Especial: 101 séries para se ver antes de morrer

101 1

As séries fazem parte das nossas vidas. São tantos episódios, personagens e histórias que nunca conseguimos decidir quais são as melhores. Além disso, nunca conseguiremos assistir todas as séries do mundo. Não importa o tempo ou a vontade que temos, pois jamais teremos o prazer de ver tudo o que queremos. Foi pensando nisso que, juntos, elaboramos uma lista com as nossas 101 séries favoritas. Mais do que decidir qual programa é melhor que o outro, nosso objetivo é indicar séries novas pra você, caro leitor. Logo, não encare este post como um ranking, mas como um guia, um lugar que você pode visitar para conhecer novos shows e relembrar os seus favoritos.

Para elaborar este especial – o maior já realizado pelo Mix de Séries – reunimos nosso time para elaborar a lista mais completa e eclética possível. Cada um elaborou uma lista pessoal, com suas séries favoritas e, a partir daí, montamos um grande compilado, somando pontos para decidir as posições de cada programa. Logo, a lista não segue um critério específico, nem leva em conta quesitos muito técnicos. O que vale aqui é o coração, as séries que mais amamos. Você verá que há vários sitcoms melhor posicionados que muita superprodução. Isso aponta o fato de que não importa o valor de produção, mas o carinho que nutrimos por estas séries. Então, fique à vontade e passeie por nossa longa e recheada lista com as 101 séries para se ver antes de morrer.

***

101 - 101 Californication
Gênero: Drama/Comédia
Temporadas: 7 (2007-2014)
Duração: 30 min.
Canal: Showtime
Criada por: Tom Kapinos

É inegável que há muita coisa errada em Californication. Não com o elenco, direção ou qualquer aspecto técnico, mas com algumas de suas ideias. Não podemos fechar os olhos para certa misoginia e comentários fora de hora e tom. É claro que a série tenta criticar o estilo de vida do protagonista, Hank Moody, mas muitas vezes acaba glorificando a falta de regras, noção e respeito do personagem. De todo modo, como entretenimento, Californication é uma experiência viciante. Ágil e ácido como Hank, o roteiro não deixa a peteca cair em nenhum capítulo, principalmente nas primeiras temporadas. É uma enxurrada de diálogos bem escritos, humor afiado e tramas realmente envolventes. Tirando a carga repreensível, há uma importante dramédia sobre um homem na linha tênue entre o carismático e o estupidamente arrogante e errado.

101 - 100 Veep

Gênero: Comédia/Política.
Temporadas: 5 Temporadas (2012-Presente).
Duração: 30 min.
Canal: HBO
Criada por: Armando Iannucci

Uma sátira política como só a HBO conseguiria fazer, Veep – que é a versão/continuação de outra excelente série, The Thick of It – apresenta, de maneira brilhante, o quão difícil, cômico e boca-suja pode ser o trabalho de uma vice-presidente americana. Julia Louis-Dreyfus encarna e diverte perfeitamente no papel de não comandante-chefe do país, brincando com a eterna ausência – completamente premeditada – do presidente em cena, apropriando-se também de noções que The Office eternizou, combinando tiradas ácidas e comédia situacional, tudo isso para nos entregar outra excelente produção inteiramente dentro da qualidade esperada de uma produção do canal.

101 - 99 Transparent

Gênero: Drama/Comédia.
Temporadas: 3 Temporadas (2014-Presente).
Duração: 30 min.
Canal: Amazon
Criada por: Jill Soloway

Atacando visceralmente constructos sociais sem perder o humor, Transparent simplesmente consegue captar a essência de discussões extremamente contemporâneas, enquanto tenta – e consegue – dialogar com o telespectador ao apresentar o núcleo familiar dos Pfefferman. A atuação implacável de Jeffrey Tambor é apenas um dos muitos retratos de relevância da série, superado somente pela plasticidade do texto e ousadia das premissas; Transparent é gênero, é identidade, é sofrimento e legados familiares, tudo isso enquanto não deixa de ser sobre paternidade, sobre irmãos, usando e abusando de tudo que possa provar o quão complexas todas essas coisas realmente são.

101 - 98 American Horror Story

Gênero: Drama/Terror/Suspense/Antologia.
Temporadas: 6 Temporadas (2011-Presente)
Duração: 60 min.
Canal: FX
Criada por: Brad Falchuk, Ryan Murphy

Ousada, agressiva, graficamente violenta, dotada de certo brilhantismo, mas há muito fadada a acabar; a traquinagem de Ryan Murphy – que conseguiu até mesmo gerar um spin-off – American Horror Story conheceu seu brilho na segunda temporada e continuou sustentada por atuações titânicas de Sarah Paulson, Jessica Lange e Katty Bates enquanto brinca exitosamente com um terror físico e psicológico, que já passou por fantasmas, demônios, psicopatas, aliens e até mesmo tons de snuff numa atmosfera de gore feita para ser uma obra de arte para assustar até mesmo os mais fortes, jogando com premissas e lendas que embalam o imaginário americano, parada fundamental não só para os fãs de horror, mas para qualquer seriador.

101 - 97 Alias

Gênero: Drama/Crime/Ação.
Temporadas: 5 Temporadas (2001~2006).
Duração: 45 min.
Canal: ABC
Criada por: J.J. Abrams

Um drama espião adolescente com ótimo elenco e temperada – levemente – por noções de sci-fi que só um nome como o – naquela época não tão conhecido – J.J. Abrams poderia fazer. Estrelada pela maravilhosa Jennifer Garner, Alias rapidamente tomou o lugar deixado por Buffy no coração dos fãs e consagrou noções que estavam esperando serem empregadas desde Charlie’s Angels, enquanto vemos a vida de Sidney Bristow desdobrar-se em várias identidades de acordo com suas missões. A série serve como uma boa introdução para o J.J. Abrams que conhecemos hoje em dia. Bebendo fortemente da cultura pop que Abrams tanto ama, Alias é brilhante, disposta a constantemente se reinventar, e claro, é uma excelente diversão.

101 - 96 South Park

Gênero: Comédia/Animação,/Adulto
Temporadas: 20 Temporadas (1997~Presente).
Duração: 30 min.
Canal: Comedy Central
Criada por: Trey Parker, Matt Stone, Brian Graden.

Insultos, polêmicas, análises e paródias ácidas e aparentemente exageradas são alguns dos ingredientes que fazem de South Park ao mesmo tempo tesouro e praga para a TV. Adorada por uns, agradando desconfortavelmente outros e odiada por uma verdadeira legião de “puritanos” que só fortalecem a sátira enquanto tentam bani-la da TV, a animação preenche uma necessidade criativa, ao apresentar da maneira mais visualmente insultante pesadas críticas a banalidade da sociedade moderna, exigindo do espectador a vontade de abandonar moralidade e senso de realidade para confrontar a hiper-realidade em que vivemos, South Park transforma-se no melhor do pior para nos manter sempre questionando onde a paródia acaba e nossas vidas começam

101 - 95 Felicity
Gênero: Drama/Adolescente
Temporadas: 4 (1998-2002)
Duração: 45 min.
Canal: WB
Criada por: J.J. Abrams e Matt Reeves

Felicity estreou na WB na era de ouro do canal, em que Dawson’s Creek despontava como um dos grandes dramas adolescentes dos anos 1990. Porém, diferente de tudo o que a emissora vinha fazendo, Felicity se propunha a abordar o reflexo da adolescência nos primeiros anos de vida adulta – ou seja, na faculdade. Apesar de não fugir de alguns esteriótipos, o show revolucionou a forma de tratar e abordar as histórias de jovens adultos. Um icônico momento é quando a protagonista, vivida por Keri Russell, muda seu corte de cabelo – causa, inclusive, atribuída pela imprensa à queda de audiência do show. Preconceito, ou não, o show Rendeu à Russell um Globo de Ouro de Melhor Atriz Drama e conquistou um Emmy de Melhor Série Drama em 1999.

101 - 94 Weeds

Gênero: Drama/Comédia/Crime.
Temporadas: 8 Temporadas (2005~2012).
Duração: 30 min.
Canal: Showtime
Criada por: Jenji Kohan

Um marco da comédia americana do início ao fim, Weeds deu a Mary-Louise Parker a chance de mostrar o máximo de seu potencial enquanto atravessa altos e baixos cômicos e trágicos temperados com sátiras excelentes, sendo uma verdadeira amostra do que levaria Kohan a sua aclamada Orange is the New Black. Contudo, existe muito mais em Weeds do que simplesmente um humor de tragédia; sem moralismos, a série acaba por adentrar profundamente em nós mesmos, aceitando e construindo sua jornada com olhos no final e com a crueza do que só a vida real consegue ter.

101 - 93 Narcos

Gênero: Drama
Temporadas: 2 (2015-Presente)
Duração: 60 min.
Canal: Netflix
Criada por: Carlo Bernard, Chris Brancato e Doug Miro

Com um formato documental, Narcos é baseada na história de um dos maiores narcotraficantes das Américas, Pablo Escobar. A série se passa em Medellín, na Colômbia, mas mostra a expansão do tráfico por Miami e todo o continente americano. Apesar de uma história verídica, a série tem plots de ficção, misturado com imagens reais dos acontecimentos da época. Informativa, Narcos é contada pelo agente americano Steve Murphy e mostra o crescimento do cartel, os altos e baixos de Escobar, inclusive suas fugas chegando até a sua morte. Por ter uma história densa e pesada, não é para qualquer um, mas coforme acompanhamos os episódios se torna muito envolvente. A interpretação do brasileiro Wagner Moura se torna apenas mais um dos grandes motivos para que Narcos seja parada obrigatória na sua lista de séries.

101 - 92 Brothers and Sisters

Gênero: Drama/Família/Romance
Temporadas: 5 Temporadas (2006-2011).
Duração: 60 min.
Canal: ABC
Criada por: Jon Robin Baitz

Peça fundamental do currículo de qualquer seriador, um bom drama familiar é sempre composto de certos ingredientes que Brothers & Sisters captura e emprega muito bem. A história da família Walker, cuja matriarca era ninguém menos que Sally Field – e tendo no elenco nomes como Emily VamCamp, Rob Lowe, Rachel Griffiths e Calista Flockhart – a série acaba por simplesmente se fazer confortável para o espectador, jogando com temas que povoaram a primeira década do milênio sem, contudo, abandonar a boa e velha atmosfera de problemas de identidade, amor, carreira e claro, segredos e interesses que são o “tempero” de toda família, falando diretamente da nossa vida como só um drama familiar consegue, tudo isso entregue numa bandeja de excelentes atuações e boa fotografia e trilha sonora que condensa um verdadeiro turbilhão de emoções.

101 - 91 Southland

Gênero: Policial/Ação/Documental.
Temporadas: 5 (2009-2013)
Duração: 45 min.
Canal: NBC/TNT
Criada por: John Wells

Criada para ser a “substituta”de E.R. nas quintas da NBC, Southland não tinha um formato que se encaixava na TV aberta americana. Por isso, logo após o primeiro ano foi cancelada mas, graças ao bom senso de executivos, foi resgatada pelo canal fechado TNT. Esse trâmite se deu, basicamente, pelo realismo que Southland explorava no formado documental. Uma série policial, que mostrava a realidade das ruas de Los Angeles, precisava de uma abordagem crua, extremamente impactante, algo que os padrões da televisão, naquele momento, não ousavam se permitir. Nomes como Regina King e Ben McKenzie se destacaram nos cinco anos do show, que é considerada parada obrigatória para todos que gostam do gênero policial e de uma boa série investigativa criminal.

101 - 90 The Big C

Gênero: Drama/Comédia
Temporadas: 4 (2010-2013)
Duração: 27 min.
Canal: Showtime
Criada por: Darlene Hunt

The Big C pode ser considerada uma das grandes precursoras do gênero “Dramédia” na TV e, definitivamente, essa série sabe como ir do riso ao choro em segundos. A premissa já deixa no ar a carga que o show possui: a protagonista descobre um câncer em estágio avançado e, com os dias contados, resolve viver a vida da forma como bem entende. Pode até parecer clichê o plot do “aproveitar o tempo que me resta”, se este, de certa forma, não se relacionasse com todas as outras belíssimas histórias que a série pretende contar. A protagonista vivida por Laura Linney possui camadas a serem exploradas de forma incrível, proporcionando ao show momentos icônicos, provando que, mesmo que queiramos viver a nossa vida aproveitando tudo que temos direito, ainda temos um compromisso conosco e com todos a nossa volta. Uma belíssima lição transporta em quatro excelentes temporadas.

101 - 89 Shameless

Gênero: Drama/Família
Temporadas: 7 Temporadas (2011~Presente)
Duração: 60 min.
Canal: Showtime
Criada por: John Wells, Paul Abbott

Sem nenhuma vergonha, dotada de uma beleza e delicadeza exemplares, Shameless (US) excede expectativas ao recontar a história dos Gallaghers. A série é, talvez, uma das mais excêntricas favoritas a entrar na lista, por trazer tamanha disfuncionalidade e nos fazer nos importar, amar, viver e nos preocupar cada desventura que se assola sobre essa família de desajustados liderada por William H. Macy e Emmy Rossum. Eternamente disposta a nos lembrar exatamente o quão cruel – justa ou injustamente – a vida pode ser, Shameless (US) combina o adulto à realidade e não deixa nada a desejar.

