Preacher – 1×03 – The Possibilities

Imagem: Arquivo Pessoal/Richard Gonçalves

Imagem: Captura de Tela/Reprodução

 

Mais uma semana, mais um episódio de Preacher… e desta vez, essa reticência não é mais tão experimental ou tão tediosa quanto a anterior. “The Possibilities” quase que como se fosse para atender a minha queixa anterior, mesmo sem diminuir completamente o ritmo, finalmente se propõe a aprofundar realmente a mitologia envolvendo Jesse Custer e seu novo “poder”.

Gostei muito que o Graal tenha sido “confirmado” como uma das forças atuantes, mais ainda porque Tulipa aparentemente faz negócios com eles também, o que estabelece uma boa base para futuros confrontos entre Jesse e a organização. Não há como não criticar o fato de que um dos acontecimentos mais importantes para explicar a dinâmica entre Jesse e Tulipa – ele (aparentemente) deixá-la para trás – tenha sido colocado só como mais um flashback, mais uma memória que a série, infelizmente, apressa.

Continua após a publicidade

Noutra parte da cidade, descobrimos finalmente que os dois agentes que tentaram capturar Jesse não eram, como imaginei a princípio, agentes do Graal, mas sim – teoria reforçada quando consideramos que eles não são clones e que eles voltaram a vida depois de Cassidy tê-los retalhado com uma serra elétrica – agentes do Céu, em busca de seu “prisioneiro” que fugiu, a.k.a. Genesis.

Mas enquanto o xerife lida com os falsos federais, noutra parte da cidade, Donnie Schenck tem uma das conversas pai e filho mais bizarras possível. É claro que Jack Loach não facilita a situação, já que ele já é uma criança bizarra, mas não esperava ver o “bunny man” querendo dar uma de pai do ano, se justificando com o garoto que pediu a Jesse para partir para a porrada com o próprio pai.

Parcelas menores da trama deixadas de lado, adorei o momento de Tulipa sendo parada pelo policial combinado com o momento de Jesse testando seus poderes em Cassidy. A narrativa dela, toda cativante, falando de Jesse sem realmente falar dele, apresentando uma situação tão real para ela quanto é possível ser, foi muito bom. Ruth Negga já havia provado saber fazer o tipo frio de vilã com sua Raina, mas não achava que ela fosse tão excelente como chaotic evil assim. Besides, ver uma garota lamentar para depois sair, ao melhor estilo badass – ao som de “Hangin’ Tree” do Blues Saraceno – é sempre um prazer.

Imagem: Arquivo Pessoal/Richard Gonçalves

Imagem: Captura de Tela/Reprodução

Mas as traquinagens da má moça são esquecidas quando, depois de brincar um pouco com os poderes, Jesse e Cassidy discutem um pouco mais sobre a origem desse poder. Confesso que não tinha rido tanto com a série até o momento em que Cassidy soltou o seu “Or, and it’s the least likely, but it’s my favorite scenario, you’re a Jedi.”.

A seção de quotes do nosso vampiro irlandês não acaba aqui. Matar a dupla que está a procura de Jesse pela segunda vez foi ótimo, mas nada se compara a perplexidade dele quanto ao fato de ter matado duas vezes as mesmas pessoas.Now, hold on. I killed you. How’d you do that?” vai para a galeria de verdadeiras pérolas da série.

No fim, quando pensávamos que Jesse e Tulipa finalmente sairiam em sua turnê de vingança, parece que o nosso Preacher só precisava entender mais sobre a natureza do poder que ele carrega. O episódio foi melhor do que o anterior, teve um tom de intensidade mais parecido com o piloto, o que já é uma vantagem. A série continua a ser uma incerteza, mas conseguiu avançar da maneira correta, desenvolvendo as tramas de maneira mais cuidadosa e realmente se preocupando em preencher as lacunas. Quem sabe Preacher não se torna o próximo sucesso da AMC.

 

P.S.: As brincadeiras com o letreiro da congregação de Jesse continuam a ser uma das (para não dizer a) coisa mais engraçada dos episódios. Ok, nesse episódio em particular  Cassidy se sobressaiu, mas não podemos contar com  isso sempre.

Tags Preacher
Richard Gonçalves

Richard Gonçalves

Estudante de Letras, apaixonado por quadrinhos, música e cinema. Viciado em séries desde sempre. Fã de carteirinha de Doctor Who, House, Battlestar Galactica, Sherlock, 24 Horas, The Borgias, Penny Dreadful, E.R. e Lost. Aqui no Mix de Séries é editor de reviews, além de escrever as reviews de Marvel's Jessica Jones, Marvel's Agents of S.H.I.E.L.D. e The Originals.

No comments

Add yours