Crítica: 3×02 de Shooter destaca passado do Swagger e deixa clara tensão em torno da Atlas

Imagem: Divulgação/Canal USA
Imagem: Divulgação/Canal USA

A coisa não acabou no senador. A Atlas é gigante” – Gregson, Patrícia

Uma das coisas que sempre admirei no personagem de Bob Lee é a sua capacidade de raciocinar rapidamente. O capítulo dessa semana reforça essa qualidade do sniper e prova que às vezes é necessário sim reviver traumas passados para que seja feita justiça. E o Earl Swagger, pai do protagonista, está no centro das atenções, pois seu filho resolveu tirar a limpo sua morte. Tudo graças a revelação do Solotov que inquietou o rapaz. Então, trinta anos depois, partiu buscar respostas para este assassinato.

Continua após publicidade

Como Solotov deixou claro, os Swaggers têm tudo a ver com a Atlas. E a coisa parece ser real, pois não havia muita razão para a morte do Earl ser tão despropositada como pareceu ser na lembrança do Bob Lee. Agora adulto e um atirador de elite, ao ouvir os momentos finais da vida do pai, constatou que o tiro que o matou não havia sido do bandido odiado por ele a vida toda. Foi um sniper quem proferiu a bala, o que faz a coisa ser ainda mais interessante para a trama desenhada para esta terceira temporada, que mexe com o passado como nenhuma outra.

Continua após a publicidade

Nadine, Isaac e Harris com a Patricia Gregson. Quão improvável isso parecia ser?

Muito! Eu mesmo respondo essa questão. Não que o trio não tenha saído bem em tela. Aliás, como sempre destaco quando tenho oportunidade, Gregson é uma das personagens das quais mais gosto, pois sua maldade é sutil e o modo como executa suas artimanhas é digno de nota. E é claro que agora que se bandeou para o lado negro da força, Nadine, junto ao Isaac, iria procurá-la. Uma boa sacada para fazer uma investigação perigosa se tonar ainda mais letal para todos, que envolvendo o pobre Harris, descobrem serem parte da “lista de morte” da Atlas.

Continua após publicidade
Continua após a publicidade

Essa investigação vagarosa e minuciosa deve apresentar novos rostos para este lado da série. Já que este lado ainda não está no mesmo caminho do Bob Lee, por hora, o núcleo do lado da ex-agente Memphis precisa de novos personagens. A menos, é claro, que suas evidências apontem diretamente para o Earl Swagger e ele apareça de alguma forma neste emaranhado de provas que o senador tenha deixado. Aposto um balde de pipoca que o Earl tinha algo nessa confusão. Talvez ele estivesse investigando… enfim, muito cedo para isso ser provado.

Continua após publicidade

Precisamos falar sobre sutilezas que fazem Shooter ser uma série de tirar o chapéu.

Imagem: Divulgação/Canal USA

O que foi aquele tiro do Bob Lee para libertar o cão? Olha como uma cena tão simples como aquela pode servir para provar seu poder de ataque. Assim que tinha batido o olho naqueles meninos, tinha certeza de que ele daria um jeito. Lembro de ter lido uma crítica uma vez que disse que a série faz apologia às armas e que só aficionados iriam se entreter. Mas a grande sacada é perceber que elas são importantes sim, porém o protagonismo fica por conta de quem está por de trás delas.

Que tiro foi esse: “Surpreso por ter seu nome nesta lista? Minha surpresa é meu nome ser só o quinto” – Patrícia Gregson (e como eu amo essa ironia <3).
Que tiro foi esse que tá um arraso: Isaac está sendo um sangue frio necessário para o lado da Nadine. Está aí uma utilidade para o hora-extra.