Nada Ortodoxa: a história real que inspirou a série da Netflix

Nada Ortodoxa Série Netflix

Nova série da Netflix, Nada Ortodoxa é inspirada em história real

A nova série limitada da Netflix, Nada Ortodoxa (Unorthodox), estreou no Brasil nesta quinta (26), mas já está fazendo sucesso. A produção conta a poderosa história de uma mulher que foge de sua estrita comunidade hassídica no Brooklyn para viver uma vida secular em Berlim. E acreditem: a série é inspirada por uma história real.

Continua após as recomendações

Essa produção da Netflix é baseada no livro de memórias de Deborah Feldman, de 2012, e, embora as produtoras da série Anna Winger e Alexa Karolinski tenham tido algumas liberdades criativas com a história, a jornada que a protagonista Esty (Shira Haas) vive é amplamente fiel à vida de Feldman.

De acordo com um perfil publicado pelo New York Times, Feldman nasceu em uma seita judaica hassídica de língua iídiche fundada no Brooklyn por sobreviventes do Holocausto, após a Segunda Guerra Mundial. A comunidade estava fundamentada na crença de que o genocídio de Hitler foi o castigo de Deus pela assimilação dos judeus europeus. A fim de evitar novas tragédias, Feldman foi ensinada de que os judeus devem viver separados da sociedade e obedecer às regras religiosas mais conservadoras. Isso levou Feldman a ter uma infância bastante repressiva: aos 17 anos, ela foi casada com um homem que mal conhecia. Ela tinha 23 anos quando decidiu pegar seu filho e fugir.

Continua após a publicidade

Drama real

“Duvido que tenha sido uma surpresa para alguém deixar a comunidade hassídica“, escreveu Feldman no The Guardian em 2010. Ela descreveu a experiência destacando pequenas coisas, como usar esmalte transparente e delineador sutil e andar de metrô em Nova York.

Sua atividade mais ilícita era se esgueirar para a biblioteca para ler livros ingleses proibidos como Little Women, Anne of Green Gables e Jane Austen – histórias sobre jovens que têm a determinação de traçar seu próprio caminho na vida. “Eu queria ver o mundo, usar jeans, dirigir um carro, aprender a tocar piano – todos os quais eram sonhos impossíveis para uma mulher das minhas circunstâncias“, escreveu ela.

Esses traços, certamente, foram envolventes o suficientes para chamar a atenção da Netflix. Assim, a trama vivida de verdade passou a compor páginas dos roteiro de uma nova série.

Depois de deixar sua comunidade em 2006, Feldman estudou na Sarah Lawrence College, em Nova York. Ela escreveu no The Guardian que naquela época estava “consumida por uma obsessão por tudo que eu sabia ser pecaminoso“, o que significava ir a clubes, beber cerveja, flertar com garotos, fumar cigarros, xingar e comer carne de porco. Depois que sentiu que havia “tentado o suficiente do que havia sido proibido”, interessou-se por política, teoria feminista e filmes independentes.

Construindo uma história envolvente

Feldman e seu filho só se mudaram para Berlim depois que ela publicou seu segundo livro de memórias, Exodus, em 2015. Essa é uma das principais mudanças na adaptação da Netflix: em Nada Ortodóxa, Esty corre diretamente para Berlim.

Com as bênçãos de Deborah, fizemos muitas mudanças“, explicou Karolinski, que cresceu em Berlim, ao The Times of Israel (via Bustle). “Trouxemos Esty para Berlim para poder falar sobre como seria para um judeu Satmar fugir para o país de origem do Holocausto e refletir sobre como Berlim é construída sobre o trauma e como a história se arrasta por tudo o que existe lá“.

A história de Feldman tinha tudo, exceto um vilão. Então, a roteirista Anna Winger mudou uma parte da perspectiva dos quatro episódios para o marido de Esther, Yanky (Amit Rahav). Como ele é um verdadeiro schlemiel e simpaticamente intermitentemente, Winger inventou o mais duro Moishe (Jeff Wilbusch) na viagem em recuperar Esther para trazê-la de volta. Sua presença implica implicitamente um uso “da força, se necessário”.

A diretora Maria Schrader também disse ao Times de Israel que, embora essa seja uma história de uma mulher rejeitando suas raízes religiosas, elas “evitaram qualquer oportunidade fácil de julgar um modo de vida específico, mesmo que seja estranho ou perturbador para muitos”. O resultado é uma exploração sutil da busca de independência por Esty – bem como a que Feldman embarcou todos esses anos atrás.

Nada Ortodoxa

Com o título em inglês Unorthodox (Nada Ortodoxa, no Brasil), a série começa como qualquer outra missão de fuga ousada: uma mala arrumada, um plano metódico que deu errado, e uma exposição por pouco evitada. Mas Esther Shapiro, interpretada por Shira Haas não é agente secreto nem uma ladra em fuga. Ela é uma judia hassídica que vive no bairro de Williamsburg, no Brooklyn, que está escapando para Berlim. Se ela entendia que era uma espécie de fuga de prisão, está apenas fazendo isso no sentido mais estritamente metafórico. Em menos de um ano, Esther sufocou-se em um casamento arranjado sem amor e, aos 19 anos, ela quer uma segunda chance enquanto ainda é jovem.

Todos os episódios da série estão disponíveis na Netflix. Confira o trailer abaixo.

 

 

Anderson Narciso

Anderson Narciso

Criador, editor e redator do site Mix de Séries, é apaixonado por séries desde sempre. Fã incondicional de One Tree Hill, ER, Friends, e não perde um episódio da Franquia Chicago.

1 comment

Add yours
  1. Milagre na Cela 7, sucesso da Netflix, é uma história real? Confira - Mix de Séries 14 abril, 2020 at 12:16 Responder

    […] Nada Ortodoxa: conheça a história real que inspirou série da Netflix […]

Post a new comment