101 - 88 My So Called Life

Gênero: Drama/Comédia/Romance
Temporadas: 1 (1994-1995)
Duração: 42 min.
Canal: ABC
Criada por: Winnie Holzman

Se você procura uma máquina do tempo para os anos 1990, pode parar. My So Called Life é um túnel do tempo absoluto. A série tem uma cara tão noventista que chega a escorrer pela tela. É incrível como um programa pôde imprimir de forma tão fiel e sincera uma geração inteira. Não só por tratar de jovens e suas problemáticas, mas a época como um todo. As roupas, a escola, os programas e músicas, tudo respira ’90. Além disso, o show era inovador em vários aspectos. É só assistir o piloto para perceber um trabalho de direção original, pouco visto na TV da época (e até mesmo atualmente). A produção não se contentava com o básico e buscava novas formas para filmar, novos ângulos e montagem arrojada. Para completar, My So Called Life abordava questões sociais de forma explícita, de forma corajosa e sem meio termo. Se outras séries apenas pincelavam certas problemáticas, Called Life abraçava sem rodeios e fazia aquilo em todos os episódios. No fim, ainda discutia sobre o que mais acometeu a geração da época: a sensação de vazio e insignificância frente ao mundo.

101 - 87 NYPD Blue

Gênero: Drama/Policial
Temporadas: 12 (1993-2005)
Duração: 42 min.
Canal: ABC
Criada por: Steven Bochco e David Milch

Conhecida no Brasil como Nova York Contra o Crime, a série, que fez muito sucesso nas noites de domingo da Globo, é mundialmente conhecida. Produzida em uma época que Dick Wolf já reinava na NBC com sua Law & Order, NYPD Blue foi uma tentativa da ABC de se engajar no mundo das séries criminais dos anos 1990. Uma tentativa que deu certo, por sinal. No ar por 12 anos, o show explorava os conflitos de um distrito policial de Manhattan, com cada episódio cobrindo um turno destes policiais. A série se envolveu em diversas controversas, incluindo boicotes liderados pela igreja, por conta de cenas de nudez e violência. Nada disso, entretanto, impediu do show se tornar aclamado e reconhecido pelo Emmy.

101 - 86 Gravity Falls

Gênero: Animação/Mistério/Comédia
Temporadas: 2 (2012-2016)
Duração: 25 min.
Canal: Disney Channel
Criada por: Alex Hirsch

De tantas animações clássicas, modernas, celebradas, por que inserir Gravity Falls? Simples: ela não é uma animação, mas um série animada. Você pode achar que não, mas há uma imensa diferença entre uma coisa e outra. Gravity fez o que poucas fizeram e ainda tentam: construiu uma mitologia densa com episódios conectados e não independentes, como a maioria dos desenhos. Falls não é como Scooby-Doo clássico, que podíamos assistir sem nos preocupar com lógica ou cronologia. Aqui, precisamos assistir tudo na ordem, como uma série normal. Além disso, o programa é de uma inteligência elogiável; sem nunca subestimar o público jovem, Gravity Falls diverte os pequenos e conquista os adultos com uma trama complexa, cheia de easter eggs e referências à cultural geral. Um Verão de Mistérios, como foi chamada no Brasil, teve apenas duas temporadas e conquistou com o humor, o mistério, os personagens e o amor espalhado em cada capítulo. O final é de arrancar lágrimas, provando que basta ser uma ótima série para conquistar, sem importar se é live-action ou animação.

101 - 85 Damages

Gênero: Drama/Jurídico
Temporadas: 5 (2007-2010)
Duração: 50 min.
Canal: FX
Criada por: Todd A. Kessler, Glenn Kessler e Daniel Zelman.

Damages pode ser considerada uma marco na TV. Foi uma das primeiras séries a utilizar o recurso de flashs do futuro para conduzirem a narrativa da trama principal, envolto a mistérios e muito drama. O show é influência direta em séries de sucesso atualmente como How To Get Away With Murder – que usa exatamente do mesmo formato. Focado em conta a história de Patty Hewes, uma advogada de sucesso vivida por Glenn Close, a trama ganha um ar investigativo ao colocar um misterioso assassinato como peça chave para desvendarmos todas as perguntas lançadas ao longo dos episódios. Uma série que te prende do começo ao fim.

101 - 84 The Office

Gênero: Comédia.
Temporadas: 9 Temporadas (2005~2013).
Duração: 30 min.
Canal: NBC
Criada por: Greg Daniels, Ricky Gervais, Stephen Merchant.

Fazendo algo incomum para uma versão, The Office (US) supera exponencialmente seu homônimo britânico – que mesmo assim é uma obra-prima. Ambientada no cotidiano de um escritório fortemente satirizado, a série apresenta-se como um mockumentary, mas estilo e corte narrativo são a última preocupações da série, de quem se destacam muito mais a disposição de se remodelar e engenhosidade para sem o menor pudor, tratar de toda e qualquer crítica que a série conseguisse condensar em sua famigerada meia hora de ironias e humor negro.

101 - 83 The Tudors

Gênero: Drama/Histórico
Temporadas: 4 (2007-2010)
Duração: 45 min.
Canal: Showtime
Criada por: Michael Hirst

The Tudors é uma das mais belas produções históricas já feita na TV. Obviamente, a fidelidade dos fatos – frente as fontes oficiais referentes ao reinado dos Tudors na Inglaterra – é um pouco questionável. Mas tudo isso é permitido em se tratando de uma adaptação. O show tem como finalidade contar o reinado de Henrique VIII, da casa Tudor na Inglaterra, e todos os conflitos e conspirações que fizeram parte de sua trajetória – incluindo 5 casamentos, guerras e uma conturbada separação com a Igreja Católica. Personificado na belíssima aparência de Jonathan Rhys Meyers, o protagonista não deixa a desejar, acompanhado de um belíssimo elenco que inclui Henry Cavill e Natalie Dormer. Um retorno encantador à Inglaterra do século XVI.

101 - 82 Spartacus

Gênero: Ação/Drama/Aventura
Temporadas: 3 (2010-2013)
Duração: 50 min.
Canal: Starz
Criada por: Steven S. DeKnight

Caso você procure guilty pleasure no dicionário, haverá Spartacus entre os sinônimos. A série do Starz resume muitíssimo bem o que é o “prazer culpado”. Repleto de cenas com CGI duvidoso, baldes de nudez gratuita e outras porções de escolhas duvidosas, o show tem vários pontos frágeis, mas o principal é bom: a história. Spartacus conta uma história simples, mas muito bem. No fim das contas, é o que importa na maioria das vezes. Sentamos para assistir algo e ser entretidos, e a série faz isso de forma inquestionável. Tem ação em todos os episódios, intrigas, sangue sexo e reviravoltas. Não há como ficar entediado assistindo a saga do escravo gladiador. Você deve ser perguntar: por que uma série como esta encontra-se entre diversos clássicos? Porque Spartacus faz aquilo que a boa TV deve fazer: te conquistar, prender no sofá e entreter. Isso tudo é garantia.

101 - 81 Dexter

Gênero: Drama/Crime/Suspense
Temporadas: 8 (2006-2013)
Duração: 45 min.
Canal: Showtime
Criada por: James Manos Jr.

Alguns torcerão o nariz ao ver Dexter na lista. Outros torcerão por vê-la tão afastada das primeiras posições. O fato é que quando falamos de Dexter, sempre haverá alguém para fazer cara feia. A série foi uma das mais viciantes e interessantes de sua época, principalmente até o quarto ano. Do quinto em diante, o caldo esfriou, mas Dexter ainda mantinha nossa atenção. É verdade que o desfecho decepcionou, mas a última impressão não é a que fica. O show foi imperdível por quatro anos e muito bom por mais uns dois, isso já lhe garantiria espaço nesta lista. Além disso, Dexter veio em uma época em que as séries começavam a fazer um sucesso bem mais notável do que antes, principalmente fora dos Estados Unidos. Foi com ela que muitos seriadores se formaram, e por isso devemos respeitá-la.

101 - 80 The Americans

Gênero: Drama/Crime/Mistério)
Temporadas: 4 (2013 – Presente)
Duração: 45 min.
Canal: FX
Criada por: Joseph Weisberg

Sexy, intrigante e graficamente violenta. Talvez não a mais exata, mas decididamente uma das descrições mais válidas para The Americans. Aproveitando o grande gancho de séries de espionagem que Homeland tão bem simboliza, a série ousa em nos apresentar uma das grandes paranoias do imaginário Americano durante a Guerra Fria: Espiões da KGB infiltrados em solo Americano. Prestigiadíssima pela crítica, a série ganha pontos pela ousadia de ambientar seu tempo pelas “peripécias” do governo de Ronald Regan, enquanto nos entrega atuações maravilhosas de Keri Russel e Matthew Rhys, vivendo vidas “pacatas” de espiões num subúrbio e nos divertindo com os muitos disfarces adotados pelo casal em suas missões e nos impressionando com a densidade da relação do casal com seus filhos, isso para não mencionar a delicadeza na escolha das referências históricas – que não nos sufocam, mas não são nada limitadas – ou os excelentes sideplots, tudo isso ambientado numa soturnidade de paranoia que representa perfeitamente essa época do mundo.

101 - 79 30 Rock

Gênero: Comédia
Temporadas: 7 (2006 – 2013)
Duração: 20 min.
Canal: NBS
Criada por: Tina Fey

Antes de virar queridinha na indústria, apresentando o Globo de Ouro e estrelando os próprios filmes, Tina Fey escreveu muitos roteiros e andou muito atrás das câmeras. Com 30 Rock o cenário mudou. Fey criou um show onde era rainha absoluta; além de protagonizar, era showrunner. Ganhou vários prêmios e ainda resgatou Alec Baldwin de uma péssima maré. É bem verdade que a audiência não era astronômica e a popularidade fora dos Estados Unidos não era grande, ainda assim, 30 Rock conquistou seu espaço. Foram 138 episódios e três Emmy na categoria principal, fora o futuro promissor garantido para o elenco após o cancelamento. Na trama, uma roteirista tenta levar adiante um programa de humor mesmo tendo um chefe arrogante e um ator insano na linha de frente. Qualquer semelhança é mera coincidência.

101 - 78 The Wonder Years

Gênero: Comédia, Drama, Família.
Temporadas: 6 Temporadas (1988~1993).
Duração: 30 min.
Canal: ABC
Criada por: Carol Black, Neal Marlens

Incorporando o melhor dos famigerados anos incríveis, The Wonder Years junta remanescências dos anos 60 e 70 e a perspectiva de Kevin Arnold (vivido por Fred Savage) para sobreviver a gerações como uma comédia familiar cuja estrutura seria foi repetida por incontáveis produções. A série condensa toda a emoção familiar e o humor da passagem de gerações e mesmo quando peca pela constante necessidade de ter um significado maior para tudo, ainda nos faz pensar e sentir enquanto comparamos as nossas próprias descobertas e desventuras às do jovem Kevin Arnold.

101 - 77 Downton Abbey

Gênero: Drama/Histórico/Família)
Temporadas: 6 Temporadas (2010-2015)
Duração: 60 min.
Canal: ITV
Criada por: Julian Fellowes

Uma verdadeira crônica da aristocracia inglesa do século XX de uma perfeição difícil de descrever, tamanho o brilhantismo da série como um todo. Tendo as atuações titânicas de Maggie Smith, Laura Carmichael e Michelle Dockery como seu primeiro argumento, essa pérola britânica destaca-se até mesmo ao ser indefinível. Dividindo o coração da crítica, a história dos Crawley marca seu tempo por grandes acontecimentos, começando com o naufrágio do Titanic, sombriamente transitando pelas Grandes Guerras e seguindo até os inevitáveis primeiros passos de uma modernidade que desbarataria os valores vitorianos que a série tão bem emprega. Combinando frieza e imperialismo a uma afetividade controlada pela moralidade da época, Downton Abbey viveu plenamente e abraçou o final na hora apropriada, deixando para uma legião de órfãos da série uma valiosa lição sobre a condição de repetição da vida.

101 - 76 Sons of Anarchy

Gênero: Drama, Crime, Suspense.
Temporadas: 7 Temporadas (2008~2014)
Duração: 45 min.
Canal: FX
Criada por: Kurt Sutter

A jornada do clube de motoqueiros que concretiza toda uma tradição de certas partes dos Estados Unidos em uma produção de brilhantismo e violência impecáveis, Sons of Anarchy é muitas coisas e coisa nenhuma em uma só dose. Considerando finitude da maneira mais violenta possível e tomando a brutalidade como argumento base, a série conseguiu brincar com estruturas, níveis narrativos e viveu com uma intensidade profunda e profana do início ao fim, eternizando nos fãs e nos seriadores um acesso a um imaginário perturbadoramente intrigante.

101 - 75 Parenthood

Gênero: Drama/Familiar
Temporadas: 6 (2010-2015)
Duração: 45 min.
Canal: NBC
Criada por: Ron Howard

Parenthood é sinônimo de tudo o mais belo que possa existir em um drama familiar. Típica série que aborda os conflitos e relações de uma família – os Braverman – a série tem um texto refinado e emocionante, que toca os corações dos espectadores de forma que, é impossível não se conectar com os personagens e suas respectivas trajetórias. Histórias de motivações e superações são apenas um dos ingredientes utilizado pelos produtores durante os seis anos do show. Teve um papel fundamental ao abordar, de forma aberta, a Síndrome de Asperger, até então pouco discutida. Com um elenco maravilhoso, incluindo Peter Krause e Lauren Graham, Parenthood é aquela série feita para você se apaixonar e poder chamar de “série favorita”.

