão morando com ele até acharem um lugar para ficar. Ela diz que seu papai ligou, perguntando se os dois vão ao memorial de Taylor Shawn, essa moça era uma menininha de 10 anos, irmãzinha dos dois, que Kurt se culpa por seu desaparecimento. Não se esqueçam dela.

Após o badass tentar fazê-la lembrar de algo, dando tiros em alvos, lutando corpo a corpo, Jane tem uma memória bem específica e bem perturbadora… Ela entrando numa Igreja e dando um headshot num freira que carregava um pendrive, aparentemente um pouquinho importante. Lembra do nexo dessa brincadeira toda com a pobre agente? Ela lateja na sua cabeça a palavra “Penitência” algumas vezes no episódio, ou seja, basicamente:

– Padre, eu pequei, matei a Madre Superiora.

– Minha filha, você está perdoada, sua penitência será se tatuar toda, apagar sua memória e ser jogada na Time Square…

Bom, perdemos o Xing Ling que parecia estar conectado à Jane, mas eis que surge a estrela coadjuvante desse episódio, na minha opinião, Felicity  Patterson, a loirinha nerd que descobre um código encriptado em uma das tatuagens que leva direto ao Major Arthur Gibson, um cara das Forças Aéreas especialista em explosivos, que por acaso se nega a falar com os agentes quando bateram em sua porta e foge explodindo a própria casa, um pouco anti-social.

Conforme os agentes vão interrogando a galera da Aeronáutica, descobrimos que Arthur era uma pessoa boa, que não se viu satisfeito em não expor a verdade por trás de seu trabalho: Tem drones sobrevoando New York… ah, esses drones… são desculpa pra tudo agora! Major Arthur decide sequestrar um ex-parceiro e sua filhinha, coagindo ele a executar seu plano de vingança, fazendo com que ele tenha o poder de controlar os drones com um cartão, e nessa correria mata sua antiga chefe, explodindo seu carro.

Dando uma quebrada no clima, temos uma cena em que é explicado o porque de Kurt ser tão certo de que Jane é uma pessoa boa… Durante um interrogatório, ele ameaça um oficial da Aeronáutica, pois parece estar tenso pra resolver esse caso o mais rápido possível, justamente por envolver uma menininha sequestrada, é onde ele se abre com Annalise Mayfair, lembrando de sua irmãzinha, Taylor, aquela lá do início, tendo uma memória de quando deixou ela cair de uma árvore aos 10 anos, e isso deixara um corte em seu pescoço, uma cicatriz, que por acaso… É A MESMA QUE A JANE TEM !!! Exatamente, Jane pode ser irmã do Kurt badass, eu disse que ele sabia mais do que dizia.

O resto é história. Descobrem um parceiro de Arthur, Ivan Musgrave, vão atrás dele, Jane de novo mete a porrada em alguém num ap, e quando o levaram pra fora, lembraram que o Major estava comandando drones bem em cima deles, um pouco tarde demais… Quase se explodem ali mesmo hehehe [Nota para a parte em que Jane vê o cara barbudo escondido em uma esquina, e tenta avisar a Kurt]. Ivan conta que delatou ele, relata os planos do mesmo de vingança, e lembra que ele tinha um míssil sobrando.

Depois de muita pressão, o General acaba contando pra eles que os operadores dos drones trabalhavam no mesmo prédio do FBI, nos últimos três andares. Gibson planejava explodir o local na troca de turnos, pra exterminar geral de uma vez só, e faltava uma hora pra isso… FUUU! Em uma hora, descobrem que ele estava escondido em um arranha-céu vazio que ajudara a construir. Rolou correria, Weller subiu a todo vapor, deixando Jane no carro, e ao ser descoberto no último andar, Arthur derrubou Kurt, desceu com uma metralhadora, e chegamos na cena do início do episódio. Jane vê que as balas tinham acabado, e em outro ato de bravura, pega o carro, numa perseguição emocionante, e derruba o carro dele, capotando logo em seguida, mas o dia estava salvo 😀, Kurt achou a menininha e a entregou sã para seu papai.

Terminamos o episódio com os agentes se questionando se era certo ou não continuar a seguir as tatuagens, Kurt contando a sua irmã sobre Taylor, descobrimos assim que seu pai estava preso há 25 anos, acusado de ter assassinado a mesma, e bem no finalzinho, temos Jane no apartamento, tendo sua boca tampada pelo barbudo misterioso que surge from the nowhere. Esta série está cada vez melhor!

Nenhum comentário

Adicione o seu

Tags Blindspot