Shades of Blue – 1×02 – Original Sin

Original Sin

Imagem: Spoiler TV

 

Depois de uma estreia bastante positiva em todos os sentidos, desde o criativo até na audiência, o segundo episódio de Shades of Blue já expôs os problemas da série com maior intensidade, facilidade e também demonstrou que o roteiro possui, infelizmente, ideias bastante efêmeras e frágeis de serem sustentadas até pelos próprios roteiristas. Inclusive a própria Jennifer Lopez viu sua qualidade cênica cair um pouquinho, em razão da falta de uma perspectiva para a sua personagem.

A proposta de “Original Sin” é bastante simples e previsível, pois desenvolve basicamente tudo aquilo que já esperávamos que o roteiro fizesse após os acontecimentos do piloto – aumento das suspeitas de Wozniak (Ray Liotta), Harlee (Jennifer Lopez) se atrapalhando cada vez mais nas mentiras e o resto sem muito o que fazer em cena, infelizmente. Tais problemas já eram esperados, visto a proposta superficial que o seriado trouxe no seu piloto, mas não pensava que o encanto seria quebrado numa velocidade tão rápida como aconteceu aqui.

Continua após a publicidade

Shades of Blue Original Sin

Imagem: NBC/Divulgação

Diferentemente daquilo que assistimos no episódio anterior, Drea de Matteo teve uma participação maior, mesmo que tenha sido algo beirando o vergonhoso. De uma hora para outra vemos sua personagem agredir, violentamente, uma stripper (?!) e por fim tudo fica sem uma explicação ou algo parecido com isso. Não pense que estou pedindo para que tenhamos um roteiro didático, muito pelo contrário, quero apenas entender o que está acontecendo e também o que tal momento agregará para o crescimento de Tess, bem porque, vamos para o terceiro episódio e nada.

Ainda falando sobre personagens, temo que esse é um dos problemas que Shades of Blue mais terá dificuldade para corrigir, pois não temos aqui um elenco de apoio excepcional e muito menos um roteiro que se mostra disposto a desenvolver cenas fortes, densas e que exijam muito do ator. A coerência é outra coisa que me incomoda bastante, porque eu lhe pergunto – como é que um agente do FBI torna uma policial corrupta em uma informante, mas não possui superior, não segue nenhuma regra ou protocolo do órgão de segurança do governo?

A insistência nos conflitos éticos me incomoda profundamente porque parece ser o único debate que Shades of Blue mostra-se capaz de trazer, assim como a tentativa de fazer com que o telespectador entenda o porquê Harlee se corrompeu por meio de um flashback. Ora, se eu e você amamos um anti-herói no nível de Frank Underwood, pouco importa o que o levou a se tornar uma pessoa ruim, mas sim, o que virá em seguida, apenas.

Avatar

Bernardo Vieira

Catarinense e estudante de direito. Escrevo sobre entretenimento desde 2010, mas comecei com política internacional depois da campanha americana de 2016. Adoro uma premiação e um debate político, mas sempre estou lendo ou assistindo algo interessante. Quer saber mais? Me pague um café e vamos conversar.

No comments

Add yours