101 - 74 The Walking Dead

Gênero: Drama/ Suspense/Terror
Temporadas: 7 (2010 – Presente)
Duração: 45 min.
Canal: AMC
Criada por: Frank Darabont

The Walking Dead é uma das séries mais assistidas da atualidade e aborda a história de sobreviventes de um apocalipse zumbi, onde o que se sabe é que a mordida destes mortos-vivos é infecciosa para os seres humanos. A série não só conta como os sobreviventes lidam com os zumbis, mas também como é a convivência em um mundo caótico, enfatizando as mudanças nas relações entre os humanos até que ponto eles vão para sobreviver. Uma verdadeira experiência social, onde podemos analisar a comportamento humano em um ambiente hostil e a nova estrutura da sociedade. Percebemos que os problemas na verdade estão entre os próprios humanos e não com os zumbis. Entre altos e baixos, o show tem uma legião de fãs maior do que as hordas de mortos-vivos, mas que se abalam com o enorme número de mortes a cada episódio.

101 - 73 Law & Order

Gênero: Drama/Jurídico
Temporadas: 20 (1990-2010)
Duração: 45 min.
Canal: NBC
Criada por: Dick Wolf

Law & Order é, definitivamente, a mãe do gênero jurídico na TV. O show quebrou barreiras, em pleno anos 1990, ao tratar de casos dos mais diversos tipos, de uma forma completamente diferente – mostrando a perspectiva policial e, posteriormente, os julgamentos e conclusões do caso. Tudo isso de forma sucinta e baseada – na sua maioria – em fatos reais. A influência da série foi tão grande que gerou vários shows derivados, com um, inclusive. em atividade até hoje – Law & Order: SVU, que aborda crimes sexuais e está em sua décima oitava temporada. O show é, sem dúvidas, a galinha dos ovos de ouro da NBC, e gera para a Universal uma estimativa de 1 bilhão de dólares anuais para a Universal.

101 - 72 Veronica Mars

Gênero: Drama/Investigação/Adolescente
Temporadas: 3 (2004-2007)
Duração: 45 min.
Canal: UPN/The CW
Criada por: Rob Thomas

Veronica Mars é uma das séries produzidas pela UPN – principal concorrente da WB na época – que marcou história. Com a despreocupação de não se levar tão a sério, o show acabou se tornando impecável em trazer boas histórias da estudante que trabalhava como investigadora “nas horas vagas”, junto ao pai que havia aberto um escritório particular após a reputação do mesmo como Xerife ir abaixo por conta de assassinato que mexeu com a pequena Neptune. “Esta é a minha escola. Se você estuda aqui, ou seus pais são milionários ou trabalham para milionários. Neptune, Califórnia. Uma cidade sem classe média.“. Com essas palavras, Kristen Bell abre o episódio piloto, se atentando para um importante tópico que a série apontaria – a futilidade dos ricos milionários da Califórnia e todas as suas implicações. Tudo isso com um olhar de alguém que está despontando na vida. Veronica Mars é aquele tipo de série que precisa ser assistida, principalmente agora que um filme com um final digno para a série foi produzido, após seu cancelo abrupto.

101 - 71 Orphan Black

Gênero: Drama/Ficção Científica
Temporadas: 5 (2013-2017)
Duração: 45 min.
Canal: BBC One
Criada por: Graeme Manson e John Fawcett

Orphan Black surgiu em 2013 e estourou. Com um roteiro que faz o público pensar, a princípio, que a série tem uma história simples, te prende de forma a descobrir que ela é um pouco mais complicada do que mostrava ser. Na história, uma garota descobre ser um clone e fazer parte de um experimento que envolve questões além do que ela possa imaginar. As personagens, interpretadas magistralmente por Tatiana Maslany, são diferentes em todos os sentidos, e só conseguem passar a credibilidade que passam por conta de sua intérprete. Com a temporada final garantida para 2017, Orphan Black é aquele tipo de show que faz o fãs de séries mais céticos gostarem do gênero de ficção.

101 - 70 The Twlight Zone

Gênero: Ficção Científica/Terror/Suspense
Temporadas: 5 Temporadas (1959-1964)
Duração: 30 min.
Canal: CBS
Criada por: Rod Serling

Talvez um clássico que não consegue se entender como clássico, The Twilight Zone é decididamente uma pedra fundamental para qualquer seriador. Seja pelas suas 156 histórias focadas em tudo aquilo que se enquadrava num sobrenatural místico-científico – perfeitamente apropriado para a paranoia da Guerra Fria – ou por iniciar uma tradição de relatar formas de “macabro” na TV (inspirando um sem-fim de programas “imediatistas” de tragédia/realidade nos anos 80 e 90 – além de ter contribuído para a criação do espaço que produções como X Files, Lost e Fringe ocuparam). Entretanto, a real singularidade de The Twilight Zone é a maneira com que a série sobreviveu ao tempo; independente das continuações, remakes e afins, as tramas originais eram verdadeiros testes da natureza humana – indo de teatros de moralidade a confrontos de medo ou da própria sanidade – que funcionam até hoje como um modelo estético que resulta numa das “fórmulas” de fazer TV mais repetidas até hoje.

101 - 69 Arrested Development

Gênero: Drama/Comédia/Família.
Temporadas: 4 Temporadas (2003-Presente).
Duração: 30 min.
Canal: Netflix
Criada por: Mitchell Hurwitz

Cancelada – em mais uma das muitas injustiças que a emissora cometeu – pela FOX e resgatada pela Netflix, Arrested Development nos entrega a história da família Bluth não em sua melhor forma, mas apresentando suficiente problematização, enquanto busca discutir decadência, valores, família e criação, tudo isso sem nunca perder o ponto de si mesma, tecendo críticas pesadas a certos estilos de vida enquanto nos faz questionar da futilidade a evolução humana com doses de humor negro suficientes para dar à série um espaço obrigatório no currículo de qualquer seriador.

101 - 68 The West Wing

Gênero: Drama/Político
Temporadas: 7 (1999-2006)
Duração: 44 min.
Canal: NBC
Criada por: Aaron Sorkin

The West Wing é uma das monstruosas séries americanas que são pouco conhecidas e veneradas no Brasil. Talvez seja devido a temática: acompanhar os bastidores do governo americano poderia não ser tão convidativo na época em que foi ao ar. Não podemos, entretanto, fechar nosso olhos à importância do programa. Aaron Sorkin trouxe para a TV aberta um formato insano, um texto absurdamente ágil e muitas vezes complicado. Não havia se visto, ainda, coisa como aquela. Os personagens andavam e conversavam, e o mundo acontecia naqueles diálogos. A audiência americana aprovou, o Emmy amou (é um dos dramas mais premiados da história) e West Wing fez história, embora tenha sido ofuscada por uma irmã da época: The Sopranos, que ganhou menos Emmy, mas muito mais admiração.

101 - 67 Will & Grace

Gênero: Comédia/Sitcom
Temporadas: 8 (1998 – 2006)
Duração: 20 min.
Emissora: NBC
Criada por: David Kohan e Max Mutchnick

Will & Grace poderia ser apenas mais uma sitcom, se não tratasse com tanta inteligência – e humor – a homossexualidade. Aqui o esteriótipo não é levado a sério, sendo zoado de todas as formas que fazem qualquer um se encantar com a história de seus personagens. Will e Grace, os protagonistas, são solteiros vivendo em Nova Iorque, cada um buscando um sentido para sua vida. Mas, por muitas vezes, foram engolidos pelos coadjuvantes, Karen e Jack, que tinham falas brilhantes. Detentora de 16 Emmys, foi a responsável pelo primeiro beijo gay em horário nobre na TV americana, tendo explorado em todos os sentidos, o melhor da cultura gay. Impossível não se apaixonar.

101 - 66 Seinfeld

Gênero: Comédia/Sitcom
Temporadas: 9 (1989-1998)
Duração: 22 min.
Canal: NBC
Criada por: Larry David e Jerry Seinfeld

Muitos rotulam Seinfeld como um show sobre nada. Isso porque costumamos categorizar nosso cotidiano como “um monte de nada”. Se alguém nos pergunta o que fizemos durante o dia, respondemos automaticamente: “nada”. O problema é que muito foi feito, em diferentes graus de importância. É percebendo isso que Jerry Seinfeld e Larry David criaram uma das melhores comédias da televisão. Olhando para o dia a dia, eles extraíram humor. Não é preciso um grande feito para uma grande história. Basta uma televisão roubada ou uma visita à lavanderia. A série não queria achar respostas às questões da vida, mas falar sobre ela. Nisso, acabou se aproximando do público e elaborando um retrato interessantíssimo sobre a vida adulta. Cheia de nadas. Cheia de tudo.

101 - 65 Oz

Gênero: Drama/Suspense/Crime.
Temporadas: 6 Temporadas (1997-2003).
Duração: 60 min.
Canal: HBO
Criada por: Tom Fontana

Antes dos Sopranos tomarem este lugar para si, uma Oz que em nada tem a ver com aquela de Dorothy e Toto – mas que conta com sua própria “cidade das esmeraldas” – já apresentava um nível de drama e suspense que definiria a feitura da TV nos anos seguintes ao apresentar um retrato de pura distopia e desbaratamento social com níveis de desarranjo psicológico que até hoje não são completamente entendidos. E é exatamente tamanha perturbação que faz de Oz tão fundamental. Tais recortes de ordenada perturbação na vida encarcerada são desventuras de uma vida adulta como nada visto antes.

101 - 64 The Simpsons

Gênero: Animação/Comédia
Temporadas: 28 (1989-Presente)
Duração: 25 min.
Canal: FOX
Criada por: Matt Groening

Quem nunca ouviu falar de Os Simpsons, certamente, não é desse planeta! A família amarelinha já está consagrada no mundo da TV, sendo uma das séries mais longas de todos os tempos. Seu sucesso se deve ao criador Matt Groening, mas também ao humor inteligente, ou muitas vezes às críticas aos problemas reais da sociedade contemporânea. A série conta a vida de uma família típica americana de classe média, refletindo os maiores clichês que o cotidiano pode se deparar. The Simpsons começou como curtas, mas desde 1989 vem lançando episódios bem diversificados. A influência da série é gigante, tanto é que no mercado já teve filme, histórias em quadrinhos, músicas, jogos, brinquedos, etc, além de inspirar outras animações. Para completar e homenagear o sucesso da série, Os Simpsons ganharam até uma estrela na Calçada da Fama em Hollywood. Com referências sábias e muitos bordões, a série consagrada merece atenção de quem é seriador.

101 - 63 Orange is the New Black

Gênero: Comédia/Drama
Temporadas: 4 (2013-Presente)
Duração: 60 min.
Canal: Netflix
Criada por: Jenji Kohan

Baseada no livro de mesmo nome, Orange is the New Black conta a história de Piper Chapman que foi condenada a 15 meses de prisão por se envolver com venda de drogas quando mais jovem, juntamente com Alex Vause, sua até então namorada. Na prisão, acabamos conhecendo melhor a vida de cada detenta e suas histórias complexas. Elas são tão diferentes umas das outras e tão cativantes, que a série ganha várias protagonistas e excelentes tramas. Considerada por muitos como uma dramédia, a série tem personagens hilários, mas também trata de assuntos polêmicos como estupro, pedofilia, violência, entre outros. É uma das primeiras séries originais da Netflix de sucesso, reconhecida e indicada a vários prêmios. Imperdível!

101 - 62 Sex and the City

Gênero: Comédia/Romance
Temporadas: 6 (1998-2004)
Duração: 25 min.
Canal: HBO
Criada por: Darren Star e Karey Kirkpatrick

Carrie, Samantha, Charlotte e Miranda. Estas são suas quatro novas melhores amigas. Duvido você assistir Sex And The City e não se identificar com alguma delas. Carrie, a protagonista, escreve para um jornal e fala sobre suas relações em sua coluna. Samantha, que é sua relações-públicas, é a mais ousada, sempre em busca de um garanhão sem compromisso. Já Miranda é advogada e é a mais racional de todas. Por fim, Charlotte, a mais sensível e romântica, mas também tem dificuldades de ter um relacionamento duradouro. A série fez sucesso na época que foi transmitida (final da década de 90 e início dos anos 2000), rompeu barreiras, apresentando mulheres poderosas e independentes, e se consolidou no mercado, apresentando até hoje temas atuais e discussões pertinentes. Pacotão completo para quem curte Nova York, moda, sexo e relacionamentos. Sucesso de crítica e icônica, inspirou muitas outras comédias românticas. A propósito, Sarah Jessica Parker será eternamente a querida Carrie Bradshaw.

101 - 61 Louie

Gênero: Comédia/Drama
Temporadas: 5 (2010-Presente)
Duração: 25 min.
Canal: FX
Criada por: Louis C.K.

Qual seria a graça de acompanhar a vida de um cara comum, vivendo uma vida ordinária? Toda. Louis C.K. talvez seja, sem exageros, o melhor comediante atualmente, isso porque ele faz um humor sujo, pouco correto, mas sem ofender ninguém. Seja nos stand ups ou no cotidiano, Louie faz milagre com o que tem mãos. E não só faz rir, como emociona profundamente em alguns casos. Louis é como um Jerry Seinfeld dos nossos tempos, fazendo comédia sobre o nada, sobre o corriqueiro. A diferença é que C.K. não tem papa alguma na língua e não traz um texto limpo. E a genialidade está lá, seja no palco, lidando com contratantes que lhe pagam pouco, ou em casa, cuidando de duas filhas pequenas que ele não compreende – e elas não entendem ele. Durante cinco temporadas, o comediante entregou alguns dos melhores roteiros do gênero. O futuro é incerto: ninguém sabe como – ou se – e quando Louie retorna. Esperamos que breve.

