Gotham – 3×16 – These Delicate and Dark Obsessions

Imagem: Youtube/Reprodução

Ora, ora, temos um episódio de Gotham muito bom por aqui… Aí eu vi vantagem! Após semana passada, com uma reintrodução da temporada para seu arco final, já estava esperando que a série retornasse à sua montanha russa de altos e baixos, mas me surpreendi com um episódio extremamente envolvente e com bom roteiro.

Após o sumiço de Nygma, Gordon voltou a sua total atenção para a Corte das Corujas, e a reconexão com o seu tio Frank. Confesso, estava com o pé atrás, afinal esse tio do Gordon estava completamente imerso às ordens da Corte – vide a votação no começo que permitiu o ataque à Gotham City. Mas Frank mostrou-se leal as seus ideais, ou pelo menos arrependido de seus atos, uma vez que Jim descobriu ter sido ele o mandante da morte de seu pai – tudo, claro, por um propósito maior que era derrubar a Corte.

Achei o suicídio um pouco forte, mas necessário para incluir Jim dentro da Corte. A trama com Falcone foi também desnecessária, meio que um “enche linguiça” para Jim chegar ao verdadeiro mandante. Mas também serviu de ponte para as cenas do detetive com Lee, que está neste luto “lenga-lenga”, que ninguém merece. Porém, eu acho que Jimbo e Lee não voltarão a ficar juntos novamente. Ela parece bastante amargurada e acho que o amor dela por Jim já não existe mais. Uma pena, pois eu adorava esses dois juntos.

Um outro plot que eu adorei neste episódio foi o de Bruce. Ele está em uma espécie de templo, que é a cara do Ra’s Al Ghul. Ele não se identificou, claro, mas já sabemos que tudo ali pertence a ele. Levar Bruce aos acontecimentos daquela terrível noite trouxe um olhar de medo para o garoto, medo que precisávamos ver no garoto, afinal é isso que o guia a se tornar Batman. Ele estava “confiante” demais. Era preciso que este medo fosse colocado para fora e fosse trabalhado. Podemos dizer que o processo para ele se transformar no Cavaleiro das Trevas começou, embora ainda vá levar alguns bons anos para ele se tornar o Homem Morcego.

O plot do Pinguim foi bem interessante. Gostei de sua dinâmica com a Ivy, mas estão jogando Oswaldo em um plot que ele insiste em protagonizar desde a primeira temporada, em uma espécie de círculo: Ele sofre, se alia a alguém, derruba o inimigo, se torna poderoso, depois ele é traído, derrubam, ele sofre, se alia alguém, derruba esse novo inimigo, até virem novamente atrás dele. Ufa, cansou. Pois é, esse é o círculo de Oswald. Mas, honestamente, dentre o marasmo que estava Gotam, quem liga? Quero mais é que ele se alie à Ivy e vá atrás do Charada. A gente adora uma briga de vilões.

O episódio terminou com Jim encontrando a Corte: será que ele fará parte, para a destruir a partir de dentro, como fora planejado por seu tio? E Bruce, ficará nesse templo desconhecido por quanto tempo? Cadê Alfred não se dando conta que o garoto que está com ele é um clone?

Muitas perguntas, mas confesso, voltei a ficar animado com Gotham!

 

Tags Gotham

Share this post

Anderson Narciso

Anderson Narciso

Mestre em História, apaixonado por mídias, é o editor responsável e idealizador do Mix de Séries. Eterno órfão de Friends, One Tree Hill e ER, acompanha séries desde que se entende por gente. No Mix é editor de colunas e de notícias, escreve a coluna 5 Razões e resenha a série Gotham.