Legends of Tomorrow – 2×04 – Abominations

bloggif_5826349d32cf4

Imagem: Banco de Séries

Fiquei muito surpreso com a capacidade de Legends of Tomorrow essa semana. Quem viu a série se desenvolver ano passado, em meio a episódios fracos e sem contexto, nunca imaginaria ver algo tão bem trabalhado. Toda a crítica à luta dos negros na sociedade veio arrebentando paradigmas e instalando um tempo de mudanças em LoT. Até mesmo a questão dos zumbis, que eu acreditei ser muito pior do que realmente foi, não foi suficiente para desmerecer o sucesso do episódio. Aos roteiristas e produtores, o meu mais sincero obrigado pelo presente.

Jackson nunca foi um grande sucesso na série. Sempre víamos ele aprendendo coisas novas com Martin, ou então sendo divertido e irônico em alguns momentos. Mas dessa vez pudemos realmente perceber o orgulho do personagem pela suas raízes. A forma que abordaram a escravidão durante a guerra civil foi incrível. Todo o sofrimento dos negros, a união conta um bem comum, tudo foi muito bem apresentado. No fim, o discurso dele a favor da liberdade, recordando um pouco seu passado em Central City, foi inspirador e digno de confiança em relação ao trabalho desenvolvido pela série.

Continua após a publicidade

bloggif_582634ac07a8c

Imagem: Banco de Séries

Já que trouxeram os zumbis para o passado americano, o mínimo que poderiam fazer é trabalhar em cima disso corretamente. A referência a TWD foi bem cômica, mostrando a presença e sucesso de outras séries no universo. O plot inicial da nave pirata poderia ter sido melhor abordado, com a captura do cara que estava lá dentro. No meio de todo esse contexto, resolveram aproximar ainda mais Nate e Sara, e isso está me deixando empolgado e preocupado. Os dois tem química em cena, assim como Sara e Snart tinham, mas o histórico nos indica perigo quando envolvemos demais Sara nesse contexto. E para perder nossa assassina badass para um plot meia boca, é melhor deixar como está…

Depois que perder sua armadura, Ray ficou meio deslocado no grupo, e com razão. Apesar da superinteligência, ele se resumia a basicamente ser o Átomo. Não há mais o que fazer sem seu traje de luta. Certo?? Errado. Ray sempre foi um personagem que eu gostei de ver em cena, pela maneira como resolve as coisas. E a amizade dele com Mick é algo tão inesperado e tão incrível que me empolga ainda mais. Claro que ele não irá substituir Snart, do mesmo modo que sua armadura não ficará longe por muito tempo. Mas é interessante ver essa transição de superação à morte do antigo senhor do gelo, sem deixar sua memória perdida e isolada pela série.

Um belo episódio, dirigido de maneira coesa e que me empolga muito em relação ao futuro da série. Esperava ter um total fracasso e fui bem surpreendido. Estamos cada vez mais próximos do grande encontro entre as séries heroicas da CW, e creio eu que LoT fechará com chave de ouro. Espero que vocês tenham gostado e nos vemos semana que vem, até lá 😀

Lucas Franco

Lucas Franco

Mineiro, Escorpiano, 20 Anos, Estudante de Medicina. Direto do Arkham Asylum para o Mix. Eterno fã de Chuck, E.R. e Friends (RIP). Por entre as madrugadas vive a dualidade dos estudos e das séries. No Mix, escreve as reviews de Quantico, The Good Doctor e Legends of Tomorrow.

No comments

Add yours