101 - 60 Supernatural

Gênero: Ação/Suspense
Temporadas: 12 (2005-Presente)
Duração: 60 min.
Canal: The WB/CW
Criada por: Erik Kripke

Uma série há onze anos no ar e que ainda consegue fisgar uma grande legião fiel de fãs. A história dos irmãos Winchester te prende com diversos vilões, inúmeras reviravoltas, sempre misturadas com uma incrível dosagem intensa de drama familiar. Talvez, com esse ingredientes, seja possível explicar como a saga de Dean e Sam ainda faz tanto sucesso e, mesmo com alguns deslizes ou outros, ainda conseguem se reinventar. Supernatural já passou por diversas mudanças de elenco e de showrunners, teve temporadas descartáveis, mas mesmo assim nunca foi vista na berlinda. A premissa inicial é de que a atração fosse encerrada em seu quinto ano, mas devido a seu sucesso estrondoso, ela já está durando bem mais que o dobro do previsto. Para se ter uma noção de seu sucesso, Supernatural é vista por mais de 20 milhões de telespectadores fora dos Estados Unidos, e no país por cerca de 2 milhões, e isso também porque a CW tem exibição apenas em alguns Estados por lá.

101 - 59 Revenge

Gênero: Drama
Temporadas: 4 (2011-2015)
Duração: 60 min.
Canal: ABC
Criada por: Mike Kelley

Considerada um grande “novelão”, Revenge conta a história de uma mulher que viu o pai sendo preso injustamente quando criança e, então, querer vinga-lo anos depois daqueles que um dia lhe prejudicou, adotando uma nova identidade. Pois é, não há como não amar. Como qualquer outra série, o show enfrentou diversos problemas, os quais muitos deles vieram à tona no seu segundo ano, com uma história que não emplacou, fazendo com que os números de audiência do show caíssem. Como forma de reaproximar os fãs, vários ajustes foram feitos na história, além da troca de showrunner. Apesar de seus deslizes, os quais não foram poucos, Revenge possuía histórias envolventes, que sempre estavam ligadas à trama central, sem contar a rivalidade épica entre Amanda Clarke/Emily Thorne e Victoria Grayson, um verdadeiro duelo entre Rainhas.

101 - 58 Wallander

Gênero: Drama/Criminal
Temporadas: 4 (2008-2016)
Duração: 90 min.
Canal: BBC One
Criada por: Richard Cottan

Pouco conhecida fora do Reino Unido, Wallander é o exemplo clássico da “série britânica de detetive”. Ancorada em uma atuação brilhante de Kenneth Branagh, a série se desenvolve sobre os ombros de Kurt Wallander, um investigador solitário no interior da Suécia. Com uma fotografia estupidamente linda, a série não encanta só pelo visual, mas também pelos casos elaborados e pelo desenvolvimento sensível dos personagens. Branagh tem uma performance magnética, que merecia muito mais reconhecimento do público e premiações. A quarta e última temporada estreou este ano (inteiramente disponível na Netflix) e confirmou o programa como uma história sobre humanos, erros e acertos. Os crimes, investigações e perseguições era só um adendo.

101 - 57 The Borgias

Gênero: Drama/Histórico
Temporadas: 3 (2011-2013)
Duração: 60 min.
Canal: Showtime
Criada por: Neil Jordan.

Estrelada por ninguém menos que Jeremy Irons e ocupando um lugar que um fã de séries históricas talvez fosse colocar Rome (ou The Tudors), The Borgias é talvez um dos projetos da Showtime que nunca tenha decepcionado. Sofreu de um fim prematuro, mas não deixou de escandalizar com os devaneios e pecados da família Borgia, dinastia italiana que tem um papel fundamental na História, o qual a série retrata impecavelmente. Embora com todo o romanceamento e adaptação, a série nos mostra um retrato de simonia, luxúria, adultério, assassinatos, incestos e tudo o que o Vaticano dos Séculos XII, XIII e XIV tinham para oferecer. The Borgias funciona como um retrato romantizado de um passado muito mais grotesco do que nos deixamos admitir, e toda coragem para fazê-lo na TV é sempre algo que vale a pena conferir.

101 - 56 The Big Bang Theory

Gênero: Comédia/Sitcom
Temporadas: 10 (2007–Presente)
Duração: 30 min.
Canal: CBS
Criada por: Chuck Lorre e Bill Prady

‘A comédia dos Nerds’ que há muito (muito mesmo!) já deixou de lado a nerdtude para se aprofundar nas relações e no crescimento dos personagens, The Big Bang Theory cresceu para se tornar aquela série que é meio difícil de abandonar, porque entre os muitos erros, haverá sempre um acerto que será tão hilário que compensará todas as falhas. Tendo três anos iniciais muito bons e depois alguns tropeços, The Big Bang Theory é matéria de discussão na comunidade geek por estereotipar um nerd que não atende exatamente aquilo que o nerd realmente é. Mesmo assim, as desventuras de Sheldon, Leonard, Howard, Raj e Penny preencheram uma necessidade por variedade na comédia, algo que Chuck Lorre consegue fazer muito bem (vide Two and a Half Men, Mike & Molly e Mom, que abordam extremos completamente diferentes da comédia). E, apesar do desgaste sofrido pelo peso das temporadas, The Big Bang Theory ainda continua a ser uma das melhores comédias da TV da atualidade.

101 - 55 Buffy

Gênero: Aventura/Suspense/Adolescente
Temporadas: 7 Temporadas (1997-2003)
Duração: 45 min.
Canal: WB/UPN
Criada por: Joss Whedon

Uma das obras que assegura a Joss Whedon todo o merecido respeito que ele tem entre os nerds, Buffy: the Vampire Slayer é simplesmente genial. Começando pela premissa da série, que inverte a relação entre a pretty girl e o monstro, e seguindo por cada ponto de visto possível – seja pelos excelentes quadrinhos que continuaram a série depois de seu final ou pelo verdadeiro tributo ao girl power que a série é. Buffy é a primeira de uma longa tradição de produções voltadas para os teens/young adults que fale sobre os dilemas desses grupos e não falha em nos ensinar a enfrentar desafios, aceitar responsabilidades, lidar com o esperado e o “normal”, superar medos e fazer tudo isso com a ajuda dos amigos, e tudo o mais que um bom drama familiar faria, tudo isso enquanto nos diverte com efeitos especiais peculiares e atuações maravilhosas de Sarah Michelle Gellar, Nicholas Brendon, Alysson Hannigan e David Boreanaz, vivendo personagens densos e cativantes que nos entregaram até mesmo um (excelente!) episódio musical. Decididamente, esta pérola dos anos 90 é parada obrigatória para qualquer seriador.

101 - 54 Bates Motel

Gênero: Drama, Suspense, Mistério.
Temporadas: 5 (2013-2017)
Duração: 45 min.
Canal: A&E
Criada por: Carlton Cruse

Bates Motel merece crédito, por si só, ao se propor fazer um prequel de um dos melhores filmes de todos os tempos: Psicose, de Alfred Hitchcock. Merece mais atenção ainda por cumprir sua missão tão bem. Vera Farmiga e Freddie Highmore encabeçam de forma magistral o elenco, que com histórias simples, aprofundam absolutamente a mitologia da história. Ah, e não é preciso ter assistido ao filme para ver a série. Aliás, talvez fosse até melhor, uma vez que você não saberá o que acontece à cada um deles. Elogiada pela crítica, Bates Motel é a prova viva de que os canais a cabos norte-americanos possuem verdadeiros tesouros e, quando querem, podem produzir gêneros inesquecíveis par a TV.

101 - 53 Scandal

Gênero: Drama/Político
Temporadas: 5 (2012-atual)
Duração: 60 min.
Canal: ABC
Criada por: Shonda Rhimes

Quem diria que por trás do homem mais importante dos Estados Unidos, há uma mulher – que não é sua esposa – mais poderosa ainda? Scandal quebrou padrões da TV ao tratar do empoderamento feminino, principalmente atráves de uma protagonista negra. A nossa gladiadora mãe é uma verdadeira guerreira. Kerry Washington faz um trabalho impecável na pele de Olivia Pope, uma ex-funcionária da Casa Branca, que abriu então o escritório Olivia Pope & Associates, focado em gestão de crises. Ela, juntamente com sua equipe, denominados gladiadores, têm a missão de fazer os maiores escândalos de Washington desaparecerem. Com o tempo, a parte jurídica da série foi perdendo força, dando destaque ao cenário político, em que vemos o palácio do Governo norte americano de uma maneira jamais vista. Ainda cabe à Olivia proteger uma das maiores nações do mundo e, na maneira como Shonda Rhimes conduz toda a história, sempre chegamos à conclusão de que tudo se resume a Liv. Algo típico nas séries da criadora, Scandal aposta sempre em reviravoltas muitas vezes surpreendentes, e mortes que chegam a tirar o fôlego constantemente.

101 - 52 Glee

Gênero: Comédia/Musical
Temporadas: 6 (2009-2015)
Duração: 60 min
Canal: Fox
Criada por: Ryan Murphy, Brad Falchuk e Ian Brennan

Glee apareceu com uma proposta extremamente inovadora que, até então, não havia sido explorada por nenhuma série: um show que brincava com músicas, que trazia composições atuais e clássicas para dentro da história. Com arranjos completamente diferentes, Glee encantava em todos os episódios. Os personagens cativavam, graças à um elenco incrível e talentoso. Impossível não se apaixonar por cada solo de Lea Michele ou Darren Chris, impossível não ficar esperando, ansiosa, para saber qual seria a playlist do episódio e como ela se encaixaria no roteiro. O mais apaixonante de Glee era a inteligência com que a série era tratada na grande maioria das vezes, com cenas e momentos inesquecíveis e que merecem ser relembrados a todo momento. Um prato cheio para os fãs de musicais.

101 - 51 Sense8

Gênero: Drama/Suspense/Ação
Temporadas: 2 (2015-atual)
Duração: 60 min.
Canal: Netflix
Criada por: Lilly Wachowski, Lana Wachowski e J. Michael Straczynski

Com uma proposta totalmente diferente, Sense8 prende a atenção por seu complexo contexto. A ligação em comum de oito pessoas, de diferentes nações e culturas, e a forma como tudo isso é conduzido é realmente algo incrível. Will Gorski, Riley Blue, Capheus “Van Damme”, Sun Bak, Lito Rodriguez, Kala Dandekar, Wolfgang Bogdanow e Nomi Marks têm a visão súbita da violenta morte de uma mulher chamada Angelica e, a partir desse momento, começam a descobrir estarem ligados uns aos outros, sendo capazes de se comunicar, sentir e apoderar-se do conhecimento, linguagem e habilidades alheias. Isso tudo acompanhado de muita ação e mistério, afinal de contas, a partir desse momento, os oito protagonistas ficam na mira de uma misteriosa organização. A série da Netflix teve avaliações satisfatórias pela crítica especializada, tornando-se um fenômeno de público, se tornando uma das atrações mais pirateadas de 2015, inclusive.

101 - 50 24

Gênero: Drama/Ação/Política/Crime/Suspense/Espionagem
Temporadas: 9 (2001-2014)
Duração: 60 min.
Canal: FOX
Criada por: Robert Cochran, Joel Surnow

Decididamente uma das mais aclamadas série da TV Americana, 24, ou 24 Horas – como a dublagem da globo eternizou – é uma marco da inovação, por estender o procedural a fronteiras nunca vistas antes. Seu formato único de narração ‘em tempo real’ subverte a verossimilhança e o tempo com a mesma eficiência que subverte o formato em si. E diferente da moralidade e lealdade do personagem que consagrou Kiefer Sutherland, 24 Horas não se preocupou com algo ensinar a fazer TV; 24 Horas foi lá e fez, deixando uma marca na maneira como a espionagem e o trabalho governamental poderiam ser apresentados. O relógio digital, a narração do início dos episódios o limite daquilo que um agente está disposto a fazer pelo seu país combinaram ideais que vão de James Bond a Charlie’s Angels, e tudo isso completado por um imediatismo que faz com que seja impossível não querer saber o que nos aguarda no fim daquelas horas. Além disso, 24 Horas ainda consegue fazer algo que poucas séries tiveram a coragem de fazer: mostrar a visão americana do povo americano, as lideranças desse povo e ameaças que eles enfrentam pelo ponto de vista americano, sem sofrer prejuízo e sem negar essa parcialidade.

101 - 49 Prison Break

Gênero: Drama/Ação
Temporadas: 4 (2005-2009-)
Duração: 45 min.
Canal: FOX
Criada por: Paul T. Scheuring

Prison Break fez sucesso nos anos 2000, em uma era que assistir séries de TV ainda tinha suas dificuldades. O show foi um fenômeno de audiência para a FOX, ficando no posto – por muitos anos – de piloto mais assistido do canal. Na história, Michael Scofield comete um assalto a banco para ser preso e direcionado para a mesma prisão em que encontra seu irmão Lincoln, acusado de um crime que ele não cometeu. Michael tatuou toda a planta da prisão no corpo, para que ele possa encabeçar uma grande fuga, a fim de livrar seu irmão do corredor da morte. No maior estilo OZ, Prison Break, a cada temporada, cativa mais o telespectador, chegando ao clímax no quarto ano, finalizando com um telefilme. Surpreendentemente, e com a onda de revivais, a FOX resolveu resgatar o show para uma nova temporada, que estreará em 2017. Aclamada pela crítica especializada, a série é um prato cheio para quem gosta de suspense, ação e uma boa disputa entre policial e prisioneiros.

