Como a sequência do livro de The Handmaid’s Tale afetará a série de TV?

Testaments, continuação de The Hadmaid’s Tale, será lançado em setembro

A série The Hadmaid’s Tale tem um caminho intrigante a partir daqui. Como Game of Thrones provou, quando uma adaptação foge do seu material de origem, podemos encontrar problemas a frente. É necessário inventar, expandir… E mesmo que a adaptação tenha a “benção” do autor original, ela acaba tornando-se algo tratado como indesejado e não-canônico pelos fãs.

Quando O Conto da Aia chegou a TV, em 2017, a série acabou por cobrir todos os eventos do livro de Margaret Atwood. Já na segunda e terceira temporadas, as histórias foram expandidas e criadas originalmente para a atração do Hulu. Assim, entendemos mais do regime ditatorial da República de Gilead, bem como ensaiamos uma revolução das servas encabeçada por June (Elisabeth Moss).

Agora, que a atração já foi renovada para a quarta temporada, o público está se questionando como a sequência em livro irá interferir na história contada pela série? Ela terá alguma influência?

O que sabemos sobre Testaments, sequência de The Handmaid’s Tale?

Anunciado em novembro de 2018, Testaments é a sequência escrita por Margaret Atwood para o seu clássico moderno de 1985, The Handmaid’s Tale. A trama do livro se passará 15 anos após os eventos do romante original. O novo romance terá três narradoras femininas diferentes, embora suas identidades permaneçam em segredo. Essa notícia foi confirmada pela própria autora. De acordo com Atwood, a sequência foi inspirada por todos os leitores que já perguntaram “sobre Gileade e seu funcionamento interno” e pelo “mundo em que vivemos”, destacou. Portanto, o livro não vai percorrer os eventos contados na temporada 2 e 3 da série Hulu, uma vez que elas estão localizadas temporalmente logo após a história do livro original.

Margaret Atwood também revelou o motivo pelo qual resolveu escrever a sequência. “Passei 35 anos respondendo perguntas de pessoas. Achei que fosse hora de colocar isso em um livro e abordar algumas dessas solicitações“, disse ao LA Times.

Parte das decisões da administração de Donald Trump também inspiraram a autora. “Eu me senti os canadenses no livro. Ficava pensando, ‘que tipo de loucura ele vai fazer?’. Eu nunca vi nada tão parecido com o que escrevi, 35 anos atrás. É aterrorizante!“, exclamou.

Testaments by Margaret Atwood

Imagem utilizada como capa para Testaments, novo livro de Margaret Atwood.

Testaments não será a primeira “inserção” de Awtood desde The Handmaid’s Tale

Em 2017, uma edição “aprimorada” da história foi lançada em um “livro áudio”. Nessa edição, houve adição de músicas entre capítulos – representando as fitas em cassete na qual Offred gravou sua história, no romance original. Além disso, a autora estendeu o epílogo.

Originalmente, o romance de The Handmaid’s Tale termina com a “transcrição” de um trabalho de conferência fictício apresentado por um pesquisador acadêmico que estuda Gileade, 200 anos após os eventos da história. É um texto satírico que concluiu com a frase “Alguém tem alguma pergunta?”. Na edição de 2017, perguntas são feitas. Os membros da audiência – um com a voz de Margaret Atwood – perguntam ao orador, o Professor James Darcy Pieixoto, uma série de pontos sobre seu trabalho.

Além disso, sobre o funcionamento de Gileade. Durante a sessão de perguntas e respostas, há até uma menção da descoberta histórica do diário de bordo da tia Lydia, que acabou se revelando uma farsa. Mais tarde, a sessão termina com uma provocação para a continuação. Assim,o Professor diz ao seu público: “Espero poder apresentar os resultados de nossas futuras investigações Gileadianas em uma data futura”. Isso, portanto, irá acontecer no novo livro.

Afinal, qual a relação de Margaret Atwood com a série de TV?

