A Mente do Assassino: Aaron Hernandez, da Netflix, é viciante e real; Confira

A Mente do Assassino: Aaron Hernandez

Saiba mais sobre a série que conta a história de Aaron Hernandez

Os documentários de histórias reais são aterrorizantes mas, ao mesmo tempo, fascinantes. A Netflix certamente sabe disso, principalmente depois que “Conversando com um Serial Killer” fez um maior sucesso. Alguns diriam inclusive que se tornou uma verdadeira obsessão para os fãs. Pois bem, agora eles nos trazem a perspectiva de outra história com assassino a partir da docsérie “Killer Inside: The Mind of Aaron Hernandez” (no Brasil, A Mente do Assassino: Aaron Hernandez).

Porém, o caso tratado na série é bem menos distante do que a produção de Ted Bundy, uma vez que a história do assassino contada na produção acontece há poucos anos atrás.

A grande pergunta da produção, através de seus episódios é o que acontece quando o assassino é alguém que você assistiu ao longo dos anos crescer e passou a a admirar? Mais ainda: E se for um jovem que tem uma vida perfeita, sendo pai, um esposo, um amigo, e que alcançou o sucesso após várias dificuldades? E se, como no nosso caso, o homem for Aaron Hernandez?

Para que não o conhecia, ou não se lembrava, ele era um jogador importante da NFL, que foi condenado por assassinato aos 23 anos depois de assinar um acordo invejável de US$ 40 milhões com o New England Patriots. Portanto, por que um homem como ele, que tinha tudo na vida, desistiria de tudo e cometeria algo tão horrível?

Continua após a publicidade

É exatamente isso que a mais recente produção documental da Netflix procura explorar. Ela lança luz sobre o mundo violento e homofóbico do esporte, a própria vida e as lutas de Aaron, além das inúmeras vidas que ele afetou. Mas será que algum motivo é motivo suficiente?

A história real de A Mente do Assassino: Aaron Hernandez

“Killer Inside” é um documentário em três partes sobre os crimes reais que envolve o ex-jogador da NFL, Aaron Hernandez. Ele era um jovem latino-americano de Connecticut que jogou pelo New England Patriots e ficou bastante famoso nos Estados Unidos.

A trama da série começou com a descoberta do corpo de Ortiz Lloyd, encontrado em North Attleboro, a poucos quilômetros da mansão de Aaron. O jogador, assim, logo foi preso quando a polícia descobriu muitas evidências circunstanciais e sua conexão com Ortiz, que estava namorando a irmã de sua noiva.

O documentário explora as respostas de pessoas próximas e distantes, que o admiravam de alguma forma, incluindo seus fãs, colegas, entes queridos, além de jornalistas e advogados envolvidos no caso.

Também ao longo dos episódios traça sua infância e juventude, com seus amigos da escola e vizinhos conversando sobre ele e sua vida familiar, especialmente seu vínculo com o pai. A série também faz uso de várias fotografias, vídeos, imagens de vigilância, além de telefonemas gravados que ele fez durante seu tempo na prisão. Explora seu relacionamento comovente com sua noiva, Shayanna, e seu primo, Tanya, as duas pessoas com quem ele estava mais próximo, além de seu profundo amor por sua filha.

Mas a cada momento que passa, e indo e voltando na vida de Aaron, ela pinta uma imagem trágica, mas horripilante, de sua vida dupla.

Os traumas de Aaron Hernandez

Embora o público comece a se perguntar, desde o primeiro instante, porque ele fez isso, a série não oferece uma resposta concreta. Entretanto, explora a fundo seu passado e revela alguns momentos conturbados de sua criação.

Para começo, ele tinha uma relação muito violenta com o pai – com indícios de abusos físicos e psicológicos. Além disso, Hernandez era homossexual, e manteve um relacionamento por muito tempo com um dos seus melhores amigos – embora ambos negassem para si próprios a situação.