101 - 48 Fargo

Gênero: Drama/Crime/Mistério/Antologia
Temporadas: 2 (2014-Presente)
Duração: 60 min.
Canal: FX
Criada por: Noah Hawley

A antologia de mistério e crime coberta de neve da FX é ao mesmo tempo obscura e brilhante. Entre pilhas de corpos e grandes atuações, Fargo combina premissas, resgata o filme, usa e abusa de um charme soturno e nos entrega um texto de uma excelência impecável, com certa flexibilidade narrativa e usos de soluções inusitadas, que vão da quebra de expectativa – com direito a aliens e tudo – vista na construção de uma realidade que acentua o bizarro com tons de noir, na bem sucedida empreitada de fabricar uma realidade fragmentada e envolta em sombra e suspense. Sendo uma verdadeira aula de feitura de TV, Fargo combina violência, agitação, western e noir com histórias encadeadas, garantindo um retrato do self under siege como poucas produções conseguem representar.

101 - 47 American Crime Story

Gênero: Drama/Criminal/Jurídico
Temporadas: 1 (2016)
Duração: 50 min.
Canal: FX
Criada por: Ryan Murphy

Ryan Murphy é um verdadeiro camaleão ao escrever séries para a TV. Se ele ficou “tachado” na lista negra pra uns por conta de Glee, sua redenção – além de American Horror Story, se dá por American Crime Story. Em uma antologia, onde cada temporada promete contar um caso considerado criminal nos Estados Unidos, a temporada de estreia que tem a função de mostrar o julgamento do jogador O.J. Simpson é simplesmente incrível. Com atuações memoráveis de Sarah Paulson e Courtney B. Vance, a série é extremamente fiel aos acontecimentos televisionados e aborda uma versão um tanto imparcial sobre o julgamento – apesar de tentar deixar bem claro, nas entrelinhas, quem foi o culpado da morte de duas pessoas. Um prato cheio para os fãs de séries jurídicas, e uma refeição completa para os apreciadores de uma série com qualidade.

101 - 46 The Shield

Gênero: Policial/Drama
Temporadas: 7 (2002-2008)
Duração: 45 min.
Canal: FX
Criada por: Shawn Ryan

Há muito mais entre The Shield e Breaking Bad do que você pode pensar. Walther White e Vic Mackey são dois homens comuns que, nas circunstâncias em que se encontram, vivem tentando sobreviver e contornar problemas. Antes de torcermos para que Walter se livrasse dos empecilhos, Vic já brincava com nossos nervos. Todo episódio era um problema diferente, uma batalha a ser travada. Isso fez de Mackey um dos personagens mais bacanas da TV, embora não possamos nos esquecer do time de apoio. Repleto de excelentes coadjuvantes, The Shield fazia bonito na sua mistura de drama e ação, nunca permitindo que o público piscasse. Se lançada alguns anos depois, poderia ter feito mais sucesso.

101 - 45 The Leftovers

Gênero: Drama/Suspense
Temporadas: 2 (2014-Presente)
Duração: 57 min.
Canal: HBO
Criada por: Damon Lindelof e Tom Perrotta

The Leftovers caiu nas graças da crítica depois da segunda temporada ir ao ar. Provando que o primeiro ano não fora sorte, a série mostrou que havia muito mais para contar do que uma simples história sobre o desaparecimento de uma fatia da população. The Leftovers nunca se importou em explicar seus mistérios – e nem vai. Não importa saber como as pessoas sumiram, nem pra onde foram. O foco são os que ficaram para trás e assim o show nos mostra uma linda galeria de personagens. Não há nada convencional aqui; das figuras que habitam aquele universo aos roteiros, tudo é um ótimo exemplo de originalidade.

101 - 44 Luther

Gênero: Drama/Crime
Temporadas 4 (2010-2015)
Duração: 55 min.
Canal: BBC One
Criada por: Neil Cross

Idris Elba é um dos caras mais legais da indústria. Incrivelmente talentoso, Elba tem tudo para ser uma super estrela campeã de bilheteria e prêmios. Sua explosão começou em Luther, série britânica estilosa e bem escrita que ainda lançou Ruth Wilson como uma das anti-heroínas mais legais da TV. Na série acompanhamos John Luther, investigador de temperamento explosivo que se envolve demais nos casos. Não há como manter distância, pois com ele tudo é intenso, explosivo. Luther é daqueles personagens badass que todos amam e a série acredita nisso piamente, tanto que transforma as roupas do sujeito em um uniforme, como se fosse um herói. O sobretudo, a gravata e meias vermelhas, a postura, a ironia, tudo faz dele um sujeito admirável, como um homem sem nome e sem medo dos velhos faroestes. É isso, no fim, que Luther pode ser: um grande western moderno nas ruas de Londres.

101 - 43 How to get away with murder

Gênero: Drama/Jurídico/Suspense
Temporadas: 3 (2014-atual)
Duração: 60 min.
Canal: ABC
Criada por: Peter Nowalk

Uma advogada competente e uma mulher vulnerável. Desonesta em algumas situações, porém, muito mais humana que podemos imaginar. Por trás de uma pessoa fria, Annalise Keating é uma leoa, que protege seus alunos e aqueles que trabalham para ela com unhas e dentes. Com esses ingredientes, How To Get Away With Murder conseguiu conquistar o público de primeiro instante. Com criação de Peter Nowalk, produção executiva de Shonda Rhimes e protagonizada pela brilhante Viola Davis, era impossível do show não dar certo. O incrível é como os mistérios que rondam a história se conectam sempre de alguma forma, e tudo acaba chegando sempre à implacável advogada. Quando o público pensa que não tem mais como a série nos surpreender, sempre acabamos sendo convencidos do contrário. Graças a seu sucesso de público e crítica, a série, com apenas três temporadas até então, já recebeu diversas indicações em importantes premiações da TV, e ganhando algumas delas, incluindo o Emmy na categoria de “Melhor Atriz de Drama” para Viola em 2015, com direito a um discurso poderoso por parte dela.

101 - 43 The Good Wife

Gênero: Drama/Jurídico/Político
Temporadas: 7 (2009-2016)
Duração: 45 min.
Canal: CBS
Criada por: Michelle King e Robert King

The Good Wife é uma série tipicamente jurídica, com uma pegada procedural, mas que apresenta uma história principal de fundo. Talvez nem todos os episódios sigam esta estrutura mas, a princípio, a ideia da série é inserir temas atuais e polêmicos, muitos questionados na sociedade atual. Alicia, a protagonista que premiou Julianna Margulies, assume com respeito seu papel e é uma advogada de peso. Ela tem problemas com o seu marido, um procurador estadual que se envolve em um escândalo de corrupção, e se vê na necessidade de ser independente e crescer profissionalmente. Acompanhamos durante toda a série o seu amadurecimento e suas dificuldades na carreira como advogada. Com uma intensa carga dramática no show, os seus relacionamentos amorosos, sua relação com sua família e seus dramas pessoais são destaques durante as 7 temporadas… Quem curte a temática jurídica e política vai ficar satisfeito com os julgamentos, o dia a dia de grandes escritórios de advocacia e as eleições americanas.

101 - 41 Full House

Gênero: Comédia/Sitcom/Família
Temporadas: 8 (1987-1995)
Duração: 25 min.
Canal: ABC
Criada por: Jeff Franklin

No final dos anos 1980 aso gênero sofria de abundância na TV, mas algo voltado para toda família ainda era escaço. Full House veio para angariar este público em um tiro mais do que certo. A premissa poderia ater ser esquisita nos dias de hoje: três solteirões vivendo juntos e criando garotinhas ainda crianças. Mas de alguma forma, naquele momento, funcionou. As histórias simples e engraçadas cativaram o público que acompanhava semanalmente Danny, Jesse e Joey cuidando de Stephanie, DJ e Michelle. Com o que há melhor da década de 1980 e 1990, Três é Demais – como ficou conhecida aqui no Brasil, serve para nostalgia da época, exercendo o papel de “máquina do tempo” para uma época em que ser inocente era tudo o que nos restava.

101 - 40 How I Met Your Mother

Gênero: Comédia/Sitcom
Temporadas: 9 (2005-2014)
Duração: 25 min.
Canal: CBS
Criada por: Carter Bays e Craig Thomas

Em uma época que a TV sofria com o vazio deixado por Friends, How I Met Your Mother estreou na TV para deixar sua marca registrada no mundo das sitcoms. Como o nome da série já diz, as histórias contadas no show eram, todas, para os filhos do protagonista Ted descobrir como o pai conheceu a mãe deles. Durante todo a série, a leveza e o roteiro conduzem o espectador por uma narrativa que faz até o público esquecer que tudo aquilo é uma história contada para as crianças. Com um final controverso, a série não agradou a todos nos momentos finais, mas a carga emocional dos cinco amigos das temporadas anteriores compensa e muito. Você se sente amigo de todos eles ao longo de nove temporadas e tem tempo suficiente de 25 minutos por episódio em média para divertir o seu dia.

101 - 39 Alfred Hitchcock Presents

Gênero: Mistério/Crime/Drama/Suspense
Temporadas: 7 (1955-1962)
Duração: 30 min.
Canal: CBS.
Criada por: Alfred Hitchock

Conhecido por muitos como o pai do suspense cinematográfico moderno, Alfred Hitchock também deixou sua marca de brilhantismo na TV. Alfred Hitchcock Presents – que foi renomeado para The Alfred Hitchcock Hour nas suas temporadas finais e que teve um remake transmitido pela NBC de 1985 a 1989 – era muito mais do que uma simples produção. Apresentada pelo próprio Hitchcock (cujos monólogos de abertura já são suficientes para convencer qualquer um a assistir a série), o programa trazia mistérios, casos policiais, assassinatos e a psique humana, numa combinação feita no preto e branco que imortalizou o trabalho desse mestre. Ao mesmo tempo um exemplo de como fazer e uma banalização do formato procedural e da comercialização da TV, Hitchcock destila todo o seu humor negro e talento singular em histórias escritas por ele e tantos outros e encenadas por diversos grandes nomes da TV da época, mostrando o ‘mais sombrio de Hollywood’ e seus comerciais em uma verdadeira pérola da TV.

101 - 38 Hannibal

Gênero: Policial/Terror
Temporadas: 3 (2013-2015)
Duração: 45 min.
Canal: NBC
Criada por: Bryan Fuller

Escreva o que vou te dizer agora: Hannibal vai ser um cult respeitável nos próximos anos. Agora, ainda sobre a sombra do cancelamento, a série de Bryan Fuller já é cultuada por uma legião de fãs e no futuro isso tenderá a aumentar. Isso porque Hannibal foi uma das coisas mais corajosas que a TV aberta fez na última década. É difícil acreditar, aliás, que um canal aberto tenha produzido e distribuído um material como este. Calcado em silêncios, pausas e filosofias, num ritmo cadenciado e uma violência considerável, a série do canibal Lecter parecia coisa de cinema. O público geral não aprovou e a audiência naufragou, o que levou o programa ao cancelamento na terceira temporada. O desfecho foi satisfatório e definitivo, mas deixa um gostinho de quero mais. É o que fazem as grandes histórias.

101 - 37 Gossip Girl

Gênero: Drama/Adolescente
Temporadas: 6 (2007-2012)
Duração: 60 min.
Canal: The CW
Criada por: Josh Scwartz e Stephanie Savage

Um grande drama com temática adolescente, Gossip Girl traz um roteiro recheado de reviravoltas para ninguém botar defeito. Com um cenário de encher os olhos, comandado pela fotografia incrível e glamorosa do Upet East Side em Nova York, conhecemos Serena, Blair, Chuck, Nate, Dan e todos os personagens responsáveis por nos entregar histórias de deixar o queixo cair. Esta é uma série para quem gosta de ser surpreendido, mesmo que nem sempre positivamente. O roteiro, muitas vezes impecável, tem o poder de deixar-nos ansiosos, curiosos, com a pulga atrás da orelha, pensando uma coisa, para descobrirmos que não era nada daquilo. Um prato cheio, também, para quem gosta de boas intrigas e traições, mas também uma série cheia de romances quentes, amizades verdadeiras e todos os problemas familiares que enfrentamos em nosso cotidiano.

101 - 36 Roswell

Gênero: Drama/Suspense/Ficção-Científica/Adolescente
Temporadas: 3 (1999-2002)
Duração: 45 min.
Canal: WB/UPN
Criada por: Jason Katims

Baseada em fatos reais – com elementos de ficção científica, Roswell foi uma série que teve apenas três temporadas, mas que acabou sendo responsável por iniciar a vida seriadora de muita gente. A trama é adolescente, com traços de romance que pode fazer parecer tudo muito clichê. Porém, Roswell é diferente. Inovadora, com uma produção ousada, acompanhamos as aventuras do encontro entre humanos e extraterrestres que parecem terem vindo de uma revista “Capricho”. A fotografia é simples, os efeitos especiais não são estrondosos, mas é um roteiro fácil de se apaixonar, e um tanto curioso, uma vez que eles utilizam das curiosidades em torno do famoso caso de extraterrestres em Roswell, Novo México. A trilha sonora é um ponto chave da série. As músicas são pontuais e sempre tem a ver cm o que estamos assistindo. Não espere assistir uma série digna de prêmios, mas se quiser se divertir e assistir algo despretensioso, adicione-a à sua lista.