Atwood é uma produtora e consultora na adaptação do Hulu para a TV. Entretanto, isso não significa que ela tem a palavra final sobre o que acontece na série. Ela revelou essa informação ao Toronto Life em abril de 2017. Mas ela garantiu que faz parte das conversas. Bem como é a única pessoa que sabe o que os personagens “tomaram ontem no café da manha. Eu sou a consultora de história.”.

O showrunner Bruce Miller disse ao Hollywood Reporter, em janeiro de 2018, que Atwood “desempenha um papel enorme” na série como “a mãe de todos nós“.

“Ela estava na sala dos roteiristas no início da temporada“, disse Miller sobre a segunda temporada. “Nós estivemos conversando e ela está lendo tudo. Ela está muito envolvida. Ela é nossa estrela guia e sempre será.”.

O objetivo da equipe, ele explicou, é “garantir que o fator Atwood na série fique na frente e no centro. Apesar de estarmos indo além da história que é abordada no livro, de certa forma, ainda estamos muito no mundo de The Handmaid’s Tale, de Margaret Atwood.”.

Margaret Atwood

Margaret Atwood, autora de The Handmaid’s Tale. Imagem: Divulgação/Imdb.

The Handmaid’s Tale continuará a se desenvolver a partir do livro

Embora a série tenha ultrapassado o livro, muitos elementos ainda estão sendo utilizados. Na segunda temporada, por exemplo, é mostrado a primeira “Prayvaganza”. Este é um momento em Gilead, mostrado no livro, em que meninas de até 14 anos se casam com homens em uma cerimônia em massa.

Já na terceira temporada, os telespectadores testemunharam pela primeira vez o ato de “participação” por enforcamento, conforme descrito no romance. Na cena, várias servas puxam cordas unidas a um conjunto de força, como uma forma de “salvamento”. Também na terceira temporada, June descobre e grava uma mensagem em uma fita no porão de sua última postagem, como uma referência às fitas em que o testemunho original de Offred foi descoberto no romance.

Portanto, mesmo que o conteúdo do livro tenha se esgotado, certamente continuaremos a ver mais elementos inéditos do romance na série.

Testaments tornará a escrita da série um tanto difícil

Falando ao The Independent sobre a relação entre o romance original e a adaptação para a TV, o showrunner Bruce Miller citou Testaments. “Mas agora Margaret está escrevendo uma continuação”, ele disse, concordando que isso tornaria tudo “interessante”.

“O grau de dificuldade era 10 e agora somamos mais 10”, disse Miller. Navegar pelo mundo expandido de Gileade que ele e sua equipe criaram, enquanto tentarão permanecer fiéis à visão que Atwood trará em Testaments, será um ato de equilíbrio.

The Handmaid's Tale

Eventos da série terão de andar em mais sincronia com o futuro mostrado em Testaments. Imagem: Hulu/Divulgação.

Quantas temporadas The Handmaid’s Tale ainda vai durar?

A quarta temporada estreará nos Estados Unidos, pelo Hulu, provavelmente em 2020. Porém, há um planejamento de mais SEIS temporadas depois disso. Pelo menos foi o que Miller disse ao The Hollywood Reporter, em 2017. Na época, ele disse que havia planejamento arcos para 10 temporadas. Mas, posteriormente, chegou a afirmar que não tinha um alvo determinado para contar suas histórias.

“As temporadas poderão ficar mais curtas também. Isso pode tornar tudo mais interessante.”, disse ele. Miller disse ainda ao Mashable que ele quer levar a história até a versão de Gilead dos “Julgamentos de Nuremberg” após a queda do regime, quando Serena e o Comandante Waterford são forçados a responder por seus crimes. “No entanto, podemos continuar por um longo tempo”, prometeu.

E você, acha que The Handmaid’s Tale deveria durar muito mais tempo? Fique de olho no Mix de Séries para mais novidades sobre a série.

Com informações, Den of Geek.
Anderson Narciso

Anderson Narciso

Mestre em História, apaixonado por mídias, é o editor responsável e idealizador do Mix de Séries. Eterno órfão de Friends, One Tree Hill e ER, acompanha séries desde que se entende por gente. No Mix é editor de colunas e de notícias, escreve a coluna 5 Razões e resenha a série Gotham.

No comments

Add yours