Crítica: 5×10 de Chicago Med destacou a morte, o luto e a emoção

Chicago Med 5x10

Drama médico da Franquia Chicago retornou!

Chicago Med retornou com episódios inéditos nos Estados Unidos, pela NBC, e o primeiro episódio de 2020 deu destaque para um combo que anda sempre unido: a morte, o luto e a emoção.

Pegando exatas seis semanas, desde quando deixamos a série no episódio 5×09, vimos alguns conflitos evoluírem e outros sentimentos se destacarem. Mas afinal, a grande reflexão do episódio foi: é preciso pensar com a razão ou com o coração?

Retorno do passado de Will

Anteriormente anunciado, o retorno do passado de Will foi uma paciente que ele tratou na primeira temporada, Lynn, que acabou se tornando uma viciada em remédios após uma prescrição feita pelo médico. De início, ele nem a reconheceu, mas quando ele se familiarizou com o caso ele percebeu o grande problema que pode ter causado na vida dela. Porém, ela não estava ali devidamente por conta de uma overdose, mas sim por causa de seu filho Jesse que acabou se queimando em casa.

Continua após a publicidade

Por conta de sua instabilidade, e a queimadura de Jesse, tudo acabou convertendo para que sua sanidade para cuidar do garotinho fosse questionada. Natalie, que também esteve no caso, chegou a concordar em ajudar a moça – Will a colocou em uma rápida desintoxicação, mesmo contra vontade da Dra. Manning. Mas acontece que a médica acabou descobrindo que o garotinho ministrava Narcan para a mãe, toda vez que ela desmaiava devido as drogas. Foi o ponto para fazer com que Natalie reportasse o caso para a Assistência Social.

Resultado? A mãe ficou irritada com os médicos – culpando Will por ter mentido para ela, e ele por sua vez ficou irritado com Natalie, naquele ciclo sem fim. Mas, para piorar a situação, no final do episódio, Lynn acabou dando entrada no hospital por uma overdose e morre nas mãos do Dr. Halstead. Que barra em?

Eu entendo o que Will poderia estar sentindo – CULPA – mas não creio que ele tenha feito nada de errado. E aqui, neste caso, Natalie também não fez nada de errado. Porém, acho que os problemas anteriores dos dois acabou interferindo na visão do caso. Certamente, isso vai o influenciar daqui para frente.

Mentira tem perna curta em Chicago Med?

Quem também teve dilemas para lidar foi April, que acabou se sentindo extremamente culpada por ter beijado o Dr. Marcel no episódio anterior, pouco depois do Dr. Choi anunciar que ficaria seis semanas foras. Claro, as coisas estavam estranhas entre o casal, para não dizer a beira de um término, não é mesmo? Mas April também acabou não sendo honesta desde o início sobre a gravidez e tudo virou uma grande bola de neve.

Resultado? Ela e Marcel esqueceram o beijo, mas ela queria ser honesta com o Dr. Choi – porém, Marcel acabou convencendo ela do contrário (o que os olhos não veem, coração não sente?). Foi então que o Dr. Choi retornou e, surpresa, a pede em casamento? MEU PAI. Ela até relutou, e contou sobre o problema de não poder engravidar, mas acabou aceitando o pedido.

Eis nossa conclusão: se ela ama o rapaz, de verdade, e achava que isso não iria impedir sua felicidade, sua consciência e tudo mais, talvez ela tenha feito certo. Afinal, para que ela vai machucar Choi, se ela pode ser feliz com esse pensamento, e sabendo que isso não vai se repetir mais? Porém… É muito provável que quem trai uma vez, trai outra. Então, se ela tiver sentimentos pelo Dr. Marcel, ela deveria ter jogado a real para o Dr. Choi.

Eu gosto muito de Ethan e espero realmente que eles se acertem. Ele merece ser feliz, e April também. Mas algo me diz que isso vai dar um ruim…

Ainda no hospital… 

Deixei a parte final da nossa review para falar do Dr. Charles. Melhor personagem da série, sócio-proprietário de Chicago Med ou o quê? Que dó, gente, vê-lo no túmulo de Cece. Mais ainda, ver que ele ainda não entrou totalmente nos trilhos.

Achei o seu tratamento com a Srta. Curry meio apático, mas ele acabou ajudando sua paciente com ansiedade – que na verdade nem tinha ansiedade. Mas o final mesmo foi ver toda a fala de cantar os seus sentimentos de ansiedade e tristeza se refletirem em uma linda cena em que ele se “despede” do luto por Cece, cantando no Molly’s. Que cena maravilhosa. Eu acho o Dr. Charles um dos melhores personagens da série, e sempre torço para que ele tenha o reconhecimento e respeito que merece dos personagens, e do público da série também.

Antes de encerrar, tivemos a trama de Maggie e Ben – ele está em remissão, o que é a um passo de dizer que está curado. Já Maggie, está entrando na radioterapia. Eu gosto dos dois, e a sintonia deles é muito boa. Porém, conhecendo Chicago Med, posso chutar que algo ruim poderá vir para a enfermeira ainda nesta temporada. Será?

E você, o que achou do episódio? Deixe nos comentários.

Confira o vídeo promocional do próximo episódio abaixo, que terá um acidente de avião.

 

Nota do Episódio8.5
Crítica do décimo episódio da quinta temporada de Chicago Med, intitulado "Guess It Doesn’t Matter Anymore”, exibido nos Estados Unidos pela NBC.
8.5
Anderson Narciso

Anderson Narciso

Mestre em História, criador de conteúdo, é o editor responsável e idealizador do Mix de Séries. Eterno órfão de Friends, One Tree Hill e ER, acompanha séries desde que se entende por gente. No Mix é editor de colunas e de notícias e resenha séries semanalmente.

No comments

Add yours