101 - 35 Mr Robot

Gênero: Drama/Suspense
Temporadas: 2 (2015-atual)
Duração: 60 min.
Canal: USA
Criada por: Sam Esmail

Nos dias atuais em que vivemos com a era digital, o mundo passa por uma revolução jamais vista, principalmente no âmbito político. E é por esse motivo que Mr. Robot se destaca, pois é um “tapa bem dado” na sociedade. Com temas bem relevantes para o contexto social atual, a série retrata justamente tudo que se passa ao redor do mundo, quando o protagonista Elliot, interpretado de forma magistral por Rami Malek, é recrutado para trabalhar em um grupo secreto anarquista, para derrubar uma multinacional em que o personagem trabalha. O impacto que isso é capaz de causar é tão grande, que acaba afetando setores da economia, vendo o terrorismo como consequência destes atos. O maior sucesso da summer season de 2015, Mr. Robot é uma grata surpresa do canal fechado USA. Com um roteiro incrível, a história é envolvente e possui um protagonista que já entrou pra história. Não é à toa que a mesma já está renovadíssima para sua terceira temporada – com estreia marcada para 2017.

101 - 34 Stranger Things

Gênero: Drama/Adolescente/Aventura/Suspense
Temporadas: 1 (2016-Presente)
Duração: 45 min.
Canal: Netflix
Criada por: Matt Duffer e Ross Duffer

Os fãs de filmes como “E.T.”, “Os Goonies”, “Poltergeist”, “Carrie a estranha”, certamente ficarão envolvidos com a sensação do momento. Stranger Things se passa em 1983 e tem muitas referências das produções citadas entre outras do Steven Spielberg. A trilha sonora é sensacional, composta especialmente para o show, e os cenários são todos ambientados da época. O show aborda o desaparecimento de um garoto e os esforços de uma pequena cidade para o trazer de volta – tudo isso, envolvendo questões sobrenaturais, típicas de um belíssimo jogo de RPG. Os personagens são cativantes, a ponto de fazer o espectador se encantar até mesmo com os coadjuvantes. O legal da série é ver a união das crianças, o significado de uma verdadeira amizade e a relação distinta de cada um para o diferente. Sucesso absoluto em apenas oito episódios, a série conta com Winona Ryder no elenco e já está com sua segunda temporada em produção. Um clássico moderno para aqueles que se deliciavam com as produções exibidas pela Sessão da Tarde nos anos 1980 e 1990.

101 - 33 That 70 Show

Gênero: Comédia/Sitcom
Temporadas: 8 Temporadas (1998 – 2006).
Duração: 30 min.
Canal: FOX
Criada por: Mark Brazill, Bonnie Turner e Terry Turner

Talvez uma das melhores sátiras a América dos anos 70, That ‘70s Show marcou não só o início da carreira de nomes como Mila Kunis, Ashton Kutcher e Topher Grace, como também combina isso a problemas adolescentes e dilemas de crescimento, tudo isso sem nunca perder a piada, e o melhor, a piada com e sobre si mesmo. Além do brilhantismo de canibalizar uma época tão cheia de informação como os anos 70, a série ainda legou grandes heranças à cultura pop, preocupando-se sempre com o humo e não com o que era necessário (ou com quais eram os limites) para isso. A risada histérica de Kity, o famigerado “dumbass!”de Red, o Vista Crusier, todo o rock, pop e maconha que os anos 70 tinham direito, e até mesmo a música de abertura marcaram uma geração da TV sem precisar se preocupar em gerar uma fórmula para ser recriada. Talvez por isso That ‘70s Show seja tão importante para formar um seriador. Afinal, não se levar tão a sério e lembrar que ‘we’re all alright’ é sempre uma boa lição para se aprender da comédia e aplicar em todo o resto.

101 - 32 Penny Dreadful

Gênero: Drama/Terror/Suspense
Temporadas: 3 (2014-2016).
Duração: 60 min.
Canal: Showtime
Criada por: John Logan

Estrelada por ninguém menos que Eva Green, Timothy Dalton, Billie Pipper e Josh Harnett, esta pérola da TV Moderna combinava o clima de (a)moralidades de uma Era Vitoriana disputada por todo o imaginário sobrenatural dos centavos de terror que dão o nome a série com um elenco classe “A”; a ‘Liga Extraordinária’ de Logan é uma verdadeira lição de como fazer TV, retratando não só um ou os muitos enredos com que a série lida, mas várias das categorias estético-arquétipicas associadas aos personagens, tudo isso adaptando obras que são verdadeiros clássicos da Literatura de terror. Penny Dreadful nos presenteia com uma produção completa – com direito a fotografia, trilha sonora e atuações titânicas – sendo, portanto, indispensável no currículo do seriador.

101 - 31 Mad Men

Gênero: Drama
Temporadas: 7 Temporadas (2007-2015)
Duração: 50 min.
Canal: AMC
Criada por: Matthew Weiner

Uma verdadeira aula de publicidade e jornalismo encarnada num sucesso da crítica, Mad Men destila críticas a toda uma geração com seus personagens complexos e seus dilemas de moralidade. A série nos entrega uma violenta reflexão sobre a natureza do ser humano enquanto brinca com os arquétipos existências e rasga, sem maiores pudores, expectativas, deixando como herança ambiguidades magistrais e uma verdadeira calmaria; um silêncio não abrupto que fala muito mais alto do que a maioria das produções atuais.

101 - 30 Twin Peaks

Gênero: Drama
Temporadas: 2 (1990-1991)
Duração: 45 min.
Canal: ABC
Criada por: David Lynch e Mark Frost

David Lynch na TV. Pronto, você não precisa saber mais nada para entender a presença da série na lista. A insana e atmosférica série retorna em 2017 para mais uma temporada no canal Showtime, e talvez não haja lugar melhor para o programa ser exibido. Tememos, inclusive, que o público de hoje não aceite ou não entenda a proposta do show que fez história com duas temporadas lançadas entre 1990 e 1991. Antes de The Killing, Broadchurch e este mar de séries baseadas em um crime, houve Twin Peaks e o mistério da morte de Laura Palmer. A audiência enlouquecida buscava respostas e Lynch, do jeito que é, pouco se importava com respostas. Ainda no início da década de 1990, a Rede Globo tentou exibir a série aos domingos, mas apenas confundiu o público que tentou assistir. A emissora exibiu tudo com cortes e fora de ordem. O resultado foi negativo e o programa acabou estourando anos depois em DVD e na Netflix.

101 - 29 Black Mirror

Gênero: Suspense/Drama/Ficção Científica
Temporadas: 4 (2011-Presente)
Duração: 44-84 min.
Canal: Netflix
Criada por: Charlie Brooker

Black Mirror será reconhecida como a série do nosso tempo. Como um sci-fi clássico, o show vai até um futuro não muito distante para discutir o presente. Do absurdo e surreal ao assustadoramente cotidiano, Black Mirror brinca com nossos nervos e subverte nossos conceitos. É fácil nos encontrarmos presos em dilemas sem saída, ou arrependidos por torcer por quem não devíamos. Embora abrace temáticas amplas como política e guerras, a série é principalmente sobre as relações humanas, e sobre como elas se desgastam em um mundo que propõe o oposto. É insano, e o programa entende isso muito bem, que estejamos cada vez mais separados, sendo que o princípio da tecnologia é nos unir.

101 - 28 The Wire

Gênero: Policial/Ação
Temporadas: 5 (2002-2008)
Duração: 55 min.
Canal: HBO
Criada por: David Simon

The Wire era uma série à frente do seu tempo. Prova disso é que apenas agora, anos após sua estreia e término, outras séries arriscam um formato e uma abordagem parecida. David Simon talvez tenha sido o primeiro a tratar certos temas do modo como fez. De forte apelo social, The Wire levantou bandeiras sem nunca soar didático ou perder o senso de entretenimento. Enquanto a maioria dos shows de sua época apostavam em tramas fechadas em certos grupos ou assuntos, Wire estava literalmente nas ruas, dialogando com o que estava entranhado nas vizinhanças americanas. No percurso, falou de crimes, política, mídia, criticou sistema e sociedade, do baixo ao alto escalão. Sem medo, fez história e contou história. Um atestado de seu tempo, embora à frente dele.

101 - 27 House of Cards

Gênero: Drama/Político
Temporadas: 4 (2013-Presente)
Duração: 55 min.
Canal: Netflix
Criada por: Beau Willimon

Quem diria, há dez anos, que algumas das séries mais interessantes da TV viriam de uma plataforma online? House of Cards representa o poder da Netflix e o início da dominação da rede no universo televisivo. Não temos acesso à audiência dos programa do site, mas é certo que seus projetos são alguns dos mais populares entre o público. Além disso, as séries da plataforma têm dominado os prêmios da área, mostrando que todos, incluindo a indústria, aceitaram a ideia. Por ser online, House of Cards é um animal diferente, tem seu próprio ritmo e abordagem, não tem medo e constrói sua história de um jeito único. Viciante é o mínimo que podemos dizer sobre ela.

101 - 26 Smallville

Gênero: Drama/Sci-Fi
Temporadas: 10 (2001-2011)
Duração: 60 min.
Canal: The WB / CW
Criada por: Alfred Gough e Miles Millar

A adaptação mais longa do homem de aço na TV, Smallville nos mostrou um lado jamais visto de Clark Kent, nos mostrando o porquê, no final das contas, ele se tornou esse super-herói tão aclamado por gerações diversas. Estrelada por Tom Welling, a série ficou no ar durante dez temporadas e, nesse meio tempo, foi uma das séries mais assistidas da antiga The WB – atual CW. Mesmo não seguindo totalmente a mitologia das HQ’s do Superman, Smallville ficou marcada pela aparição de importantes personagens do universo DC Comics, além de participações de atores que já interpretaram papéis importantes desse mundo na TV e no cinema, como o saudoso Christopher Reeve. Apesar de romances terem se sobressaído diversas vezes, nem sempre isso incomodou os telespectadores, e não demorou muito para diversos “shipps” surgirem dentre os fãs. Smallville cumpriu com sua premissa, mesmo tendo enfrentado diversos altos e baixos no percurso. É pioneira para uma geração que, atualmente, está acostumada com diversas séries de heróis na TV.

101 - 25 Firefly

Gênero: Drama/Aventura/Ação/Sci-Fi
Temporadas: 1 Temporada (2002)
Duração: 60 min.
Canal: FOX.
Criada por: Joss Whedon

Ah, Firefly. Decididamente a menina dos olhos de Joss Whedon, Firefly sofreu não só pela falta de visão da FOX, mas porque o mundo não estava preparado ainda para experienciar tudo aquilo que a mente responsável por Buffy e Avengers podia oferecer. O espaço ao mesmo tempo naturalista e western de Whedon e crueza dos fatos – na verdade, a aceitação e incorporação da distopia não como nemesis, mas como mais uma parte do constructo – transformaram as aventuras da tripulação da Serenity em algo tão poderoso e tão singular… A visão de Whedon de nos mostrar não o lado glorioso, mas o lado de quem perdeu uma batalha pela própria liberdade ideológica nos recantos mais distantes de um universo em que a noção de humanidade já não é mais tão simples é algo de um brilhantismo difícil de descrever. E mesmo tendo sofrido o julgo da audiência, que trouxe o voo de Firefly a um fim prematuro, o esforço de Whedon para fazer os seus pioneiros renegados do espaço rendeu algo que une os fãs até hoje, e cujo charme ainda conquista novos fãs a cada dia que passa.

101 - 24 The Knick

Gênero: Drama/Médico
Temporadas: 2 (2014-Presente)
Duração: 45 min.
Canal: Cinemax
Criada por: Jack Amiel, Michael Begler e Steven Katz

Que me perdoem as outras, mas The Knick é a melhor série médica que já assisti. Ambientada em Nova York, em 1990, o show acompanha Thackery e os demais médicos do Knickerbocker, um hospital que tenta sobreviver apesar das circunstâncias. A medicina moderna está nascendo, e vemos sua origem em um belíssimo drama capitaneado por um diretor no auge de sua forma. Steven Soderbergh dirige todos os vinte episódios lançados e surpreende com uma técnica impecável. Os jogos de câmera, a fotografia, a edição, a direção de arte, trilha sonora… Não há ponto fora da curva em The Knick; tudo está no lugar, tudo é certeiro. Se chamamos nossa época de Era de Ouro, é por causa de programa como este.

101 - 23 Sherlock

Gênero: Drama
Temporadas: 3 (2010-Presente)
Duração: 90 min.
Canal: BBC One.
Criada por: Mark Gatiss, Steven Moffat

De um antissocial para um sociopata altamente funcional, Sherlock é parada obrigatória para qualquer um que queira ser considerado um seriador. Não só por apresentar – numa das melhores versões da Era Moderna – a figura do tão icônico detive inglês, mas por ter a coragem de fazê-lo numa Londres moderna (ok, desde o especial de natal isso é meio discutível, mas como não há suporte no canon da série, consideremos assim) e fazendo de Sherlock Holmes e John Watson exatamente aquilo que eles seriam se fossem submetidos ao caos distópico da pós-modernidade pós-colonial, Sherlock nos entrega episódios que individualmente já são uma aula do ‘fazer TV’, e que juntos formam um verdadeiro curso de aplicação e criação de estética, além de ser um exemplo a ser seguido no que toca à adaptação de um clássico literário.

