Scandal – 6×05 – They All Bow Down

Imagem: Banco de Séries

“Engula isso e domine o mundo.”

Ora, ora. Por esse episódio ninguém esperava. Ou esperava? Talvez sim porque Jake Ballard é um dos suspeitos pelo assassinato de Frankie Vargas.  E nem vou ficar aqui fazendo a  Bidu dizendo que já tinha sido falado isso ou aquilo, até mesmo porque se você terminou “They All Bow Down” (6×05) entendo concretamente tudo o que rolou, pode entrar em contato para trocarmos uma ideia.

Seguindo do vai-e-vem temporal proposto já na premiere desta temporada, retornamos à época da campanha eleitoral para termos outros pontos de vista dos acontecimentos que culminaram na confusão que está. Uma outra camada do episódio ficou por conta de abordagem do relacionamento entre Jake e Vanessa, até então praticamente nada explorado. Desde então, falo aqui da premiere, Jake andava sumido da série, nos deixando com questionamentos sobre seu paradeiro. Lembram-se que ele chegou atrasado na reunião formada logo após os tiros terem sido disparados contra Vargas? Pois bem. Até que enfim alguém foi atrás disso.

Continua após a publicidade

Estava demorando para as investigações da OPA recaírem sobre o chefe do NSA, ainda mais agora que se sabia que Tom Larsen nada tinha a ver com o assassinato de Vargas tampouco o de Jennifer Fields, muito menos Cyrus Beene estava envolvido (mas isso só nós sabemos, né?). Tudo partiu de um jogo ainda mais problemático entre Olivia e Jake, elevando a passivo-agressividade a níveis altíssimos, trazendo à tona ressentimentos e rancores que um ainda nutre pelo outro. E como esses dois se conhecem! Estou para dizer que uma das relações mais cruas e rasgadas de Scandal é entre os dois irmãos (cof cof), os filhos de Eli e de Rowan, aqueles ali se despiram tanto de frente um do outro, e aqui não falo das preliminares do ato sexual, estou falando de mostrar o eu mais obscuro e profundo, aquelas vontades e ímpetos que só um compartilhou com outro, que não se acredita que um vá fazer mal ao outro, haja o que houver. Assim, né, desde que ninguém saia por aí matando pessoas, . Deve-se a isso, a essa relação turbulenta, toda as alterações de tratamento e humor demonstradas por Jake ao se reportar a Olivia ao longo do episódio, desde a tratá-la ironicamente por “chefe” até se compadecer com seu desabafo.

Em outras palavras, Olake está vivíssimo. Ainda que os dois nem se encostem mais nem se entreguem ao tesão ou a paixão, o vínculo que existe ali é muito forte e está longe de ser rompido. E, lançando uma polêmica, Olivia nunca teve isso com ninguém mais ali.

Imagem: Bando de Séries

Não é surpresa, portanto, que toda aquela sequência final do episódio não tenha passado de um teatro armado por Jake para revelar a Olivia que sua coleira, esteja ela comandada por Rowan ou pela própria Olivia, não está tão rente quanto se pensava. Mas que um lado perverso e doentio dele continua existindo, isso continua, pois estava nítido que Ballard estava se satisfazendo com a situação, havia um prazer embutido em seus olhos, um prazer de ter surpreendido seus “donos” e “chefes” pelo menos uma vez na vida.

O que nos leva a falar da relação que Jake está construindo com Vanessa. Mas antes gostaria de dizer que Jessalyn Gilsig foi uma boa incorporação ao elenco e rolou um bom entrosamento. Retomando a trama, a vontade era falar “miga, foge daí o quanto antes!” e torcer para a moça não continuar sua derrocada auto-destrutiva por causa do boy que não a quer. Porque não nem questão de ele estar com outra mulher, é que Jake nunca dará o que ela quer, ainda que ela não saiba o que quer de fato.

É aí que a deusa maravilhosa, padroeira da sinceridade, protetora das mulheres reprimidas e oprimidas, dá o ar da graça. Eu juro que fico com um aperto no coração por ter um pressentimento de que Mellie será a mais prejudicada nesse balaio presidencial – e Liv por tabela -, mas é impressionante a paixão, a convicção e o poder que ela exala todas as vezes que fala sobre o que está conquistando. Mellie, meu orgulho! Vanessa já tinha levado um solavanco de Olivia, com Mellie havia chegado a hora de ouvir um discurso auspicioso. Se ela não acordasse para a vida ali, não sei que horas o faria.

E digo mais, de fato, a dobradinha Mellie/Olivia tem sido uma das coisas mais enriquecedoras da série, essa combinação de força e empoderamento é de fazer os olhos brilharem e o mais incrível é que hoje elas sabem que são melhores juntas. E se o pressentimento da bomba estourando no colo das duas se concretizar, quero em igual intensidade as duas se reerguendo e botando Washington D.C. dentro do bolso.

Agora, é tanta reviravolta que eu, por exemplo, nem estou tão interessada assim mais em saber quem matou Frankie Vargas (Mentira. Quero sim). Estou mais interessada em saber quem é a dama de vermelho que deixou Eli caladinho e tremendo nas tamancas.

P.S.: Sally Langston, fica mais! A gente odeia te amar, ou ama te odiar. Dá igual.

P.S. 2: Fitz, você não fez falta. Obrigada. De nada.

P.S. 3: Quero imprimir o discurso de Mellie para Vanessa e pregar no espelho para ler todos os dias, porque sou dessas.

Tags Scandal
Melina Galante

Melina Galante

Produtora e realizadora audiovisual, no momento em processo acadêmico. 99% seriadora com aquele 1% noveleira. Divide as fases da vida em Buffy, a Caça-Vampiros, Gilmore Girls e Grey's Anatomy. Sua menina dos olhos, porém, é Penny Dreadful. No Mix de Séries escreve as reviews de Modern Family, Orange is the New Black, Scandal e o que vier.

No comments

Add yours