O piloto de The Affair

The-Affair

Continua após publicidade

 

Continua após a publicidade

The Affair pode ser considerada a estreia mais ousada de 2014. Criada por Hagai Levi (a mente por trás de BeTipul, produção israelense que gerou In Treatment e Sessão de Terapia, remake americano e brasileiro, respectivamente), The Affair é escrita por Sarah Treem, uma das roteiristas de House of Cards. Produzida pelo Showtime, canal fechado que costuma apresentar séries controversas e polêmicas, a série promete conquistar o público com uma história aparentemente simples, embasada no ponto de vista dos personagens centrais.

Continua após publicidade

A trama é a seguinte: Noah (Dominic West, de The Wire e The Hour) é um professor que sonha em ser um escritor reconhecido pelo público e crítica; ele é casado com Helen (Maura Tierney, Newsradio) e tem quatro filhos. O outro casal é formado por Allison (Ruth Wilson, de Luther) e Cole (Joshua Jackson, Fringe). Morando em uma singela casa de praia, os dois tentam superar a morte do filho. As histórias se cruzam quando chega o verão e a família de Noah vai passar as férias na casa do sogro, que fica na mesma região litorânea onde moram Allison e Cole. Depois de entrar no restaurante onde Allison trabalha, Noah se apaixona pela moça. É aí que começa o affair.

O trunfo da série, porém, é o modo como a história é contada. O piloto é dividido em duas partes: na primeira, conhecemos Noah e sua família e presenciamos os fatos sob o ponto de vista dele. Na segunda metade do episódio acompanhamos a história de Allison, analisando os fatos sob o ponto de vista dela. A história é narrada pelos dois personagens em um interrogatório policial; não sabemos o que aconteceu. Alguém morreu? Alguém se machucou? A única coisa que sabemos é que o casal de amantes está ali, depondo, justamente por terem um envolvimento amoroso.

Continua após publicidade

 

The-Affair-Season-1-Cast-Promotional-Photos

 

O grande barato de The Affair é que os detalhes mudam conforme o ponto de vista. Quando Noah vê Allison pela primeira vez, enxerga na simples garçonete uma femme fatale, uma mulher sensual com sorriso envolvente, cabelos soltos e pele perfeita. Aos olhos do sujeito ela é uma deusa, uma mulher fora de seu alcance. Quando acompanhamos a história sob a perspectiva de Allison, porém, algumas coisas mudam: ela claramente é uma mulher triste, com cabelos presos e mal cuidados; seu rosto aparece manchado e a maquiagem em seus olhos revela-se borrada. É uma mulher comum, cheia de problemas e com um passado de tristezas. Para o Homem, ela é linda; na concepção de si mesma, porém, é uma simples garçonete que não sabe seguir em frente com a morte do filho.

E as brincadeiras entre os pontos de vista continuam. Sob o olhar de Noah, Allison veste um vestido sensual enquanto descansa na areia da praia e contempla o mar. Na versão dela, porém, está vestida com um short discreto. Na história do Homem, a Mulher despe-se sem pudor e toma banho sob o olhar envergonhado do sujeito. Na versão da Mulher, por outro lado, isso nunca acontece. E assim vamos acompanhando e ligando os pontos. Ao fim, percebemos que fazemos o papel do policial que ouve os depoimentos e tenta achar a verdade. Uma das histórias é mais ou menos verdadeira que a outra, ou as duas podem unir fato e calúnia com a mesma proporção. Resta ao espectador tirar suas conclusões e tentar adivinhar o que aconteceu, o que levou aquelas pessoas a chegarem ali e contarem suas próprias histórias.

The Affair, portanto, poderia ficar limitada à trama simples (homem conhece mulher e têm um caso), mas se torna uma enorme teia de acontecimentos, verdades e mentiras. Tudo, claro, devido a dois fatores principais: o roteiro impecável de Treem e o fabuloso elenco. Ruth Wilson está excelente como Allison, uma mulher cheia de segredos e angústias. Joshua Jackson surpreende pela entrega ao personagem e promete ser uma das melhores coisas para se acompanhar na série. É um trabalho de elenco fantástico, já que as performances mudam conforme o ponto de vista; todos são bons e ruins. Todos são felizes e tristes. As coisas variam conforme o olho de quem vê. No caminho, portanto, a série não brinca apenas com a percepção dos personagens, mas com a visão do próprio espectador.

Não posso afirmar se a série continuará tão boa como se mostrou no piloto. A única coisa que sei é que o primeiro episódio é uma das melhores coisas que pude assistir em 2014.