101 - 22 Fringe

Gênero: Ficção Científica/Drama/Suspense
Temporadas: 5 (2008-2013)
Duração: 45 min.
Canal: FOX
Criada por: Alex Kurtzman, J.J. Abrams e Roberto Orci

Certa vez, em um curto parágrafo sobre Fringe em um post especial, comentei sobre o fator humano da série. Ficção científica e efeito visual nenhum vai funcionar sem este pequeno detalhe. Se não nos importarmos com os personagens, todo o projeto está condenado. Quando um fã diz que ama Olivia, Walter, Peter ou Gene, não duvide; todos são tão bem desenvolvidos e os laços criados são tão fortes que é impossível não se aproximar e admirar aquele grupo. Universos paralelos, versões alternativas de coisas e pessoas (há mais de um de tudo), passado, presente, futuro, conspirações, viagem no tempo, tudo é pano de fundo para as relações interpessoais. E o fato é que Fringe é uma das “séries da vida”. Deste e de qualquer outro universo.

101 - 21 Dawsons Creek

Gênero: Drama/Adolescente
Temporadas: 6 (1998-2003)
Duração: 60 min.
Canal: The WB
Criada por: Kevin Williamson

Inesquecível série dos anos 1990, Dawson’s Creek foi criada por Kevin Williamson (The Vampire Diaries, Scream), e mostra a transição da adolescência para a fase adulta de um grupo de amigos. Parece algo comum e bastante clichê, mas de uma forma muito sutil e delicada, os personagens, aos poucos, descobrem um pouco mais sobre o amor, sobre responsabilidade, sobre inseguranças, sobre amizade, sobre preconceitos… Conhecemos personalidades incríveis, cenários lindos, histórias emocionantes que mostram laços sendo construídos. A série ensina sobre compreensão, sobre ser paciente, sobre conseguir enxergar o lado do outro. A série é romântica, divertida, sem apelação, sem obrigar o público a sentir algo e com um retrato bastante realístico, levando o telespectador para dentro de Cape Side e fazendo com que a gente se sinta parte fundamental daquele universo. E como não nos sentiríamos assim, se todos nós passamos por essa fase? Dawson’s Creek conta a história do nosso cotidiano e do nosso dia dia.

101 - 20 The X Files

Gênero: Mistério/Crime/Drama/Suspense/Sci-Fi
Temporadas: 10 (1993-2016)
Duração: 60 min.
Canal: FOX.
Criada por: Chris Carter

Se Star Trek e Doctor Who ajudaram a construir o espaço da ficção científica na TV, X Files remoldou e cimentou definitivamente a maneira como a ficção como um todo é vista e feita. Na verdade, as desventuras dos agentes Fox Mulder e Danna Scully foram contribuição significativa para todos os arquétipos narrativos da TV. Chiffhangers, plot twists e grandes eventos na trama para marcar premieres e finales foram coisas que, embora não tenham sido inteiramente criadas por, decididamente foram imortalizadas pela criação de Carter. Em dez temporadas (sendo a décima um verdadeiro mimo para os fãs), além de filmes, livros, HQ’s, um spin-off e um sem-número de outros componentes, o Universo X Files criado por Chris Carter definiu um padrão para a feitura da TV do Século XXI como a conhecemos. Juntando contextualização e mitologia iconográfica para seus personagens com um vilão legitimamente assustador (The Smoking Man) e um casal protagonista que ditou a fórmula para as parceiras (Olivia e Peter, Castle e Beckett e Bones e Booth estão aí para comprovar), The X-Files deixou um marco na cultura pop que não pode ser ignorado. Afinal, a verdade ainda está lá fora.

101 - 19 Star Trek

Gênero: Sci-Fi/Aventura/Ação
Temporadas: 3/7: (1966-1969/1987-1994).
Duração: 60 min./60 min.
Canal: NBC/Syndicated.
Criada por: Gene Roddenberry.

Star Trek e Star Trek: The Next Generation são marcos da feitura da ficção científica na TV, tendo não só ajudado a moldar, mas deixando marcas características na maneira como fazemos ficção hoje. São listados como um item só e desconsiderando o resto dos títulos da franquia porque a real contribuição da série para a TV é feita efetivamente pelas tripulações lideradas por James T. Kirk e Jean-Luc Picard. Eternizando a busca do espaço e exemplificando a noção de warp-speed para viagem no espaço (e vez ou outra no tempo), Star Trek nos ensinou muito mais do que simplesmente como lidar com as mais variadas situações nos mais longínquos cantos do universo; a franquia conseguiu, no auge da corrida espacial/atômica, retratar a necessidade e importância do conhecimento (que deveria ser a primeira e única preocupação da Ciência), nas palavras do seu imortal monólogo de abertura. Sendo assim, acompanhar as viagens da nave espacial Enterprise é quase que uma obrigação do fã de sci-fi.

101 - 18 Doctor Who

Gênero: Drama/Sci-Fi/Aventura.
Temporadas: 26/9 (1963-1989/2005-presente).
Duração: 30 min./60 min.
Canal: BBC One/BBC One.
Criada por: Sydney Newman/Sydney Newman.

Doctor Who é uma verdadeira lição do potencial da ficção científica na TV. Viva (apesar de vários pesares) há mais de 50 anos, a figura icônica de um mad man in a box, sempre escoltado por seus fieis Companions (e, as vezes, uma esposa tão icônica quanto o próprio Doctor), as aventuras desse Gallifreyano vão além de simples traquinagens através do tempo e do espaço… A cada nova identidade, a cada novo aprendizado do Doctor, nós também aprendemos mais sobre nós mesmos – sofrendo, amando, lutando e acreditando junto com ele. E embora não seja preciso assistir a Série Clássica (que sofreu o peso do tempo, perdendo alguns Arcos ao longo do caminho) para entender o revival, como um todo, a franquia Doctor Who funciona como um testemunho, como um monumento da ficção e sua plasticidade na TV – e, como bônus, como um verdadeiro marco do cultura Britânica. Decididamente, as aventuras do Doctor são um acréscimo de peso a sua grade.

101 - 17 Everwood

Gênero: Drama/Adolescente
Temporadas: 4 (2002-2006)
Duração: 45 min.
Canal: WB
Criada por: Greg Berlanti

Antes de se aventurar no mundo dos heróis, Greg Berlanti escreveu um hit encantador na WB: Everwood. Uma série que se destaca dos outros shows adolescentes do canal, Everwood tinha um texto denso e tratava de temas complexos para a faixa etária de seus personagens. Porém, em uma sincronia, a pureza e a nobreza adolescência se fundia a todas as histórias. O show acompanhava um recém viúvo médico que, junto dos filhos – um adolescente e uma criança, se muda de Nova Iorque para a pequena cidade de Everwood, onde resolve praticar medicina de graça e viver uma vida em paz. Porém, isso irrita não só os seus herdeiros como também alguns nativos da cidade natal. Lançando Emily VanCampm Chris Pratt e Gregory Smith ao estrelado, a série contava Treat Williams como intérprete do personagem chave e Tom Amandes como seu grande rival.

101 - 16 Gilmore Girls

Gênero: Drama/Adolescente.
Temporadas: 7 (2000-2007)
Duração: 45 min.
Canal: WB/CW
Criada por: Amy Sherman-Palladino

Lorelai Gilmore teve sua filha Rory aos 16 anos e a criou sozinha. Isso poderia ter acontecido com qualquer menina nos dias de hoje, mas Gilmore Girls contou essa história com classe no início dos anos 2000. Este e outros temas modernos são discutidos no show, como o empoderamento feminino, sexualidade, independência, entre outros. O show sempre foi a frente do seu tempo. Além disso, a série tem personagens cativantes e complexos, com diálogos inteligentes e muitas referências – de filmes, séries, livros, música… Os diálogos são tão ricos e tão rápidos que muitas vezes se faz necessário ver um episódio mais de uma vez. Mas isso tudo completa a beleza da série, jnto à força das meninas Gilmore (com a vó Emily completando o trio). É uma série bem romântica, mas também contém um alívio cômico satisfatório, e muito drama. Com sete temporadas, o show teve seus altos e baixos, mas deixou o seu legado que merece ser transmitido para todos. É complicado, mas não tem como não amar as meninas Gilmore.

101 - 15 Freaks and Geeks

Gênero: Adolescente/Drama
Temporadas: 1 (1999-2000)
Duração: 45 min.
Canal: NBC
Criada por: Paul Freig

Freaks and Geeks é um fenômeno. A série tem apenas uma temporada e é venerada por um público fiel e pela crítica. É só perceber sua colocação nesta lista e ter uma noção do que estamos falando: ela é a única série entre as trinta primeiras a ter apenas uma temporada. Se você não entende, deixa eu te explicar: Freaks é uma das poucas séries com temática adolescente a falar sobre os jovens de forma sincera e sem rodeios. É verdade que há outros programas juvenis melhores (como esta lista mesmo aponta), mas mesmo este glorificavam demais a fase. Freaks é verdadeira do início ao fim. Não é uma comédia, tampouco um drama. É a vida como um todo: cheia de momentos alegres e uma porção de tristezas. Para completar, a série é regada de uma nostalgia absolutamente contagiante. Impossível não retornar à própria juventude e se emocionar.

101 - 14 One Tree Hill

Gênero: Drama/Familiar/Adolescente
Temporadas: 9 (2003 – 2012)
Duração: 45 min.
Canal: CW
Criada por: Mark Schwahn

One Tree Hill pode ser inclusa na safra de obras inesquecíveis produzidas pelo eterno canal The WB. Com uma abordagem simples, a história cativava os mais jovens de uma forma inexplicável. A série se propunha a acompanhar os dilemas de adolescentes que vivam na Carolina do Norte, seus dramas e amores. O mais bacana disso tudo é que, após quatro temporadas focadas no “ensino médio”, o show dá um salto de quatro anos, avançando para depois da faculdade, e mostrando esses mesmos personagens enfrentando a vida adulta. Carregada de dramas, psicopatas, acidentes e casamentos, One Tree Hill é uma típica série com uma fotografia incrível, uma trilha sonora de arrasar e personagens que passam a se tornar seus amigos a medida que os episódios avançam. Aquela série para se chamar de “minha”.

101 - 13 Friday Night Lights

Gênero: Drama/Familiar/Adolescente
Temporadas: 5 (2006-2011)
Duração: 60 min
Canal: NBC/Audience Nerwork
Criada por: Peter Berg, Brian Grazer, David Nevin

Friday Night Lights é um drama adolescente bem diferente de suas parceiras do gênero. Usando o Futebol Americano tão aclamado na cidade de Dyllon, no Texas, como plano de fundo, acompanhamos a história do cotidiano de vários personagens interessantes e profundos. O que mais chama atenção na série é o realismo com que ela é tratada. Filmada com a aparência de um documentário, parece que estamos assistindo à um reality show sobre os moradores da cidade, com filmagens reais de tudo o que eles estão vivendo. A fotografia é extremamente simples, as vezes até um pouco sem vida, para trazer toda a sensação de amadorismo. As histórias são intensas, os atores possuem uma química perfeita e pontual e uma espontaneidade que nos faz acreditar, de fato, que aquilo não é ficção e que está acontecendo de verdade. O realismo incansável da série é o que traz o brilho da série e o que nos cativa do início ao fim.

101 - 12 Band of Brothers

Gênero: Drama/Documentário/História
Temporadas: 1 (2001)
Duração: 70 min.
Canal: HBO
Criada por: Tom Hanks e Steven Spielberg

Deixa eu te contar uma coisa: assisti Band of Brothers pela primeira vez há anos. Foi em DVD, e da forma que muitos seriadores conhecem: eu ia na videolocadora e alugava um DVD com dois ou três episódios; ia pra casa, assistia, voltava e trazia mais um DVD. Era uma das formas de se assistir séries na época. Todo esse processo, aliado ao fato de ser um programa incrível, fez com que Band of Brothers se tornasse uma das minhas séries favoritas de todos os tempos. Foi ela, dentre outras, que fez com que eu amasse o universo televisivo e me apaixonasse por séries. É por causa dela, em partes, que hoje escrevo essas palavras. Mas vamos além do valor pessoal: Band é impecável do primeiro ao último minuto e tem as cenas de guerra mais bem feitas da história, lado a lado com as de O Resgate do Soldado Ryan, clássico máximo das obras de Guerra.

101 - 11 Greys Anatomy

Gênero: Drama/Médico
Temporadas: 13 (2005-Presente)
Duração: 45 min.
Canal: ABC
Criada por: Shonda Rhimes

Grey’s Anatomy talvez seja um dos maiores sucessos da TV aberta norte-americana. Sucesso este já reconhecido pelo Emmy e pelo Globo de Ouro nos seus anos iniciais. Claro que, ao longo da trajetória de 13 anos – até o momento, o show teve seus desgastes, mas continue firme e forte, nas noites de quinta feira, trazendo casos médicos emocionantes, que se entrelaçam com a vida pessoal – e conflituosa dos médicos de um renomado hospital de Seattle. Fórmula que foi exaustivamente usada por E.R. – Plantão Médico por 15 anos, Grey’s Anatomy se reinventa e é conhecida por não poupar ninguém da morte, incluindo seus médicos. Afinal, o lema da série é mostrar que a vida é sim em tons de cinza.

