The Good Doctor – 1×08 – Apple

Imagem: TV Time/Divulgação (Reprodução)

Com críticas e situações cada vez mais próximas à realidade, a série retorna com mais um eletrizante episódio. Desde seu início, The Good Doctor vem apresentando grandes pontos da vida de internos em um grande hospital. Algo que pra muitos de nós que acompanhamos séries médicas, não é grande novidade. Contudo, o carinho do público se faz presente e isso repercute muito bem quando analisamos números. “Apple” foi o primeiro episódio a apresentar um raciocínio mais acelerado, principalmente pelas condições dos fatos. O plot principal do tiroteio conseguiu ser muito bem dividido em dois casos distintos e nos foi apresentado grandes momentos.

É até difícil saber por onde começar após assistir os quarenta minutos de adrenalina que nos foram concedidos. Mas vamos trabalhar como Jack, o Estripador e ir por partes. Um dos pontos auges do episódio foi a análise muito interessante feita sobre Claire e o nazista. Algo muito difundido dentro do curso e da profissão médica é a relação médico-paciente. Uma situação que muitas vezes não é tão simples, visto que as pessoas devem saber trabalhar muito bem seu lado humano e seu lado profissional. A garota saiu da situação com maestria e conseguiu equilibrar bem o caso, mesmo que aquele discurso no fim tenha sido tendencioso ao seu lado humano. Mas acredito eu que muitos de nós faria próximo ao que foi apresentado ou até pior…

Outro ponto que me chamou bastante a atenção foi a vida de Glassman. Seus momentos iniciais na pista de corrida me fizeram pensar que a série queria retratar a diferença entre um médico no início e no fim da carreira. A disposição pela manhã, os pensamentos de cada um. Contudo, não mencionaram nada durante o episódio e deixei isso para lá. Mas aquele fim com Jessica me despertou ligeiro interesse sobre a vida de nosso querido diretor. Claramente um acidente deve ter levado sua filha embora e ela devia ser grande amiga da advogada. Espero que destaquem um pouco mais disso no decorrer do fim da temporada.

Continua após a publicidade

Imagem: TV Time/Divulgação (Reprodução)

Shaun tem sua vida transformada após oito episódios. Para alguém que não suportava contato físico e que tinha dificuldades gigantescas de convívio no trabalho, a defesa de Melendez e o abraço de Lea são surpresas boas. Primeiro, comentando da relação com seu preceptor. Achei a ideia madura de colocar a confiança dentro da série. Ter Melendez como vilão não ia ser interessante pois é uma série que não tem o estilo good x bad guys. Claro que o mais clichê pode estar próximo, com Shaun cometendo um grande erro no fim da temporada e Glassman tendo seu posto de diretor do hospital ameaçado. Isso movimenta o drama da série. Contudo, gostaria muito que me surpreendessem cada vez mais positivamente. Nas últimas semanas presenciamos cenas incríveis, como a passagem do bisturi ou a sutura manual que dr. Murphy fez na cirurgia.

Abordando um ponto de confiança, foi interessante perceber o amadurecimento de Shaun com as pessoas de seu convívio. Ainda estou na eterna dúvida se o shipp será realizado com Claire ou Lea, mas acredito mais na amizade dos médicos do que um relacionamento. Pode ser que nos surpreendam, mas a vizinha tem todo o potencial para movimentar a vida do garoto com suas loucuras. Enfim, foi interessante ver como ele está mais sociável e aberto a novas amizades. A evolução dos personagens em uma série, principalmente como esta, é um fator importantíssimo. Outro ponto crucial da evolução, foi vê-lo assumindo seu erro, aceitando e parabenizando Dr. Kalu pela intenção cirúrgica. Realmente vemos um Shaun diferente por aqui!!

Se já não foi fácil conter a emoção até aqui, na próxima semana não vamos ser mais fortes. Casos pediátricos em que a vida da criança está em risco costumam abalar bastante as estruturas. Cada vez crescendo mais com o sucesso da série e orgulhoso deste trabalho. E vocês, o que acharam?? Não deixe de conferir as notícias e reviews aqui no Mix. Até a próxima semana… 😀

Lucas Franco

Lucas Franco

Mineiro, Escorpiano, 20 Anos, Estudante de Medicina. Direto do Arkham Asylum para o Mix. Eterno fã de Chuck, E.R. e Friends (RIP). Por entre as madrugadas vive a dualidade dos estudos e das séries. No Mix, escreve as reviews de Quantico, The Good Doctor e Legends of Tomorrow.

No comments

Add yours