Crítica: Once Upon a Time prova sua velha teoria sobre vilões no 7×19

Imagem: ABC/Divulgação

Continua após a publicidade

É incrível como conseguimos nos apegar em poucos momentos ao que a pessoa era antes de se tornar má…

E não é que a terra sem magia, pelo jeito, tinha muita mágica? Com essa revelação de milhares de anos atrás, também veio a do passado de Eloise Gardner, a Mãe Gothel, ou para sermos mais íntimos, a Mãe Natureza. A velha teoria, que já é mais um círculo vicioso, de que ninguém é mau por natureza é comprovada e o sofrimento dela, fruto de homens e mulheres ruins vai à flor da pele. É por isso também que a falta de magia no nosso mundo é explicada em um belo momento da série para grande reflexão.

Descobrimos também o porquê de Gothel estar formando o Coven das bruxas. E para isso ela precisa recorrer à sua filha Alice e Rogers, o Nook. Incrível como as relações de mãe e filha são sempre assim, estremecidas. Essa em especial, de forma catastrófica. E desse modo, mesmo sem saberem de seus passados e a vida na Terra dos Contos de Fada, esses personagens agora mergulham em um mundo de magia e de maldade. Tudo um plano de vingança de Eloise Gardner.

O beijo de amor verdadeiro não fez o efeito esperado. E acredito que a Gothel sabia disso desde o começo.

Henry e seu passado começaram a ser explorados. Com pouco tempo para isso, quem já viu a promo, sabe que teremos flashbacks decisivos sobre a vida e a morte na próxima semana.

Dessa vez, o autor terá Jacinda e Lucy ao seu lado. E faço justiça ao mencionar que a “descoberta” e aceitação da Jacinda sobre ela ser a Cinderela foi emocionante. Ela nunca foi minha queridinha, mas olha, tiro o chapéu. Mandou muito bem! Um beijo nunca demorou tanto para acontecer em pelo século XXI.

Alice continua sendo o centro das atenções e Regina mais parece uma participação especial. Não sei ainda o que pensar sobre isso.

São só três episódios e cadê a dona da série? Ela foi ficando de lado para vermos os novos personagens e perdeu espaço. Muito espaço. Não gostei disso e reivindico que os próximos capítulos sejam dela. Ela merece! Mas em contrapartida, bom ver o aproveitamento da Alice. Ela, sim, é uma grata surpresa e o modelo ideal de quem valeria fazer um spinoff.

E vamos que vamos. Ansiosos para ver como essa história acaba? Confesso que estou sim!

GOTHEL, A ESTRANHA: Essa cena, tipo Carrie, a Estranha, o que foi aquilo? Foi muito bom! Façam mais, porque foi pouco!

Equipe Mix

Equipe Mix

Perfil criado para realizar postagens produzidas pela equipe do Mix de Séries.

No comments

Add yours