101 - 10 The OC

Gênero: Drama/Adolescente
Temporadas: 4 (2003-2007)
Duração: 45 min.
Canal: FOX
Criada por: Josh Schwartz

Um dos maiores fenômenos dos anos 2000 na TV americana, The OC conquistou uma geração de fãs. Apesar de abordar uma temática para o público adolescente, acertou em cheio com tramas mais adultas e intensas. Sem contar que ela também mostra um lado bem mais realista da alta sociedade, esfregando as podridões dos bon vivants da Califórnia. Sexo, drogas, vício de alcoolismo, ambição, cobiça… esses foram apenas alguns dos temas abordados em quatro temporadas. Um dos pontos positivos, que com certeza foi fator decisivo para conquistar uma legião de fãs no tempo em que esteve no ar, eram os personagens, que cativavam de forma única. Ryan, o garoto problemático de Chino, que vê sua vida mudar drasticamente ao se mudar para a badalada Orange County, na Califórnia. Seth com seu jeito nerd e totalmente nada convencional de ser. Summer, a patricinha que sabia como encantar as pessoas e a problemática Marissa, faziam com que, justamente, por um serem tão oposto um do outro, houvesse o equilíbrio exato para a série. Tudo isso, sempre embalado de histórias que sabiam prender do começo ao fim, e uma trilha sonora pra ninguém botar defeito.

101 - 9 Deadwood

Gênero: Drama/Western
Temporadas: 3 (2004-2006)
Duração: 60 min.
Canal: HBO
Criada por: David Milch

Uma das séries mais subestimadas da HBO, Deadwood é uma das joias da coroa do canal. Criada por David Milch, o western virou um ícone cult da TV. Embora a audiência não tenha sido muito expressiva, Deadwood fez uma porção de fãs que até hoje clamam por um desfecho oficial. Com apenas três temporadas, o show fez algo difícil: se tornou uma das melhores produções televisivas em pouco tempo e sem ter um final oficial. Acontece que há, pelo menos, dois elementos essenciais nessa mistura. Primeiro: o roteiro de Milch e seu time é um dos mais incríveis. A rapidez dos diálogos chega a deixar a audiência em transe, o preciosismo das tramas envolve do início ao fim. O segundo ponto é, sem dúvida, Al Swearengen, vivido com perfeição por Ian McShane. Al é o melhor personagem que tive o prazer de acompanhar. Sem exageros ou dúvidas; Heisenberg, Draper e Sopranos que me perdoem, mas Swearengen é imbatível, uma força da natureza. Mas não só: junte isso a uma técnica e a uma galeria de personagens irretocáveis e tenha uma das melhores coisas que essa maravilha chamada televisão nos deu.

101 - 8 ER

Gênero: Drama/Médico
Temporadas: 15 (1994 – 2009)
Duração: 45 min.
Canal: NBC
Criada por: Michael Crichton

A “geração Grey’s Anatomy” pode até não conhecer – ou saber, mas E.R. é a responsável pelo estilo “drama médico” que hoje encontra-se tão batido. Em tempos que a TV inovava, Plantão Médico (como ficou conhecida no Brasil) mostrava as dificuldades da emergência de um renomado hospital público de Chicago. Com uma pegada documental, em muitos momentos, E.R. é lembrada por intensas cenas em plano sequência, que as vezes demoravam 5 minutos para sofrerem um corte. Quase um teatro ao vivo, o show prendia a atenção do espectador nas quintas a noite da NBC, com bombas, tiroteio, acidentes de ônibus e avião, além, claro, de muita carga dramática… tudo que uma série médica teria direito a fazer, inspirando os dramas do gênero na atualidade. Quando você estiver assistindo uma série médica atual e pensar “nossa, que diferente”, saiba que, certamente, E.R. já terá feito isso. Uma série que merece ser assistida por qualquer seriador e, porque não, re-assistida.

101 - 7 Lost

Gênero: Drama/Ficção Científica
Temporadas: 6 (2004-2010)
Duração: 45 min.
Canal: ABC
Criada por: Jeffrey Lieber, J. J. Abrams e Damon Lindelof

Uma ilha tropical, um acidente de avião. Poderia ser um show qualquer, mas em Lost as coisas podem ser bem peculiares. De Urso Polar à fumaças apavorantes, aqui quase tudo é possível. A série é alimentada por muitos mistérios, flashbacks – e flashfowards -, da forma que, a cada episódio, nos explica mais um pouco da vida daqueles que estão na ilha. Tem romance, tem drama (muita emoção), tem ação, e de tudo um pouco. O que cativa são os personagens e como eles agem para entender o que está acontecendo. Lost ganhou inúmeros prêmios, e foi pioneira em movimentar as teorias pela internet – na época do saudoso Orkut. Muitos, até hoje, não entendem direito tudo o que aconteceu na série – talvez nem os criadores, porém, quem gosta de ficção científica, teorias malucas e suspense, precisa colocar Lost na sua watchlist, pois dificilmente você não vai conseguir se viciar.

101 - 6 Six FeetUnder
Gênero: Drama/Familiar
Temporadas: 5 (2001-2005)
Duração: 55 min
Canal: HBO
Criada por: Alan Ball

Falar de Six Feet Under é complicado. É claro que a série está longe de uma obra voltada ao público jovem, mas ela dialoga sobre crescimento. Todos na série, sem exceção, estão em fase de crescimento. O detalhe, contudo, é que quase todos são adultos. Um dos grandes baratos do show, portanto, é perceber que todos somos eternos jovens, cheios de problemas e dúvidas, sem saber pra onde vamos. Muitos a chamam de mórbida, triste ou cínica. Estão errados. Six Feet Under é a série mais alegre já feita, acredite. É sobre a vida. Sobre ir adiante, olhar para trás sem medo, mas não deixar isso te derrubar. É sobre juntar os cacos, sempre, é remontar tudo, mesmo que falta uma peça e outra. Ela não é sobre morte, embora esta seja recorrente. É usando o conceito de finitude que a série se eleva. Se todos vão para sete palmos abaixo da terra, por que se importar? Viva e, como diz a música, respire.

101 - 5 House

Gênero: Drama/Médico.
Temporadas: 8 (2004-2012)
Duração: 60 min
Canal: FOX
Criada por: David Shore

A jornada de um médico especializado em diagnósticos que faz tudo para desvendar os mistérios que a medicina apresenta – independente dos limites morais, e de quem ele terá que afrontar/confrontar/enfrentar para tal – parece não ser o mais fundamental na feitura de um seriador. Entretanto, a amoralidade de House, sua personalidade autodestrutiva e antissocial – e as atuações titânicas de Hugh Laurie, Lisa Edelstein, Olivia Wilde, Jennifer Morrison e Omar Epps (isso para citar só alguns dos meus favoritos pessoais) – e o conflito interno da pessoa que ele era com a pessoa em que o problema com a perna e o vicodin o transformaram falam de maneira muito mais forte ao espectador do que era esperado. House é um procedural tão procedural, repetidamente (e com raras exceções) apresentando – meramente com uma “roupagem” diferente a cada semana – a doença misteriosa como o famigerado vilão e o médico e sua equipe como o anti-herói que vencerá, mesmo que isso signifique cruzar limares éticos e morais, o que faz da série uma lição não só sobre o formato procedural, mas em como é possível – mesmo através dos mesmos recursos – apresentar temas e discussões sobre qual deve ser o limite daquilo que nos é ou não permitido fazer.

101 - 4 Game of Thrones

Gênero: Drama/Fantasia
Temporadas: 6 (2011-)
Duração: 60 min.
Canal: HBO
Criada por: David Benioff e D. B. Weiss

Uma das séries mais famosas do mundo, Game of Thrones é complexa, com muitos personagens e enredos, podendo não te ganhar de primeira. Com o tempo é que as histórias vão te conquistando, e aí que mora o perigo, pois os criadores não tem medo de matar um personagem que seja queridinho do público. Por estas e outras que Game of Thrones tem cacife para misturar vários temas polêmicos, como estupro, incesto, política e, também, exibir nudez e violência sem censura, contar histórias de dragões, de gigantes, de mortos andantes, sem perder a credibilidade. A adaptação de As Crônicas de Gelo e Fogo, de George R. R. Martin, tem seus defeitos mas é, com certeza, uma das maiores e melhores produções atualmente. Lembra um pouco a era medieval, mas é sobre um mundo fantasioso, onde a briga pelo poder pode ir longe demais. Mais ou menos como hoje em dia.

101 - 3 Breaking Bad

Gênero: Drama
Temporadas: 5 (2008-2013)
Duração: 60 min.
Canal: AMC
Criada por: Vince Gilligan

Breaking Bad é a série que elevou Bryan Cranston ao status de um dos grandes nomes da TV. E talvez o show que tenha sacramentado a época em que as séries de TV ganharam o mundo. A série aborda a história de um professor de química, da cidade Albuquerque, que toma uma atitude atípica ao descobrir ter câncer – produzir um novo tipo de droga com um conhecimento em química fora do comum. Walter White é seu nome, mas muitos o conhecerão como Heisenberg. A série é um drama que pode ser lento para alguns, mas que toma fôlego e conta com bastante ação ao longo das temporadas. Com roteiro impecável e uma fotografia deslumbrante, o show chama atenção ao apresentar uma explicação para tudo – seja na cor da roupa dos personagens ou nos easter eggs espalhados pelos cantos. Com estes ingredientes, a série cativou muito o público, que carrega até hoje frases feitas e referências icônicas. De fato, é uma excelente produção, que rendeu até um spin-off, Better Call Saul, e merece ser vista.

101 - 2 The Sopranos

Gênero: Drama/Crime
Temporadas: 6 (1999-2007)
Duração: 60 min.
Canal: HBO
Criada por: David Chase

No futuro, quando os estudiosos, curiosos e seriadores procurarem a gênese da Era de Ouro da TV contemporânea, verão The Sopranos. Uma boa parte desta lista existe por causa da série de David Chase. Walther White, Don Draper, Frank Underwood, todos estes caras, símbolos da TV moderna, existem por causa de Tony Soprano. Não que eles sejam muito semelhantes, mas o gângster e sua turma abriram portas importantes na construção da televisão que tanto prezamos hoje em dia. Foi com este programa que a TV fechada floresceu de verdade, foi aqui que a HBO se firmou como um dos maiores canais da telinha. The Sopranos começou a mudar o entretenimento das pessoas: nos Estados Unidos, por que ir ao Cinema ou assistir outro programa se havia Sopranos para assistir. Era diversão adulta, alicerçada em um roteiro impecável e um elenco infalível. Foram sete temporadas das tramas mais loucas e interessantes, dos diálogos mais bem construídos e amarrados. Se hoje você é seriador, agradeça, em partes, a The Sopranos, por mais que ainda não tenha assistido. Aliás, caso não tenha visto, jogue tudo para o céu, para o que está fazendo e dê um jeito de acompanhar a saga da Família Soprano. No fim, você será parte do clã.

101 - 1 Friends

Gênero: Comédia/ Sitcom
Temporadas: 10 (1994 – 2004)
Duração: 20 min.
Canal: NBC
Criada por: David Crane e Marta Kauffman

Por 10 anos Friends reinou na televisão. Porém, a impressão que fica, é que seu legado ficará para sempre. Presente em qualquer roda de conversa sobre séries de TV, o show marcou uma geração e se vê como herança para o público que aprendeu a apreciar séries de TV na era digital. Com um texto simples e, de certa forma, ingênuo, Friends aborda a vida de seis amigos que vivem em Nova Iorque durante os anos 1990, época em que era possível encontrar com os amigos para tomar um café e praticar uma conversa sem as interrupções contínua dos smartfones e suas redes sociais. Responsável por deslanchar a carreira de personalidades como Jennifer Aniston e Matthew Perry, todos os seis tiveram a chance de brilhar em algum ponto do show. Como diria a canção tema, Friends “sempre estará lá por nós”, como aquela série que merece ser lembrada em todas as situações – sejam elas felizes como o humor da série, ou tristes como alguns tons da vida real. Um show que, mesmo você já sabendo as piadas, irá rir como se tivesse assistindo pela primeira vez.

***

Curtiu? Quer marcar o que já assistiu ou o que ainda quer ver? Então dê uma olhada na lista que criamos no Filmow. Clique aqui pra você se organizar e tentar não se perder em meio a tantas séries.

Editorial
Coordenação e edição: Anderson Narciso e Matheus Pereira.
Artes: Matheus Pereira.
Textos por: Anderson Narciso, Matheus Pereira, Eduardo Nogueira, Paula Reis, Jeh Mari e Richard Gonçalves.

Comments

comments

About Equipe Mix

Equipe Mix
Perfil criado para realizar postagens produzidas pela equipe do Mix de Séries.

Check Also

A série ficou chata: e aí, largamos ou continuamos?

Fazendo um balanço sobre minha grade desta temporada, me vi assistindo muitas séries que tenho …

  • Jeh Mari

    Gente, que projeto lindo!! Amei muito. Feliz em ter participado! E amei muito Friends em primeiro lugar. Não teria como não ser! Parabéns a todos.

  • Juk

    eu vejo algumas séries dessa lista e outras eu não quer ver, mas a maioria são séries que eu quero ver e fico enrolando. É praticamente uma lista pra jogar na minha cara: VEJA ISSO AGORA!

    • Eduardo Nogueira

      Juk eu tive a mesma sensação, precisamos correr!!

  • Renata Ribeiro

    Quero ter vida suficiente para assistir pelo menos metade! hahahah lista bem MARAVILHOSA<3

  • Mayane Dias

    seria meu sonho ter essa lista no filmow pra eu poder ver quantos eu ja vi?

    • Matheus Pereira

      Pode deixar que farei a lista, Mayane! É uma baita ideia! Linko aqui depois =D

  • Caroline Marques

    Senti falta de Battlestar Galactica 🙁 Na verdade das Syfy no geral! Ótimo trabalho trabalhoso esse 😀

  • Laís F.

    Eu já assisti 48 dessa lista. Já posso me aposentar?