A própria raiva e violência acumulada, seu relacionamento complicado com sua mãe, sua estreita associação com um notório ex-condenado, contribuiu para uma passagem conturbada na vida do jogador. A série também dá a entender que o mundo de futebol, apostas esportivas sempre fora violento, machista e homofóbico, o que poderia ter acumulado uma série de transtornos mentais para o rapaz, que se viu sufocado a cada passo que dava profissionalmente.

Logo, descobrimos que Aaron estava envolvido em não um, mas em vários casos violentos, que datam de seus anos de faculdade, incluindo um trágico tiroteio envolvendo dois imigrantes da classe trabalhadora. No meio disso tudo, o futebol permanece uma constante, que o ajuda a subir, mas acaba levando também à sua queda.

Minissérie da Netflix

“Ninguém supostamente matou duas pessoas e depois jogou uma temporada inteira como atleta profissional”, diz uma pessoa na primeira parte do documentário. Talvez seja isso que torne as ações de Aaron aterrorizantes e fascinantes.

À medida que a série avança, descobrimos tudo sobre ele e, eventualmente, até entramos em sua mente (se é que você me entende). Mas nunca descobrimos realmente por que ele fez o que fez. Se há uma coisa que liga todas as instâncias violentas das quais ele faz parte, é um motivo fraco. É também isso que torna tudo mais intrigante, porque nunca chegamos a saber quem é Aaron Hernandez. O homem é um sociopata impulsivo, um gay violentamente enrustido ou vítima de um distúrbio cerebral fatal?

Quem quer que seja Aaron, ele tem a capacidade de se desassociar completamente de suas ações e, curiosamente, nunca parece culpado. Isso é capturado particularmente bem por um vídeo de vigilância de seu próprio porão. Lá, ele é visto brincando brincando com sua filha com os dois homens que foram cúmplices do assassinato que ele cometeu na noite anterior. Em contraste com isso, ele também é uma homem de fé que descobrimos com o papel que a Bíblia desempenha em seu suicídio e, é claro, suas tatuagens pelas quais ele pede perdão a Deus.

O que torna o “A Mente do Assassino” um relógio tão atraente é que a série sempre tem algo novo a oferecer, pois permite que a vida de Aaron se desfaça diante de nós.

A Mente do Assassino Aaron Hernandez acaba fazendo uso de uma estrutura narrativa não linear, de modo que, mesmo quando ela nos apresenta os diferentes aspectos de sua vida, só conseguimos conectá-la à narrativa mais ampla quando o documentário quer. Dessa forma, ele faz um verdadeiro suspense, que nos mantém tentando adivinhar o “porquê” da história, pois nos fornece inúmeras perspectivas diferentes.

Então, o que realmente transforma um homem em um assassino a sangue frio? O documentário realmente não responde a essa pergunta, simplesmente porque nunca haverá uma resposta certa. Como um velho amigo disse a Aaron, sempre poderia haver algo que ele poderia ter feito de maneira diferente. Então, ele é o único culpado? Sim, ele definitivamente deve ser responsabilizado por suas ações. Mas ele também fazia parte de um sistema exploratório maior, cheio de violência, masculinidade tóxica e que se preocupa apenas em obter lucros.

Como Leontire afirma no final, “se alguém tivesse tornado o futebol menos importante e a vida e o comportamento de Aaron mais importantes, os resultados poderiam ter sido diferentes“.

O que aconteceu com Aaron Hernandez, protagonista da série da Netflix?

Aaron foi encontrado morto no dia 19 de abril de 2017, no Centro Correcional Baranowski, lugar em que cumpria pena. Através da imprensa, foi divulgado que ele teria cometido suicídio. Apesar da família defender que ele não suicidou, autoridades de Massachusetts confirmaram a causa da morte.

Todos os três episódios de A Mente do Assassino: Aaron Hernandez estão disponíveis na Netflix.

Confira o trailer abaixo. 1xBet

Além disso, completo. Todavia, palavras.

 

Anderson Narciso

Anderson Narciso

Mestre em História, criador de conteúdo, é o editor responsável e idealizador do Mix de Séries. Eterno órfão de Friends, One Tree Hill e ER, acompanha séries desde que se entende por gente. No Mix é editor de colunas e de notícias e resenha séries semanalmente.

No comments

Add yours