New Girl – 4×07 – Goldmine

New Girl

Continua após as recomendações

Parece que os bons tempos voltaram para ficar! Nos quatro primeiros episódios, quando eu estava beirando a desistência, nunca pensei que diria isso, mas que temporada linda. Claro, se levarmos em conta somente os três episódios mais recentes e confiando que manterão o nível daqui em diante. Desconsiderando os problemas sequenciais e algumas situações pouco críveis (morar com o ex, quem nunca?), a série vem cumprindo perfeitamente seu propósito de fazer rir, e os personagens voltaram às suas respectivas essências. Mais um episódio que mostra exatamente o jeito New Girl de fazer comédia, que a sagrou como grande revelação do gênero três anos atrás.

Nesse episódio, finalmente trouxeram à tona o grande problema que cerca Nick e Jess e que eles estavam insistindo em ignorar: morar com o ex. Para Nick, a situação é uma mina de ouro (por isso o título do episódio), já que só o que lhe interessa são as one-night stand, então ele usa essa situação desfavorável para afastar as ficantes logo após conseguir o que queria. Já para Jess, é o oposto. Como o próprio Nick lhe disse, é praticamente impossível que ela encontre um namorado decente enquanto existir esse empecilho. Aiás, acho pouco convincente esse incentivo que um dá ao outro com novos pretendentes, principalmente por isso estar acontecendo bem diante deles e não lhes parecer nem um pouco desconfortável. Acho bem irrealista. Por mais desencanados que eles possam ser, por mais que tenham superado completamente os sentimentos que tinham um pelo outro e por mais que a série seja uma comédia que não tenha tanto a obrigação de prezar por esse tipo de realismo, é bastante incoerente. Nem entre Cece e Schimidt, que tiveram um relacionamento consideravelmente mais curto e, principalmente, descompromissado, existe essa tolerância. Por outro lado, seria desgastante acompanhar todo o drama pós-término pertinente à situação, então podemos relevar em favor de um melhor desenvolvimento cômico e narrativo da temporada. E se não insistirem nessa mania de abandonar no episódio seguinte os plots iniciados no anterior, essa questão de morar com o ex pode render. Por mais lamentável que seja a possibilidade de um dos dois deixar o apartamento, é um acontecimento cabível.

Continua após a publicidade

E dentro dessa camaradagem entre Nick e Jess, surgiu um dos ápices cômicos dessa temporada: Nick fingindo ser gay. Citando a situação dessa forma, parece ser algo semelhante ao que já vimos em outras séries, mas dificilmente com a naturalidade e improvisação que a interpretação pouco convincente de Nick incluiu. Só o “my friends call me Gay Nick” e o discurso de aceitação do Schmidt com a redução dos seios de Cece, que acabou soando como forma de reconciliação entre ele e Nick como casal, que incluiu até beijo, já valeu todo o plot. Sem contar que eu estava sentindo falta de um dos meus personagens masculinos preferidos das comédias (Nick), que há muito não estava sendo digno desse posto, mas finalmente resgataram.

Quanto à Schmidt e Cece, parece que a série ouviu nossas preces e deu pelo menos uma sequência de dois episódios para trabalhar a volta ao âmbito romântico da relação dos dois. Nesse foi puxado mais para o lado estritamente cômico, mas teve seus momentos mais “sensíveis” (vide: “I’m always gonna love you [boobs], because you’re attached to the most beautiful person in the whole world”). E por falar em ápices cômicos da temporada, o que dizer da conversa de despedida do Schmidt com os seios da Cece? Aliás, toda essa situação foi absolutamente hilária. Uma ideia surgida do nada e desenvolvida de forma completamente criativa, inclusive inserida nos demais plots, foi realmente admirável e digna de figurar nos melhores momentos de toda a série. Os cinco estágios do luto pela redução dos seios foi impagável.

A única parte que ficou aquém das demais, foi a que envolveu Winston e Coach. Ambos claramente ainda não se encontraram na temporada, sendo que Winston até decaiu significativamente, levando em conta que foi ele o responsável por boa parte da graça da temporada anterior, nem essa função está conseguindo exercer. O Plot foi realmente dispensável, tanto que eu mal percebi onde começou, onde terminou e qual era o propósito. Só teve graça quando Schmidt entrou em cena, ainda falando sobre os seios de Cece, parecendo se referir à Winston e Coach.

Algo que foi imediatamente percebido e lamentado no episódio em questão, foi que o novo caso de Jess, Ian, significava que o interesse despertado pelo professor bonitão no episódio cinco, era um dos plots que caiu no costumeiro desprendimento da série com continuação. Mas tenho o prazer de informar que ele estará de volta! Isso segundo imagens divulgadas do episódio que está por vir. Então poderemos, sim, contar com essa promissora situação a partir da semana que vem. Mais um indicador de que a série está trabalhando suas deficiências. Com isso, só me resta afirmar uma coisa: New Girl está de volta! Só não vou dar cinco estrelas, como não fiz com os dois anteriores, para dar margem à melhoras ainda mais significativas, já que ainda existem elementos a serem aprimorados.

Nenhum comentário

Adicione o seu

Tags New Girl